Análise do perfil dos orientadores do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Instituto Federal Goiano – Campus Urutaí – 2011 a 2014)

Guilherme Malafaia, Géssyca Mendes Lima, Ivandilson Pessoa Pinto de Menezes, Priscilla Mendonça de Lacerda, Alexandre Igor de Azevedo Pereira

Resumo


Este estudo teve como objetivo analisar o perfil de professores orientadores do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) do Instituto Federal Goiano – Câmpus Urutaí, entre os anos de 2011 e 2014. Para isso, coletou-se dados dos orientadores através da Plataforma Lattes do CNPq. Foram coletadas informações sobre titulação, áreas e linhas de atuação, experiência de orientação, produção cientifica, dentre outros. Na sequência, construiu-se um dendrograma baseado no método de agrupamento de Neighbor Joining, o qual permitiu a identificação de três grupos bem distintos, representativos do perfil de professores orientadores (A, B e C). O grupo A (n=17) compreende aquele em que nenhum professor orientador do PIBIC foi estudante de PIBIC/PIVIC em sua instituição de origem e não possui linhas de pesquisa explicitadas em seu currículo Lattes. O grupo B (n=24), representa o maior percentual de professores que foram estudantes de PIBIC/PIVIC, além de possuírem projetos e áreas de atuação cadastradas no currículo Lattes e serem o grupo com maior número de orientações de estudantes concluídas, assim como maior índice de publicação de resumos nos últimos 4 anos. No entanto, esse grupo compreende a menor porcentagem de professores com doutorado (42%). Já o grupo C (n=26) destaca-se por ter o maior percentual de professores com doutorado, sendo também o grupo que menos orientou estudantes em trabalhos de conclusão de curso e em PIBIC/PIVIC. É possível notar, que este grupo compreende, portanto, professores jovens, recém-doutores, cujas publicações possivelmente sejam resultados de pesquisas de seus estudos em programas de pós-graduação ou de estudos independentes, não vinculados ao PIBIC/PIVIC. Em síntese, pôde-se concluir que o perfil dos orientadores analisados é caracterizado por possuir (1) aproximadamente metade de professores que foram estudantes do PIBIC/PIVIC, (2) projetos cadastrados no Lattes, (3) orientadores-doutores, (4) experiência em orientação de iniciação científica e (5) publicação de pelo menos 5 resumos nos últimos 4 anos. Todavia, apenas 35,9% dos orientadores, possuem pelo menos 5 artigos publicados entre os anos de 2011 a 2014.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v1i4.113

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Guilherme Malafaia, Géssyca Mendes Lima, Ivandilson Pessoa Pinto de Menezes, Priscilla Mendonça de Lacerda, Alexandre Igor de Azevedo Pereira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Indexada nas seguintes bases:

 

          

Uma publicação da Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação do IFGoiano - Câmpus Urutaí

 

  

 Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.