QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA DE ABOBRINHA ‘MENINA BRASILEIRA’ MINIMAMENTE PROCESSADA

Letícia de Paula Nascente, Beatriz Leão de Lacerda Coelho, Isabela Rosa de Araújo, Geisiane Venâncio da Silva

Resumo


A abobrinha (Curcubita moschata) é versátil e possui grande aceitação pelos consumidores e sua produção pode colaborar com a agricultura familiar. Atendendo às profundas modificações do padrão de alimentação, com busca por alimentação mais saudável e fresca objetivou-se com este estudo avaliar a qualidade físico-química de abobrinha ‘Menina Brasileira’ minimamente processada armazenada sob refrigeração. O estudo foi delineado em esquema fatorial (2 x 2 x 10) dois tipos de corte (rodelas de 5 mm e retalho), dois tratamentos (com e sem salmoura ácida) e 10 épocas de avaliação com intervalo de 3 dias. As avaliações físico-químicas foram de sólidos solúveis, acidez titulável e aparência. Notou-se melhor estabilidade físico-química e sensorial para os tratamentos com salmoura e também para o corte em fatia.

Palavras-chave


Curcubita moschata, processamento mínimo, refrigeração, salmoura

Texto completo:

PDF

Referências


AOAC - Association Official Analytical Chemistis. (2010). Official Methods of Analysis of AOAC International (18ª ed.) Gaithersburg: AOAC.

Artés, F., Gómez, P. A., Artés-hernandez, F. (2007). Physical, physiological and microbial deterioration on minimally fresh processed fruits and vegetables. Food Science and Technology International, 13(3), 177-188.

Bee, R.A., Barros, A. C. S. A. (1999). Sementes de abóbora armazenadas em condições de vácuo. Revista Brasileira de Sementes, 21(2), 120-126.

Durigan M. F. B., Mattiuz B. H. (2007). Efeito de injúrias mecânicas na qualidade de abobrinhas armazenadas em condição ambiente. Horticultura Brasileira, 25(2), 291-295.

EMBRAPA- Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. (2011). Processamento Mínimo de Produtos Hortifrutícolas. Disponível em: Acesso em: 30/01/2018.

INTERNATIONAL FRESH-CUT PRODUCE ASSOCIATION (2001). Food safety guidelines for the fresh-cut produce industry (4ª ed.) Washington, DC.

Moretti, C. L., Araújo, A. L., Silva, W. L. C., Krames, J. G, Ferreira, K.S., Silva, V. J. M. (2000). Avaliação da qualidade de pimentão minimamente processado. Horticultura Brasileira, 18, 329-330.

Olinik, J. R., Oliveira Junior, A, Kepp, M. A., Reghin, M. Y., (2011). Produtividade de híbridos de abobrinha italiana cultivados sob diferentes coberturas de solo. Horticultura Brasileira, 29(1), 130-134.

Pacheco, D. A., Rezende, J. A. M., Piedade, S. M. S. (2003). Biomass, vírus concentration, and symptomatology of cucurbits infected by mild and severe strains of Papaya ringspot virus. Scientia Agricola, 60(4), 691-698.

Resende, G. M., Borges, R. M. E., Gonçalves, N. P. S. (2013). Produtividade da cultura da abóbora em diferentes densidades de plantio no Vale do São Francisco. Horticultura Brasileira, 31(3), 504-508.

Rico, D., Matín-Diana, A. B., Barat, J. M., Barry-Ryan. (2007). Extending and measuring the quality off fresh – cut fruit and vegetables: a review. Trends in Food & Technology,18 (7), 373-386.

Sasaki, F. F., DelAguila, J. S., Gallo, C. R., Ortega, E. M. M., Jacomino, A. P., Kluge, R. A. (2006). Alterações fisiológicas, qualitativas e microbiológicas durante o armazenamento de abóbora minimamente processada em diferentes tipos de corte .Horticultura Brasileira, 24(2), 170-174.

Streit, N. M., Canterle, L. P., Canto, M. W., Hecktheuer, L. H. H. (2005). As clorofilas. Ciencia Rural, 35(3), 748-755.

Vilas Boas, B. M., Alves, J. A., Boas, E. V. B. V. (2011). Effect of cut type on fresh-cut 'menina brasileira' zucchini quality. Ciência e Agrotecnologia, 35(6), 1178-1185.

Wiley, R. C. (1994). Minimally processed fruits and vegetables. London: Chapman & Hall.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v2i2.1010

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




Direitos autorais 2019 Letícia de Paula Nascente, Beatriz Leão de Lacerda Coelho, Isabela Rosa de Araújo, Geisiane Venâncio da Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Indexada nas seguintes bases:

 

          

Uma publicação da Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação do IFGoiano - Câmpus Urutaí

 

  

 Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.