COMPARATIVO HISTOPATOLÓGICO DA REPARAÇÃO INTESTINAL E MUSCULAR DE COELHOS (Oryctolagus cuniculus) APÓS SUTURA COM FIOS DE QUITOSANA OU POLIGLECAPRONE: resultados parciais

Camila Pires de Morais Teodoro Guimarães, Saulo Humberto de Ávila Filho

Resumo


A quitosana é um biomaterial que está em ascensão nas áreas biomédicas, sendo utilizado com diversos fins, devido seu potencial cicatrizante, antimicrobiano e indutor de pouca reação tecidual. Entretanto há poucos estudos sobre sua eficiência no ramo da cirurgia. Objetivou-se analisar, microscopicamente, o processo cicatricial intestinal e muscular, após o uso de fio de quitosana ou poliglecaprone empregados na cecorrafia e laparorrafia em coelhos (Oryctolagus cuniculus). Foram utilizados 42 coelhos, alocados em dois grupos, Quitosana ou Poliglecaprone, contendo 21 animais cada. Os lagomorfos foram então submetidos aos procedimentos cirúrgicos acima citados, utilizando-se os fios que nomeiam seu grupo nas suturas do intestino, musculatura e subcutâneo. No 5°, 15° e 25° dias pós-operatório, sete animais de cada grupo eram eutanasiados a fim de se colher amostras para análise histopatológica. As lâminas foram coradas com Hematoxilina & Eosina, visando avaliar semi-quantitativamente a intensidade da reação tecidual cicatricial presente nas amostras. Na análise histológica, a cicatrização muscular diferiu entre os grupos quanto a intensidade do tecido de granulação ao 15º dia pós-operatório (p=0,014), bem quanto a quantidade de células mononucleares (p=0,024) e tecido de granulação (p=0,006) ao 25° dia pós-operatório. Na análise intestinal, os grupos se diferenciaram, em todos os tempos de avaliação, quanto a intensidade do tecido de granulação (5º dia p=0,031; 15° dia p=0,027; 25° dia p=0,019). Adiciona-se que no 15° dia também se evidenciou diferença estatística na quantidade de células mononucleares (p=0,020). Por fim ao 25º dia houve diferença na quantidade de células gigantes (p=0,045). Conclui-se que o fio de quitosana estimulou de maneira mais intensa a proliferação de tecido de granulação, e assim como, o fio de poliglecaprone, foi eficaz em garantir a cicatrização do ceco e da parede do abdômen, mostrando que o primeiro fio possui potencial futuro para utilização em cirurgias que envolvam essas regiões anatômicas.

Palavras-chave


Biomaterial; Cicatrização; Enterorrafia; Fio de sutura; Laparorrafia

Texto completo:

PDF

Referências


Aranaz I, et al. (2009). Functional characterization of chitin and chitosan. Curr Chem Bio, 3, 203-230.

Brito, M. K. M., Schellini, S. A., Padovani, C. R., Pellizzon, C. H., T & Neto, C. G. (2008). Inclusões de quitosana no subcutâneo de rato: avaliação clínica, histológica e morfométrica. An Bras Dermatol., 84(1), 35-40.

Godeiro, J. R. S. (2010). Estudo comparativo da reação tecidual entre fios de nylon e quitosana em suturas no peritônio de ratos. (Dissertação de mestrado) Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Brasil.

Hesketh, M., Sahin, K. B., West, Z. E. & Murray, R. Z. (2017). Macrophage Phenotypes Regulate Scar Formation and Chronic Wound Healing. International Journal of Molecular Sciences, 18(7), 1545-55.

Hosgood, G. (2006). Stages of wound healing and their clinical relevance. Vet Clin N Am., 36, 667-85.

Huaixan, L. N. (2013). Comparação entre as histerorrafias com fios de sutura dos tipos categute e quitosana: Macroscópica, histoquímica e imuno-histoquímica. (Dissertação de mestrado). Universidade de Brasília, Faculdade Agronomia e Medicina Veterinária, Brasil.

Junqueira, L. C. & Carneiro, J. (2008). Histologia e seus Métodos de Estudo. In: L. C. Junqueira & J. Carneiro (Eds) Histologia Básica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A.

Kumar, V., Abbas, A. K. & Aster, J. C. (2013). Robbins Patologia Básica. Rio de Janeiro: Elsevier Editora Ltda.

Martins, E. A. N., Invernizzi, M. S., Campos, M. G. N., Teodoro, P. A., Contieri, M. B. & Da Silva, L. C. L. C. (2013). Emprego de membrana de quitosana em feridas cutâneas induzidas experimentalmente em equinos. Ciência Rural, 43(10), 1824-1830.

Medrado, A., Costa, T., Prado, T., Reis, S. & Andrade, Z. (2010). Phenotype characterization of pericytes during tissue repair following low-level laser therapy. Photodermatol Photoimmunol Photomed, 26, 192–197.

Montenegro, R. & Godeiro J. R. G. (2014). Chitosan based suture – focusing on the real advantages of an outstanding biomaterial. Adv Chitin Sci., 14, 211-216.

Nakajima, M., Atsumi, K., Kifune, K., Miura, K. & Kanamaru, H. (1986). Chitin is an effective material for sutures. Jap J Surg., 16,418-424.

Nary Filho, H., Matsumoto, M. A., Batista, A. C., Lopes, L. C., Sampaio Góes, F. C. G. & Consolaro, A. (2002). Comparative Study of Tissue Response to Polyglecaprone 25, Polyglactin 910 and Polytetrafluorethylene Suture Materials in Rats. Braz Dent J, 13(2), 86-91

Okamoto, T., Yabushita, L. K., Nakama, H. H. & Okamoto, R. (2003). Processo de reparação cutânea após incisão e sutura com fios de poliglactina 910 e poliglecaprone 25: estudo microscópico comparativo em ratos. Revista Odontológica de Araçatuba, 24(2), 62-67.

Senel, S. & Mcclure, S. J. (2004). Potential applications of chitosan in veterinary medicine. Adance Drug Delivery Review, 56, 1467-80.

Tazima, M. F. G. S., Vicente, Y. A. M. V. A. & Moriya, T. (2008). Biologia da ferida e cicatrização. Simpósio: Fundamentos em Clínica Cirúrgica, Ribeirão Preto.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v2i2.1047

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo