A barra do Governo Federal só poderá ser visualizada se o javascript estiver ativado. Ir direto para menu de acessibilidade.

Opções de acessibilidade

GTranslate

    pt    en    fr    es
Início do conteúdo da página
Programa Cão-Guia

Servidores recebem cães para acolhimento e socialização

0
0
0
s2sdefault
Publicado: Terça, 11 de Dezembro de 2018, 17h22 | Última atualização em Quinta, 20 de Dezembro de 2018, 11h20 | Acessos: 384

Animais passarão o período do recesso e férias com famílias voluntárias. Além deles, filhotes também foram passados para as famílias voluntárias para a fase de socialização.

O mês de dezembro começou movimentado para os cachorros do Programa Cão-Guia, desenvolvido pelo Instituto Federal Goiano (IF Goiano) - Campus Urutaí. Isso porque os cães foram entregues para os servidores que se voluntariaram para receber os pets em suas casas, como parte do ciclo de formação dos mesmos. Ao todo, serão entregues três filhotes para famílias socializadoras e seis cachorros para famílias acolhedoras, todas elas de servidores da Instituição que se voluntariaram para participar do Programa.

Na terça-feira, 11, os cães Elvis e Amely foram entregues aos servidores da Reitoria, para acolhimento durante o período de recesso e férias na Instituição. Famílias acolhedoras são responsáveis por hospedar um cão do Programa, que geralmente são matrizes, padreadores ou cães-guia já treinados, em sua residência e apesar de não terem a obrigação de socializá-lo, a orientação é para que contribuam com o trabalho de treinamento do animal, utilizando-se dos mesmos padrões passados pelos treinadores do Programa no dia-a-dia do animal. Além do Elvis e da Amely, o Fox, a Fênix, a Eva e a Vitamina também foram entregues a servidores do Campus Urutaí que se candidataram como famílias acolhedoras.

Já os filhotes Beiju, Baré e Bapó foram entregues para servidores, também do Campus Urutaí, mas com a função socializadora. Essas famílias serão responsáveis pelo desenvolvimento dos primeiros 15 meses de vida dos cãezinhos. Nessa etapa, o socializador deve levar o animal a todos os ambientes possíveis, tais como trabalho, academias, shopping centers, restaurantes, ônibus, etc. Essa fase é importante para o desenvolvimento das três principais características de um cão-guia: educação, obediência e foco no trabalho de guiar. Os filhotes Apoena e Airam já estão com famílias socializadoras e a previsão é que voltem para o Programa no primeiro semestre de 2019.

O Programa Cão Guia do IF Goiano - Campus Urutaí tem o objetivo de formar novos Treinadores e Instrutores de cães-guia, bem como treinar e fornecer os animais como ferramenta de inclusão para pessoas cegas ou com baixa visão. O tempo de formação do cão-guia é de aproximadamente 2 anos, uma vez que ele passa pela etapa de socialização e, somente após esse período, é direcionado para o treinamento.

Legislação - Apesar de ainda existir discriminação em relação a entrada de cegos com seu cão-guia em estabelecimentos fechados, esse e outros direitos são garantidos pela Lei nº 11.126/05 e o Decreto nº 5.904/2005. A Lei 11.126/05, conhecida como a Lei do Cão-guia, determina que “é assegurado à pessoa com deficiência visual usuária de cão-guia o direito de ingressar e permanecer com o animal nos veículos e nos estabelecimentos públicos e privados de uso coletivo”. Além disso, define que a deficiência visual restringe-se à “cegueira e à baixa visão”.

 

Clique e saiba mais sobre o Programa Cão-Guia

 

Coordenação Geral de Comunicação Social e Eventos

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página