Projects and programs of physical activity for old in the public Brazilian universities: a general view

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33837/msj.v3i1.1235

Keywords:

Seniors, Systematization, University Extension.

Abstract

The objective of this work was to describe a structure of projects/programs existing today in Brazilian public universities, to identify similarities and divergences and to point out indicators for changing new applications. Qualitative research of the descriptive exploratory type. Data were collected using an online instrument with 54 program coordinators, analyzed using the content analysis technique proposed by Bardin. Results: Found similarities regarding teaching strategies for elderly people according to what scientific literature prescribes. There was disagreement regarding the offer of activities in the different programs surveyed; there is no activity model to be followed. There was disagreement as to the type of physical activity offered in the programs. Not all regions have well-structured programs, there is a lack of resources, materials and personnel with experience in the area of physical activity for the elderly; built structures and places for carrying out activities are lacking. The offer of physical activities for the elderly in public universities is not yet a reality in all of them. Most programs increase through university extension and have been one of the maintainers of their legacy. We understand that there are indicators for the formulation of new proposals, such as: the experience of professionals in the field of Physical Education in offering and structuring the physical exercise offered; the need for teacher and continuing training; research and extension together in teaching; the importance of the evaluation as a subsidy for the continuity and prescription of the proposed exercises.

Author Biography

ALISSON VIEIRA COSTA, Universidade Federal do Amapá - UNIFAP

Curso de Educação Física

References

ACSM (American College of Sports Medicine). (1993) Position stand: physical activity, physical fitness, and hypertension. Medicine and Science in Sports and Exercise, 10:ix.

Adamo, C. E.; Esper, M. T.; Bastos, G. C.; Sousa, I. F.; Almeida, R. J. (2017). Universidade aberta para a terceira idade: o impacto da educação continuada na qualidade de vida dos idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro; 20(04):550-560.

Almeida, E.; Mourão, I.; Coelho, E. (2018). Saúde mental em idosos brasileiros: efeito de diferentes programas de atividade física. Psicologia, Saúde & Doenças, 19(02):390-404.

Andrade, M. M. (2014). Introdução à metodologia do trabalho científico. 10. ed. São Paulo: Atlas.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Borba, A. K.; Marques, A. P.; Ramos, V. P.; Leal, M. C.;Arruda, I. K.; Ramos, R. S. (2018). Fatores associados à adesão terapêutica em idosos diabéticos assistidos na atenção primária de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 23(03):953-961.

Borges, J. S. M.; Pessanha, G. R. G.; Miranda, A. R. A. (2018). Extensão Universitária: uma análise das práticas desenvolvidas na UNIFAL – MG. Caderno de Estudos Interdisciplinares (CEI) - Edição Especial. III Congresso ICSA – VIII Semana PIEPEX.

Brasil. Vigitel 2013. (2014). Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da saúde.

Coelho, C. S.; Verdi, M. I. (2015). Políticas e programas de atividade física: uma crítica à luz da promoção da saúde. Sau. & Transf. Soc., 6(03):96-108.

Confortin, S. C.; Schneider, I. J. C.; Antes, D. L.; Cembranel, F.; Ono, L. M.; Marques, L. P.; Borges, L. J.; Krug, R. R.; D’orsi, E. (2017). Condições de vida e saúde de idosos: resultados do estudo de coorte EpiFloripaIdoso. Epidemiol. Serv. Saúde, 26(02):305-317.

Damázio, L. C. M.; Souza Filho, G. R.; Pereira, A. C. L.; Leão, T. L. O.; Ferreira, L. C.; Mourão, F. N. (2019).Os efeitos de um programa de atividade física na pressão arterial e frequência cardíaca de pacientes hipertensos e deficientes físicos. Rev. Aten. Saúde, São Caetano do Sul, 17(59):81-87.

Eltz, G. D.; Artigas, N. R.; Pinz, D. M.; Magalhães, C. R. (2014). Panorama atual das Universidades Abertas à Terceira Idade no Brasil. Revista Kairós Gerontologia, 17(04):83-94.

Fernandes, A. M. (2018). Interdisciplinaridade no ensino e aprendizagem: novas perspectivas e desafios na atualidade. Id on Line Rev. Mult. Psic., 12(40):101-115.

Galloza, J.; Castillo, B.; Micheo, W. (2017). Benefits of Exercise in the Older Population. Physical Medicine & Rehabilitation Clinics of North America, 28(04):659-669.

Inouye, K.; Orlandi, F. S.; Pavarini, S. C.; Pedrazzani, E. S. (2018). Efeito da Universidade Aberta à Terceira Idade sobre a qualidade de vida do idoso. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, 44(21):1-19.

Lima, D. F.; Levy, R. B; Luiz, O. C. (2014). Recomendações para atividade física e saúde: consensos, controvérsias e ambigüidades. Pan American Journal of Public Health, 36(03):164-170.

Maciel, M. G.; Couto, A. C. P. (2018). Programas governamentais de atividade física: uma proposta de política pública. Perspectivas em Políticas Públicas. Belo Horizonte, 11(22):55-79.

Marconi, M. A.; Lakatos, E. M. (2017). Fundamentos de metodologia científica. 8ª Ed. São Paulo: Atlas.

Martins, V. F.; Gonçalves, A. K. (2018). O trabalho com o idoso: organização didático-pedagógica dos projetos de extensão universitária do curso de Educação Física. Revista Kairós Gerontologia, 21(01):293-315.

Mattos, E. B. T. (2008). O significado do grupo de convivência para idosos. (90f.). Fortaleza, CE: Dissertação de mestrado. Universidade de Fortaleza.

Mazo, G. Z. (2018). Recomendações de atividade física para idosos. Biomotriz, Unicruz, Cruz Alta, 12(03):1-4.

Nóbrega, A. C. L. et al. (1999). Posicionamento Oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia: Atividade Física e Saúde no Idoso. Rev. Bras. Med. Esporte, 5(06):207-211.

Nahas, M. V. (2006). Atividade física, saúde e qualidade de vida: Conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. Londrina: Mediograf, 4ª edição.

Oliveira, R. P. (2018). A debacle da nova república brasileira: da desilusão ao encerramento de um ciclo democrático. Estudos Sociopolíticos e Internacionais da América do Sul. Espirales, 2(03):25-42.

Pontes, S. S.; Silva, A. M; Santos, L. M. S.; Sousa, B. V. N.; Oliveira, E. F. (2019). Práticas de atividade física e esporte no Brasil. Rev. Bras. Promoç Saúde, 32(06):1-9.

Safons, M. P.; Pereira, M. M. (2007). Princípios Metodológicos da Atividade Física para Idosos. Brasília, DF: CREF/DF- FEF/UNB/GEPAFI.

Sales, E. C. S.; Rosim, D.; Ferreira, V. R. S.; Costa, S. H. B. (2019). O programa de apoio a planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (REUNI): uma análise de seu processo de avaliação. Avaliação, Campinas, SP, 24(03):658-679.

Sampaio, H. (2018). Ensino superior no Brasil no século XXI: avanços locais e desafios globais. In.:RIBEIRO, Cláudia Pinto; CIERCO, Teresa (Coord.). Unidos por um oceano: o ensino superior no espaço Ibero-Americano. Porto: CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar Cultura, Espaço e Memória, pp-67.

Sbme (Sociedade Brasileira de Medicina Esportiva). (1996). Atividade Física e Saúde: Posicionamento Oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte. Revista Brasileira de Medicina Esportiva, 2(04):79-81.

Silva, R. S.; Bezerra, J. A.; Silva, K. V.; Silva, N. N.; Lopes, D. T. (2018). A importância da atividade física em idosos com diabetes: revisão bibliográfica. Revista Diálogos em Saúde, 1(02):144-158.

Silva, C. R. (2019). Interdisciplinaridade: conceito, origem e prática. Revista Artigos.Com, 1107(03):1-6.

Soares, P. C. (2018). Contradições na pesquisa e pós-graduação no Brasil. Estudos Avançados, 32(92):289-313.

Squarcini, C. F.; Rocha, S. V.; Munaro, H. L.; Benedetti, T. R.; Almeida, F. A. (2015). Programas de atividade física para idosos: avaliação da produção científica brasileira utilizando o modelo RE-AIM. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro, 18(4):909-920.

Trapé, A. A.; Lizzi, E. A.; Jacomini, A. M.; Bueno Júnior, C. R.; Franco, L. J.; Zazo, A. S. (2018). Exercício Físico Supervisionado, Aptidão Física e Fatores de Risco para Doenças Cardiovasculares em Adultos e Idosos. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 22(4):291-298.

Trentin, E. C.; Rocha, I. L.; Silva, M. M. (2018). O avanço da pesquisa científica e qualificação dos cientistas brasileiros. Multi-Science Journal, 1(10):1-3.

Who (World Health Organization). (1986). The Ottawa Charter for Health Promotion: first International Conference on Health Promotion, Ottawa, 21 November 1986. WHO, Genebra.

Who (World Health Organization). (2010). Global recommendations on physical activity for health.Genebra: WHO.

Downloads

Published

2020-08-12

How to Cite

COSTA, A. V., HUA, F. Y., & SAFONS, M. P. (2020). Projects and programs of physical activity for old in the public Brazilian universities: a general view. Multi-Science Journal (ISSN 2359-6902), 3(1), 44-52. https://doi.org/10.33837/msj.v3i1.1235

Issue

Section

Biological and Health Sciences