Educação Sexual nas séries iniciais do Ensino Fundamental: O que educadoras da rede municipal de ensino de Pires do Rio (Goiás) têm a dizer?

Randys Caldeira Gonçalves, Daniela Cristina Paes, Ana Paula Favorito

Abstract


O objetivo deste estudo foi caracterizar a educação sexual infantil realizado nas séries iniciais do ensino fundamental de instituições de ensino público de Pires do Rio (Goias). Para isto, foi realizada uma pesquisa qualitativa com utilização de um questionário investigativo. Participaram da pesquisa 21 professoras. Muitas professoras, participantes deste estudo, alegaram que realizam a educação sexual no ambiente escolar e se julgam bem informadas quanto a questões relativas à sexualidade infantil. Porém, refereriram que se sentem constrangidas e incapazes de realizar a educação sexual. As professoras deixam que a iniciativa da abordagem da educação sexual surja através de questões vindas dos discentes.  As professoras alegam que dentre os fatores que dificultam a educação sexual, destacam-se o preconceito presente no seio das famílias, a falta de conhecimentos e formação específica para falar sobre a temática e a imaturidade dos alunos devido a pouca idade. As professoras compartilham a idéia sobre a necessidade de capacitação na área da sexualidade infantil para realizar a educação sexual na escola. De acordo com a visão das professoras as famílias não cumprem seu papel em relação educação sexual dos filhos. O presente trabalho aponta que as professoras, participantes deste estudo, devem repensar a prática educativa relacionada à educação sexual infantil, no sentido de superarem as dificuldades, por meio de cursos de formação continuada, leituras, reflexões e discussões sobre o tema.

Palavras-chave: Escola, Sexualidade, Crianças.


References


Almeida AC, Centra ML. A família e a educação sexual dos filhos: Implicações para a enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem, 22(1): 71-76, 2009.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições, 1977.

Bernardi M. A Deseducação Sexual. São Paulo: Summus, 1985.

Bié APA, Diógenes MAR, Moura RF. Planejamento familiar: o que os adolescentes sabem sobre este assunto? Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 19(3): 125-130. 2006.

Bomfim SS. Orientação sexual na escola: tabus e preconceitos, um desafio para a gestão. Monografia (Pedagogia), Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2009.

Brasil. Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília, 2012.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Orientação sexual. Brasília: MEC/ SEE, 1997.

Carradore VM, Ribeiro PRM. Aids e Educação Escolar: algumas reflexões sobre a necessidade da orientação sexual na escola. Revista do Departamento de Psicologia, v. 16, 63-84, 2004.

Carvalho CS. Guia para educadores: Educação da sexualidade. Lisboa: Fundação Secretariado Nacional da Educação Cristã, 2008.

Crivelari M. Trabalhar a sexualidade: guia prático para professores de ensino fundamental. São Paulo: Editora Lua; 2007.

Frade A, Marques AM, Alverca C, Vilar D. Educação sexual na escola: Guia para professores, formadores e educadores (8.ª ed.). Lisboa: Texto Editora, 2010.

Furlani J. Mitos e tabus da sexualidade humana: subsídios ao trabalho em educação sexual. 3. Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

Garcia AM. A Orientação Sexual na Escola: Como os professores, alunos e pais percebem a sexualidade e o papel da escola na orientação sexual. Dissertação (Mestrado), Universidade Estadual Paulista, Bauru, São Paulo, 2005.

Gonçalves RC, Faleiro J H, Malafaia G. Educação sexual no contexto familiar e escolar: impasses e desafios. Holos, 5(29): 251-263, 2013.

Groth C I, Thomé CL, Rosa, BS. Você sabe o que é Sexualidade?”- Relato de experiência de oficinas de educação sexual na escola. Roteiro, Joaçaba, 36(1): 105-128, 2011.

Heilborn M L. Sexualidade: o olhar das ciências sociais. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

Jardim, DP, Brêta, JRS. Orientação sexual na escola: a concepção dos professores de Jandira - SP. Revista Brasileira de Enfermagem, 59(2):157-162, 2006.

Jesus R M B. Implicações da ação docente sobre as questões de sexualidade e gênero na escola. Revista da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia, n.11, p. 189-199, 2007.

Labronici LM. Eros propiciando a compreensão da sexualidade das enfermeiras. 2002. 135f. Tese (Doutorado em Filosofia, Saúde e Sociedade), Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

Maistro VIA, Arruda SM, Júnior AL. O papel do professor em um projeto de educação sexual. In: ENPEC, 7, 2009, Florianópolis. Anais VII ENPEC, Florianópolis: ABRAPEC, 2009.

Marola G, Sanches CSM, Cardoso LM. Formação de conceitos em sexualidade na adolescência e suas influências. Psicologia da Educação, 33(95):118, 2011.

Marques MFC, Vieira NC, Barroso MG. Adolescência no contexto da escola e da família: uma reflexão. Revista Saúde, Família e Desenvolvimento, Curitiba, 5(2): 141-146, 2003.

Martins CBG, Almeida FMA, Alencastro, LC, Matos KF, Souza PSS. Sexualidade na adolescência: mitos e tabus. Ciencia y enfermeira, 18(3):25-37, 2012.

Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Brasília: INEP, 2009.

Nunes C, Silva E. A educação sexual da criança: subsídios teóricos e proposta práticas para uma abordagem da sexualidade para além da transversalidade. Campinas: Autores associados, 2000.

Ramiro L, Matos M G. Percepções de professores portugueses sobre educação sexual. Revista de Saúde Pública, 42(4):684-692, 2008.

Ribeiro M. Educação sexual na escola. In: BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Sexualidade, prazer em conhecer. Rio de Janeiro: MCE, 2004.

Rodrigues CP, Wechsler, AM. A sexualidade no ambiente escolar: a visão dos professores de educação infantil. Cadernos de Educação: Ensino e Sociedade, Bebedouro-SP, 1(1):89-104, 2014.

Santos, IA, Rubio JAS. A Orientação Sexual nos anos iniciais do Ensino Fundamental: Possibilidades e Desafios. Revista Eletrônica Saberes da Educação, volume 4, n.1, 2013.

Subsecratria Municipal de Educação de Pires do Rio (SMEPR). Disponível em: http://www.educacao.go.gov.br/subsecretarias/?Piresdorio. Acesso em 15 de Abril de 2015.

Suplicy M. Papai, mamãe e eu: o desenvolvimento sexual da criança de zero a dez anos. São Paulo: FTD, 1999.

Tonatto, S, Sapiro, CM. Os novos parâmetros curriculares das escolas brasileiras e educação sexual: uma proposta de intervenção em ciências. Revista Psicologia e Sociedade, Pelotas, 14(2):163-175, 2002.

Vitiello N. Quem Educa o Educador: Um Manual para Jovens, Pais e Educadores. São Paulo: Inglu, 1997.

Yano KM, Ribeiro, M O. O desenvolvimento da sexualidade de crianças em situação de risco. A Revista da Escola de Enfermagem da USP, 45(6):1315-1322, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v1i3.122

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Copyright (c) 2017 Randys Caldeira Gonçalves, Daniela Cristina Paes, Ana Paula Favorito

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Indexed in:

          

A publication of the "Diretoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação", IFGoiano - Campus Urutaí

 

  

 Licença Creative Commons

License: Creative Commons - Attribution 4.0 International.