A barra do Governo Federal só poderá ser visualizada se o javascript estiver ativado. Ir direto para menu de acessibilidade.

Opções de acessibilidade

GTranslate

    pt    en    fr    es
Página inicial > Últimas Notícias > Mestrado em Tecnologia de Alimentos faz primeiro pedido de patente do Programa
Início do conteúdo da página
Pesquisa

Mestrado em Tecnologia de Alimentos faz primeiro pedido de patente do Programa

0
0
0
s2sdefault
Publicado: Quinta, 14 de Junho de 2018, 18h20 | Última atualização em Quinta, 21 de Junho de 2018, 18h55

Invento consiste em uma composição para alimentos sem glúten. Projeto foi desenvolvido por estudante do Câmpus Rio Verde.

O Instituto Federal Goiano (IF Goiano) realizou esta semana, por meio do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), novo depósito de pedido de patente junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). O invento trata-se de uma composição para alimentos se glúten, constituída a partir da farinha de Okara e farelo de milho.

A pesquisa foi desenvolvida no Câmpus Rio Verde, pela então aluna do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia de Alimentos, Rafaiane Guimarães Macedo. O trabalho foi resultado do seu trabalho de conclusão de curso, defendido em agosto de 2017 e com orientação da coordenadora do Programa, Mariana Buranelo. Hoje a estudante é servidora da unidade.

A invenção trata-se composição para alimentos sem glúten caracterizada como uma mistura pronta de farinha de okara com farelo de milho, subprodutos das agroindústrias de grãos. De acordo com as pesquisadoras, a utilização desses dois compostos em alimento com potencial funcional , além de resultar na sua aplicação industrial, gera ainda proteção ao meio ambiente, agregando valor aos subprodutos.

A mistura proposta é voltada para o consumo por pessoas portadoras da doença celíaca por apresentar ingredientes livres de glúten. Além disso, é indicado também àqueles que são intolerantes ao glúten (sensibilidade não celíaca) e alguns casos de esquizofrenia, autismo e ataxia cerebelar, ou ainda, aqueles que evitam o glúten por conta de um estilo de vida saudável.

" Por fim, observa-se a aplicação industrial pelo mercado consumidor crescente para alimentos práticos sem glúten, a novicidade pela utilização de subprodutos okara e farelo de milho com resultados de maior valor nutritivo, com praticidade e economicidade, bem como o ato inventivo na escolha dos ingredientes okara e farelo de milho na mistura pronta de pães sem glúten de forma não óbvia, afinal são descartados ou utilizados para ração animal", finaliza o documento de pedido de depósito.

 

Coordenação Geral de Comunicação Social e Eventos

registrado em:
Fim do conteúdo da página