Quantificação da microbiota e diversidade ecológica da meso e macrofauna do solo sob diferentes usos no município de Urutaí (região Sudeste Goiano)

Authors

  • Milton Luiz da Paz-Lima Instituto Federal Goiano campus Urutaí
  • Franciele Cristina da Silva Instituto Federal Goiano
  • Ígor de Jesus Santana Instituto Federal Goiano
  • Rodolfo David Martins Instituto Federal Goiano
  • Natanael Marcos Lemes Instituto Federal Goiano
  • Anderson Rodrigues Rietjens Instituto Federal Goiano

DOI:

https://doi.org/10.33837/msj.v1i4.112

Abstract

A fauna edáfica exerce forte influencia sobre a rizosfera e a atividade microbiana do solo exercendo papel fundamental na conservação da biodiversidade. O objetivo deste trabalho foi a apresentação de metodologias utilizadas e caracterização da diversidade ecológica da microbiota, meso e macrofauna em diferentes usos de solo. Duas metodologias foram realizadas em delineamento inteiramente casualizado, em campo, com cinco repetições por cada uso do solo representadas por: i) Floresta Antropizada; ii) Fruticultura; iii) Olericultura; iv) Piscicultura e v) Eucalipto. Amostras de solo foram coletadas para quantificação da microbiota do solo (ufc/g de solo) nas repetições utilizando o método da diluição em série. Utilizou-se o método “Pit fall” para quantificação da abundância da meso e macrofauna. Os valores de abundância permitiram calcular os parâmetros o índice de Chao, Shannon, Simpson e índice de Fisher. Na primeira metodologia avaliou-se a número de ufc/g de solo e na segunda metodologia a abundância de espécies. As variáveis dependentes foram analisadas utilizando análise de variância e teste Tukey. A primeira metodologia apontou estatisticamente como maior o número de ufc/g de solo no solo oriundo de Olericultura, muito superior aos demais usos. A segunda metodologia apontou como mais abundante a ordem Hymenoptera, que apresentou a maior número unidade das mesmas espécies de organismos capturados em todos os usos do solo. O uso de solo com plantio de Eucalipto apresentou estatisticamente maior riqueza de espécies, não havendo diferença significativa dos usos de solo para o parâmetro índice de Shannon, Fisher e Simpson. Através dessas metodologias foi possível a verificação das relações ecológicas da população da microbiota do solo, meso e macrofauna e as relações de equilíbrio ecológico entre os indivíduos ocupantes. O impacto das ações promovidas pelo homem podem ser traduzidos pela implementação de metodologias que descrevam e reflitam através de parâmetros de diversidade as relações ecológicas de uso inadequado do solo.

Author Biography

Milton Luiz da Paz-Lima, Instituto Federal Goiano campus Urutaí

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Paraná (1999) e mestrado em Fitopatologia pela Universidade de Brasília (2002), concluiu o doutorado em 2006 no programa de pós-graduação em Fitopatologia também pela Universidade de Brasília, no primeiro semestre de 2009 finalizou o pós-doutorado na área de fitopatologia Molecular e atualmente é professor dedicação exclusiva do Instituto Federal Goiano. Possue experiência na área de Agronomia, com ênfase em Fitopatologia, atuando principalmente nos seguintes temas: micologia, ocorrência, identificação, etiologia, diagnose, epidemiologia, resistência de plantas a doenças, controle de doenças e caracterização de fitopatógenos.

References

Alexander, M. (1964). Biochemical ecology of soil microorganisms. Annual Review of Microbiology, 18, 217-253.

Almeida, L. M., Ribeiro-Costa, C. S. R., & Marinoni, L. (2003). Manual de coleta, conservação, montagem e identificação de insetos. Ribeirão Preto: Holos, p.88.

Alvarenga, M. I. N., Siqueira, J. O., Davide, A. C. (1999). Teor de carbono, biomassa microbiana, agregação e micorriza em solos de Cerrado com diferentes usos. Ciência Agrotecnica, 23(3), 617-625.

Alves, M. V., Baretta, D., Cardoso, E. J. B. N. (2006). Fauna edáfica em diferentes sistemas de cultivo no Estado de São Paulo. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, 5(1), 33-43.

Andreola, F. & Fernandes, S. A. P. (2007). Microbiota do solo e qualidade ambiental. Instituto Agronômico Campinas-SP, 21-37.

Antonini, S. R. C. (2004). Métodos de análises e monitoramento microbiológico em laboratório de destilaria. Araras: Centro de Ciências Agrárias, p.33.

Antoniulli, Z. I., et aI. (2006). Método alternativo para estudar a fauna do solo. Ciência Floresta, 16, 407417.

Aquino, A. M., Correia, M. E. F., Badejo, M. A. (2006). Amostragem da mesofauna edáfica utilizando funis de Berlese- Tüllgren modificado. Rio de Janeiro, Circular técnica Embrapa, p. 4.

Azevedo, V. F., Lima, D. A., Correia, M. E. F., Aquino, A. M. de Santos, H. P. dos. (2000). Fauna do solo em diferentes sistemas de plantio e manejo no Planalto Médio do Rio Grande do Sul. Santa Maria/RS: Fertbio. CD-ROM.

Baretta, D., Santos, J. C. P., Figueiredo, S. R., Klauberg-Filho, (2005). O Efeito do monocultivo de pinus e da queima do campo nativo em atributos biológicos do solo no Planalto Sul Catarinense. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 29, 715-724.

Baretta, D., Santos, J. C. P., Mafra, A. L., Wildner, L. P., Miquelluti, D. J. (2003). Fauna edáfica avaliada por armadilhas de catação manual afetada pelo manejo do solo na região oeste catarinense. Revista de Ciências Agroveterinárias, 2, 97-106.

Barros, E., et al. (2001). The role of macrofauna in the transformation and reversibility of soil structure of oxisol in the process of forest to pasture conversion, 100, 193-213.

Begon, M., Harper, J. L., Townsend, C. N. (1996). Ecology: individuals, populations and communities. 3 º ed. Oxford, Blackwell Science, 1068.

Berg, B. (2000). Litter decomposition and organic matter turnover in northern forest soils. Forest Ecology and Management, 133(1), 13-22.

Brown, G.G. (2001). Diversidade e função da macrofauna no sistema edáfico agrícola. In: Congresso Brasileiro de Ciência do solo, 28, 2001, Londrina. Anais. Londrina: Sociedade Brasileira de Ciência do solo, 56.

Bruyn, L. A. L. de. (1999). Ants as bioindicators of soil function in rural environments. Agriculture, Ecosystems and Environment, 74, 425-441.

Catanozi, G. (2011). Importância dos aspectos ecológicos na análise qualiquantitativa da macrofauna edáfica. Rev. Ibirapuera, (1), 42-52.

De Fede, K. L., Panaccione, D. G., Sextone, A. J. (2001). Characterization of dilution enrichment cultures obtained from size-fractionated soil bacteria by biologr community-level physiological profiles and restriction analysis of 16S rDNA genes. Soil Biology and Biochemistry, Oxford, 33(11), 1555-1562.

Doran, J. W., Parkin, T. B. (1994). Defining and assessing soil quality, in defining soil quality for a sustainable enviroment. New York, 3-21.

Duelli, P., Obrist, M. K., Schmatz, D. R. (1999). Biodiversity evaluation in agricultural landscapes above-ground insects. Agriculture, Ecosystems and Environment, 74(1-3), 33-64.

Edwards, C. A. (1991). The assessment of populations of soil-inhabiting invertbrates. Agriculture, Ecosystems and Environment, 34, 145-176.

Filgueira, F.A.R. (2000). Manual de olericultura – agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. Editora UFV, Viçosa, MG, p. 402.

Fitter, A. H., Atkinson, D., Read, D.J. & Usher, M.B. (1985). Ecological interactions in soil: Plants, microbes and animals. Blackwell Scientific Publications, 451.

Gassen, D. N. (1999). Os insetos e a fertilidade de solos. En: Curso sobre aspectos básicos de fertilidade e microbiologia do solo sob plantio direto. Resumos de palestras, 70-89.

Grayston, S. J., Grifftih, G. S., Mawdesley, J. L., Campebell, C. D. Bardgett, R. D. (2001). Accounting of variability in soil microbial communities of temperate upland grassland ecosystem. Soil Biology and Biochemistry, 33(4-5), 533-551.

Gunn, A. & Cherrett, J. M. (1993). The exploitation of food resources by soil meso and macro invertebrates. Pedologia, 37, 303-320.

Hungria, M; Araujo, R. S. (1994). Manual de métodos empregados em estudos de microbiologia agrícola. Brasília: EMBRAPA.

Lavelle, P. (1996). Diversity of soil fauna and ecosystem function. Biology Internship, 33(1), 3-16.

Lavelle, P., Blanchart, E., Martin, A., Toutain, F., Barois, I. & Schaefer, R. (1993). A Hierarchical model for decomposition in terretrial ecosystems: application tosoils of the humid tropics. Biotropica, 25(2), 130-150.

Lavelle, P., et al., (1994). The relationship between soil macrofauna and tropical soil fertility, in the biological management of tropical soil fertility. In: Woomer, P. L., SwifT, M. J. Wiley Sayce, 137-169.

Loranger, G. et al. (1999). Influence of agricultural practices on arthropod communities in a vertisol (Martinique). European Journal of Soil Biology, 34(3), 157-165.

Lourente, E. R. P., et aI. (2007). Macrofauna edáfica e sua interação com atributos químicos e físicos do solo sob diferentes sistemas de manejo. Acta Sei. Agron. 29(1), 17-22.

Madigan, M. T., Martinko, J. M., Dunlap, P. V. e Clark, D.P. (2010). Microbiologia de Brock. 12ª. Ed. Editora Artmed, Porto Alegre, RS. 1160.

Magurran, A. E. (1991). Ecological diversity and its measurement. London, Chapman & Hall, 179.

Mahaffee, W. F. & J. W. Kloepper. (1997). Temporal changes in the bacterial communities of soil, rhizosphere, and endorhiza associated with field-grown cucumber (Cucumis sativus L.). Microbial Ecology, 34, 210-223.

Moço, S. M. K., Gama-RodrigueS, E. F., Correia, M. E. F. (2002). Composição da fauna edáfica de diferentes ecossistemas florestais da região norte fluminense. In: Fertbio, 2002, Rio de Janeiro, Resumos expandidos... Rio de Janeiro: Embrapa e UFRRJ. (CD-ROM).

Moreira, F. M. S., Siqueira, J. O. (2006). Microbiologia e bioquímica do solo. 2º ed. Lavras, UFLA.

Odum, E. P. (2008). Ecologia. In: Odum, E.P.; Barrett, G.W. (1983). Fundamentos de ecologia. Rio de Janeiro: Guanabara, 434. São Paulo: Cengage Learning, 612.

Ovreas, L., Forney, L. Daae, F. D. & Torsvik, V. (1997) Distribuition of bacterioplancton in meromictic lake Saelenvannet, as determined by denaturing gradient gel electrophoresis of PCR-amplified gene fragments coding for 16S rRNA. Applied and Environmental Microbiology 63, 3367-3373.

Paoletti, M. G. (1999). Using bioindicators based on biodiversity to assess landscape sustainability. Agriculture Ecosystem and Environment, 74, 1-18.

Peacock, A. D., et al. (2001). Soil micrbial community responses to dairy manure or ammonium nitrate. Soil Biology and Biochemistry, 33, 1011-1019.

Pimentel, G. F. (1985). Curso de estatística experimental. São Paulo: Esalq, 467.

Poggiani, F. e Monteiro JR., E. S. (1990). Deposição de folhedo e retorno de nutrientes ao solo numa floresta estacional semidecídua, em Piracicaba (Estado de SP). En: Congresso Florestal Brasileiro. Campos do Jordão. Anais... Campos do Jordão: SBS/SBEF, 596-602.

Prima Vesi, A. (2002). Manejo ecológico do solo: a agricultura em regiões tropicais. São Paulo, Nobel, 549.

Primack, R. B., Rodrigues, E. (2001). Biologia da conservação. Londrina, E. Rodrigues, 327.

Ritz, K., Dighton, J. & Giller, K. E. (1994). Beyond the biomass. Chchester: John Wiley & Sons, 275.

Rodrigues, A. L. L. et al. (2007). Flutuação Populacional de Predadores Sobre o Solo na Cultura do Algodão. Embrapa Algodão, IV Congresso Brasileiro do Algodão. Disponível em: <http://www.cnpa.embrapa.br/produtos/algodao/publicacoes/trabalhos_cba4/085.pdf>. Acessado em: 10/04/ 2015.

Rogers, B. F., Tate III, R. L. (2001). Temporal analysis of the soil microbial community along a toposequence in Pineland soils. Soil Biology and Biochemistry, Oxford, 33(10), 1389-1401.

Rosenberg, D. M., Danks, H. V., LehmkuhL, D. M. (1986). Importance of insects in environmental impact assessment. Environmental Management, 10(6), 773-783.

Santos, A. A., Maia, L. D. M., Araujo, W. B. C., Silva, E. C. V., Lima, L. O. & Moreira, A. N. (2012). Diversidade de artrópodes de solo em cultivo de videira e área nativa em Petrolina – PE. Disponível em: <http://propi.ifto.edu.br/ocs/index. php/connepi/vii/paper/viewFile/5239/1742>. Acesso em: 12/04/2015.

Scolforo, J. R. et al. (2008). Diversidade, equabilidade e similaridade no domínio da caatinga. In: Mello, J. M.; Scolforo, J. R.; Carvalho, L. M. T.(Eds). Inventário Florestal de Minas Gerais: Floresta Estacional Decidual - Florística, Estrutura, Similaridade, Distribuição Diamétrica e de Altura, Volumetria, Tendências de Crescimento e Manejo Florestal. (pp 118-133) Lavras: UFLA.

Silva, C. F. (2005). Indicadores da qualidade do solo em áreas de agricultura tradicional no entorno do Parque Estadual da Serra do Mar em Ubatutaba (SP). Dissertação de Mestrado. Seropédica, UFRRJ, Instituto de Agronomia.

Silva, L. N. & Amaral, A. A. (2013). Amostragem da mesofauna e macrofauna de solo com armadilha de queda. Revista Verde (Mossoró – RN - BRASIL), 8(5), 108 – 115.

Siqueira, J. O., Moreira, F. M. S., Grisi, B. M., Hungria, M., Araujo R. S. (1994). Microrganismos e processos biológicos do solo: Perspectiva ambiental. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Centro Nacional de Pesquisa de Arroz e Feijão, Centro Nacional de Pesquisa de Soja. EMBRAPA.

Soane, B. D. & Ouwerkerk, C. V. (1994). Soil compaction problems in world agriculture. In: Soane, B.D. & Ouwerkerk, C. V., eds. Soil compaction in crop production (pp.1-21). Amsterdam, Elsevier.

Souto, P.T., Souto, J. S., Miranda, J. R. P., Santos, R. V., Alves, A. R. (2008). Comunidade microbiana e mesofauna edáficas em solo sob caatinga no semi-árido da Paraíba. Revista Brasileira de Ciências do Solo, 32(32), 151-160.

Stork, N. E. & Eggleton, P. (1992). Invertebrates as determinants and indicators of soil quality. American Journal of Alternative Agriculture, 7, 38-47.

Thomanzini, M. J. & Thomanzini, A. P. B. W. (2000). A fragmentação florestal e a diversidade de insetos nas florestas tropicais úmidas. Circular Técnica. Rio Branco: Embrapa Acre, 21.

Tiedje, J. M., Cho, J. C., Murray, A., Treves, D., Xia, B., Ahou, J. (2001). Soil teeming with life: new frontiers for soil science. In: Rees, R. M.; Ball, B. C.; Campebell, C. D.; Watson, C. A. (Org.). Sustainable management of soil organic matter. Wallingford: CAB International, 393-412.

Tokeshi, M. (1993). Species abundance patterns and community structure. Advances in Ecological Research, 24, 111–186.

Toledo, L. O. (2003). Aporte de serrapilheira, fauna edáfica e taxa de decomposição em áreas de Florestas secundária no município de Pinheiral, RJ. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais) - Instituto de Florestas, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica. p. 80.

Villani, M. G. & Wright, R. J. (1990). Environmental influences on soil macroarthropod behavior in agricultural systems. Annual Review Entomology, 35, 249.

Wardle, D. A. (1992). A comparative assessment of factors witch influence microbial biomass carbon and nitrogen levels in soil. Biological Reviews, 67(3), 321-358.

Whittaker, R. H. (1977). Evolution of species diversity in land communities. In: Hecht, M.K. Steere, W.C. e Wallace, B. Evolutionary biology, 10, 250-268. Plenum Press, New York.

Wink, C, Guedes, J. V. C., Fagundes, C. K., Rovedder, A. P. (2005). Insetos edáficos como indicadores da qualidade ambiental. Dissertação (Doutorado em Zootecnia). Revista de Ciências Agroveterinárias, 4, 60-71.

Published

2018-03-18

How to Cite

Paz-Lima, M. L. da, da Silva, F. C., Santana, Ígor de J., Martins, R. D., Marcos Lemes, N., & Rietjens, A. R. (2018). Quantificação da microbiota e diversidade ecológica da meso e macrofauna do solo sob diferentes usos no município de Urutaí (região Sudeste Goiano). Multi-Science Journal (ISSN 2359-6902), 1(4), 12-18. https://doi.org/10.33837/msj.v1i4.112

Issue

Section

Technical Communications

Most read articles by the same author(s)