RECURSOS FLORAIS E SISTEMAS DE POLINIZAÇÃO BIÓTICOS EM VEGETAÇÃO LENHOSA DE UMA VEREDA NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DE CALDAS NOVAS, GO, BRASIL

Vanessa Gonzaga Marcelo, Marcus Vinícius Vieitas Ramos, Mirley Luciene dos Santos

Resumo


O presente estudo objetivou conhecer os tipos e a distribuição dos recursos florais na vegetação lenhosa de uma vereda no Parque Estadual da Serra de Caldas Novas, GO, bem como inferir os sistemas de polinização bióticos associados. Como os dados foram obtidos a partir de levantamento florístico realizado de outubro de 2012 a maio de 2013 e de material botânico testemunho depositado no herbário do Instituto Federal Goiano, Câmpus Urutaí, o presente estudo avaliou apenas espécies que tiveram a floração no período chuvoso. O tipo de recurso disponível para o visitante floral (pólen, néctar, óleo e resina) foi analisado e sua disponibilidade ao longo do período chuvoso. A predição dos sistemas de polinização bióticos foi obtida com os registros de campo e a revisão de literatura. No período de estudo foram observadas 36 espécies, pertencentes a 12 famílias botânicas, sendo as mais representativas Melastomataceae, Malpighiaceae e Fabaceae. O recurso floral mais representativo foi o pólen (72%), seguido do óleo (15%) e néctar (13%), havendo recursos disponíveis aos visitantes ao longo de todos os meses de coleta. O sistema de polinização predominante foi a melitofilia (69%), seguido da entomofilia (19%), cantarofilia, esfingofilia, ornitofilia e psicofilia (3% cada). Esses dados indicam uma riqueza de sistemas de polinização e a disponibilidade na vegetação de diferentes recursos florais que podem manter uma rica fauna de polinizadores no parque, e evidencia a representatividade do pólen e da melitofilia em todos os estratos, reforçando a importância desse grupo de polinizadores para a vegetação da vereda em estudo.

Palavras-chave


Cerrado; Estratificação; Melitofilia; Síndromes de polinização

Texto completo:

PDF

Referências


Agostini, K., Lopes, A. V. & Machado, I. C. (2014). Recursos Florais. In: Rech, A. R., Agostini, K., Oliveira, P. E. & Machado, I. C. (Orgs.), Biologia da Polinização (pp. 130-150). Rio de Janeiro: Projeto Cultural.

Aguiar, L. M. S., Machado, R. B. & Marinho-Filho, J. (2004). A diversidade biológica do Cerrado. In: Aguiar, L. M. S. & Camargo, A. J. A. (Eds.). Cerrado: ecologia e caracterização (pp. 17-40). Planaltina: Embrapa Cerrados.

Alves-dos-Santos, I., Machado, I. C. & Gaglianone, M. C. (2007). História Natural das Abelhas Coletoras de Óleo. Oecologia Brasiliensis, 11(4), 544-557.

Aoki, C. (2011). O fogo no Parque Nacional das Emas: efeitos na comunidade vegetal, fauna antófila e redes de interação. (Tese de Doutoramento). Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Brasil.

Araújo, G. M., Barbosa, A. A., Arantes, A. A. & Amaral, A. F. (2002). Composição florística de veredas no Município de Uberlândia, MG. Rev. bras. bot., 25(4), 475-493.

Araújo, J. L. O., Quirino, Z. G. M., Gadelha-Neto, P. C. & Araújo, A. C. (2009). Síndromes de polinização ocorrentes em uma área de Mata Atlântica, Paraíba, Brasil. Biotemas, 22(4), 83-94.

Barbosa, A. A. & Sazima, M. (2008). Biologia reprodutiva de plantas herbáceo-arbustivas de uma área de Campo Sujo de Cerrado. In: Sano, S. M., Almeida, S. P. & Ribeiro, J. F. (Eds.), Cerrado: ecologia e flora (pp. 293-318) Brasília: Embrapa Cerrados.

Batalha, M. A., Aragak, S. & Mantovani, W. (1997). Variações fenológicas das espécies do cerrado em Emas (Pirassununga, SP). Acta bot. bras., 11(1), 61-78.

Brasil. (2012). Novo Código Florestal Brasileiro. Lei nº 12.651 de 25 de maio de 2012. Disponível em: . Acesso em: 11/05/2015.

D’Ávila, M. (2006). Insetos visitantes florais em áreas de cerradão e cerrado sensu stricto no Estado de São Paulo. (Tese de Doutoramento). Universidade de São Paulo. Escola Superior de Agricultura de “Luiz de Queiroz”, Brasil.

Danieli-Silva, A. et al. (2011). Do pollination syndromes cause modularity and predict interactions in a pollination network in a tropical high-altitude grassland? Oikos, 121(1), 35-43.

Faegri, K. & Van Der Pijl, L. (1979). Principles of pollination ecology (3ª ed.) Oxford: Pergamon Press.

Fagundes, N. C. A. & Ferreira, E. J. (2016). Veredas (Mauritia flexuosa palm swamps) in the southeast Brazilian savanna: Floristic and structural peculiarities and conservation status. Neotropical Biology and Conservation, 11(3), 178-183.

Felfili, J. M. et al. (2008). Padrões Fitogeográficos e sua Relação com Sistemas de Terra no Bioma Cerrado. In: Sano, S. M., Almeida, S. P. & Ribeiro, J. F. (Eds.). Cerrado: ecologia e flora (pp. 215-228). Brasília: Embrapa Cerrados.

Felfili, J. M., Ribeiro, J. F., Borges, H. C. & Vale, A. T. (2004). Potencial econômico da biodiversidade do Cerrado: estágio atual e possibilidades de manejo sustentável dos recursos da flora. In: Aguiar, L. M. S. & Camargo, A. J. A. Cerrado: ecologia e caracterização (PP. 177-218). Planaltina: Embrapa Cerrados.

Goiás. (2015). Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Unidades Estaduais de Conservação. Disponível em: . Acesso em: 11/05/2015.

Granja-e-Barros, M. A. (1996). Biología reproductiva e polinizaçao de especies simpátricas de Diplusodon (Lythracea). Acta Bot. Mex., 37, 11-21.

Guimarães, A. J. M., Araújo, G. M. & Corrêa, G. F. (2002). Estrutura fitossociológica em área natural e antropizada de uma Vereda em Uberlândia, MG. Acta bot. bras., 16(3), 317-329.

Hoffmann, G. M. & Varassin, I. G. (2011). Variação da viabilidade polínica em Tibouchina (Melastomataceae). Rodriguésia, 62(1), 223-228.

Kevan, P. G. & Viana, B. F. (2003). The global decline of pollination services. Biodiversity, 4(4), 3-8.

Kinoshita, L. S. et al. (2006). Composição florística e síndromes de polinização e de dispersão da mata do Sítio São Francisco, Campinas, SP, Brasil. Acta bot. bras., 20(2), 313-327.

Klink, C. A. & Machado, R. B. (2005). A conservação do Cerrado brasileiro. Megadiversidade, 1(1), 147-155.

Lenza, E. & Klink, C. A. (2006). Comportamento fenológico de espécies lenhosas em um cerrado sentido restrito de Brasília, DF. Rev. bras. bot., 29(4), 627-638.

Machado, I. C. & Lopes, A. V. (2002). A polinização em ecossistemas de Pernambuco: uma revisão do estado atual do conhecimento. In: Tabarelli, M. & Silva, J. M. C. (Org.). Diagnóstico da Biodiversidade de Pernambuco. (pp. 583-596). Recife: Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio-Ambiente, Fundação Joaquim Nabuco e Editora Massangana.

Martins, F. Q. & Batalha, M. A. (2007). Vertical and Horizontal Distribution of Pollination Systems in Cerrado Fragments of Central Brazil. Brazilian Archives of Biology and Technology, 50(3), 503-514.

Maruyama, P. K., Custódio, L. N. & Oliveira, P. E. (2012). When hummingbirds are the thieves: visitation effecton the reproduction of Neotropical snowbell Styrax ferrugineus Nees & Mart (Styracaceae). Acta bot. bras., 26(1), 58-64.

Meirelles, M. L., Guimarães, A. J. M., Oliveira, R. C., Araújo, G. M. & Ribeiro, J. F. (2004). Impactos sobre o estrato herbáceo de Áreas Úmidas do Cerrado. In: Aguiar, L. M. S. & Camargo, A. J. A. (Eds), Cerrado: ecologia e caracterização (pp. 41-68). Planaltina: Embrapa Cerrados.

Montoro, G. R. & Santos, M. L. (2007). Fenologia e Biologia Reprodutiva de Tibouchina papyrus (Pohl) Toledo (Melastomataceae) no Parque Estadual da Serra dos Pireneus, Goiás. Rev. Biol. Neotrop., 4(1), 21-29.

Moreira, S. N., Pott, A., Pott, V. J. & Damasceno-Junior, G. A. (2011). Structure of pond vegetation of a vereda in the Brazilian Cerrado. Rodriguésia, 62(4), 721-729.

Nascimento, E. A. & Del-Claro, K. (2007). Floral Visitors of Chamaecrista debilis (Vogel) Irwin & Barneby (Fabaceae- Caesalpinioideae) at Cerrado of Estação Ecológica de Jataí, São Paulo State, Brazil. Neotropical Entomology., 36(4), 619-624.

Nunes-Silva, P., Hrncir, M. & Imperatriz-Fonseca, V. L. (2010). A polinização por vibração. Oecologia Australis, 14(1), 140-151.

Obermulle, E. A., Nascimento, G. B., Gava, H. Z., Ribeiro, L. F & Silva, A. G. (2008). O contraste entre síndromes de polinização e sistemas efetivos de polinização e suas perspectivas para ecossistemas associados à Mata Atlântica. Natureza on line, 6(1), 42-47.

Oliveira, G. C., Araújo, G. M. & Barbosa, A. A. (2009). Florística e zonação de espécies vegetais em veredas no Triângulo Mineiro, Brasil. Rodriguésia, 60 (4), 1077-1085.

Oliveira, P. E. A. M. (2008). Fenologia e biologia reprodutiva das espécies de Cerrado. In: Sano, S. M.; Almeida, S. P. & Ribeiro, J. F. (Eds.). Cerrado: ecologia e flora (pp. 275-290). Brasília: Embrapa Cerrados.

Oliveira, P. E. & Gibbs, P. E. (2000). Reproductive biology of woody plants in a cerrado community a Central Brazil. Flora, 195, 311-329.

Ollerton, J. et al. (2009). A global test of the pollination syndrome hypothesis. Annals of Botany, 103, 1471–1480.

Pigozzo, C. M., Melo, A. M. C. & Rebouças, P. L. O. (2006). Síndromes de Polinização: são reais? In: Viana, B. F. & Oliveira, F. F. (Orgs.). Biologia e Ecologia da Polinização- cursos de campo (pp. 15-24). Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia.

Pinheiro, M., Gaglionone, M. C., Nunes, C. E. P., Sigrist, M. R. & Alves-dos-Santos, I. (2014). Polinização por Abelhas. In: Rech, A. R.; Agostini, K., Oliveira, P. E. & Machado, I. C. (Orgs.). Biologia da Polinização (pp. 206-233). Rio de Janeiro: Projeto Cultural.

Ramos, M. V. V. et al. (2006). Veredas do triângulo mineiro: solos, água e uso. Ciênc. Agrotec. Lavras, 30(2), 283-293.

Ramos, M. V. V., Haridasan, M. & Araújo, G. M. (2014). Caracterização dos Solos e da Estrutura Fitossociológica da Vegetação de Veredas da Chapada no Triângulo Mineiro. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science, 3(2), 180-210.

Rech, A. R., Ávila, R. S. A. & Schlindwein, C. (2014). Síndromes de Polinização: especialização e generalização. In: Rech, A. R., Agostini, K., Oliveira, P. E. & Machado, I. C. (Orgs.) Biologia da Polinização. (pp. 172-180). Rio de Janeiro: Projeto Cultural.

Resende, I. L. M. (2012). Conservação das áreas úmidas à luz do Novo Código Florestal Brasileiro. 63º Congresso Nacional de Botânica. Anais do 63º Congresso Nacional de Botânica. Joinville - SC – Brasil.

Resende, I. L. M., Chaves, L. J. & Rizzo, J. A. (2013). Floristic and phytosociological analysis of palm swamps in the central part of the Brazilian savanna. Acta. bot. bras., 21(1), 205-225.

Reis, S. M. et al. (2012). Síndromes de Polinização e Dispersão de espécies lenhosas em um fragmento de cerrado sentido restrito na transição Cerrado- Floresta Amazônica. Heringeriana, 6(2), 28-41.

Ribeiro, J. F. & Walter, B. M. T. (2008). As principais fitofisionomias do Bioma Cerrado. In: Sano, S. M., Almeida, S. P. & Ribeiro, J. F. (Eds.), Cerrado: ecologia e flora. (pp. 153-212). Brasília: Embrapa Cerrados.

Santos, A. P. M., Romero, R. & Oliveira, P. E. A. M. (2010). Biologia reprodutiva de Miconia angelana (Melastomataceae), endêmica da Serra da Canastra, Minas Gerais. Rev. Brasil. Bot., 33(2), 333-341.

Santos, E. V., Guilherme, F. A. G., Barbosa, G. R. & Carneiro, S. E. S. (2018). Morfopedologia, composição florística e fitossociologia de uma vereda no sudoeste de Goiás. Geoambiente on-line, 31, 137-159.

Santos, F. F. M. & Munhoz, C. B. R. (2012). Diversidade de espécies herbáceo-arbustivas e zonação florística em uma vereda no Distrito Federal. Heringeriana, 6(2), 21-27.

Silberbauer-Gottsberger, I. & Gottsberger, G. (1988). A polinização de plantas do cerrado. Rev. bras. biol., 48(4), 651-663.

Silva, C. I., Araújo, G. & Oliveira, P. E. A. M. (2012). Distribuição vertical dos sistemas de polinização bióticos em áreas de cerrado sentido restrito no Triângulo Mineiro, MG, Brasil. Acta bot. bras., 26(4), 748-760.

Silva, D. P., Amaral, A. G., Bijos, N. R. & Munhoz, C. B. R. (2018). Is the herb-shrub composition of veredas (Brazilian palm swamps) distinguishable? Acta bot. bras., 32(1), 47-54.

Silva, F. A. M., Assad, E. D. & Evangelista, B. A. (2008). Caracterização Climática do Bioma Cerrado. In: Sano, S. M.; Almeida, S. P. & Ribeiro, J. F. (Eds.), Cerrado: ecologia e flora. (pp. 71-106). Brasília: Embrapa Cerrados.

Silva-Júnior, M. C. (2012). 100 árvores do cerrado-sentido restrito: guia de campo. Brasília: Rede de Sementes do Cerrado.

Sousa, R. F., Nascimento, J. L., Fernandes, E. P., Leandro, W. M. & Campos, A. B. (2011). Matéria orgânica e textura do solo em veredas conservadas e antropizadas no bioma Cerrado. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 15(8), 861–866.

Souza, C. S. et al. (2013). Tipos e recursos florais, sistemas sexuais e de polinização em vegetação de vereda, no Brasil Central. 64º Congresso Nacional de Botânica. Anais do 64º Congresso Nacional de Botânica. Belo Horizonte.

Souza, D. L., Evangelista- Rodrigues, A. & Pinto, M. S. C. (2007). As abelhas como agentes polinizadores. REDVET. Rev. Electrón. Vet., 8(3), 1-7.

Souza, I. M., Coutinho, K. & Funch, L. S. (2012). Estratégias fenológicas de Senna cana (Nees & Mart.) H. S. Irwin & Barneby (Fabaceae: Caesalpinioideae) como mecanismo eficiente para atração de polinizadores. Acta bot. bras., 26(2), 435-443.

Storti, E. F. (1993). Biologia Floral de Mauritia flexuosa Lin. Fil, na região de Manaus, AM, Brasil. Acta Amaz., 23(4), 371-381.

Tannus, J. L. S., Assis, M. A. & Morellato, L. P. C. (2006). Fenologia Reprodutiva em Campo Sujo e Campo Úmido numa área de cerrado no Sudeste do Brasil, Itirapina – SP. Biota Neotropica, 6(3), 1-27.

Tubelis, D. P. (2009). Veredas and their use by birds in the Cerrado, South America: a review. Biota Neotrop., 9(3), 362-374.

Varassin, I. G. & Amaral-Neto, L. P. (2014). Atrativos. In: Rech, A. R., Agostini, K., Oliveira, P. E. & Machado, I. C. (Orgs.), Biologia da Polinização (pp. 151-168). Rio de Janeiro: Projeto Cultural.

Yamamoto, L. F., Kinoshita, L. S. & Martins, F. R. (2007). Síndromes de polinização e de dispersão em fragmentos da Floresta Estacional Semidecídua Montana, SP, Brasil. Acta bot. bras., 21(3), 553-573.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v2i2.1021

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




Direitos autorais 2019 Vanessa Gonzaga Marcelo, Marcus Vinícius Vieitas Ramos, Mirley Luciene dos Santos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Indexada nas seguintes bases:

 

          

Uma publicação da Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação do IFGoiano - Câmpus Urutaí

 

  

 Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.