CULTIVO DO TOMATEIRO SANTA CRUZ IRRIGADO COM ÁGUA RESIDUÁRIA DOMÉSTICA E ADUBADO COM VERMICOMPOSTO DE LODO DE CURTUME

Authors

  • Ananda Helena Nunes Cunha UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
  • Eliana Paula Fernandes
  • JONAS ALVES VIEIRA
  • FERNANDO GODINHO ARAÚJO

DOI:

https://doi.org/10.33837/msj.v1i6.126

Abstract

A solução para o tratamento de resíduos como o lodo de curtume pode ser a vermicompostagem. Manter o potencial nutritivo, para aplicação agrícola como no cultivo de tomate, e também utilizar água residuária doméstica, pode amenizar a contaminação de meio ambiente. Neste contexto, o objetivo do trabalho foi avaliar a produção de tomate Santa Cruz Kada (paulista) irrigado com água residuária doméstica e adubado com vermicomposto de lodo de curtume. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado em esquema fatorial 6 x 2, totalizando doze tratamentos com cinco repetições. Os tratamentos foram: quatro vermicompostos de lodo de curtume (25% de Lodo de curtume+Esterco bovino – T1; 25% de Lodo de curtume+Casca de arroz – T2; 50% de Lodo de curtume+Esterco bovino – T3 e 50% de Lodo de curtume+Cinza de cana – T4), adubação convencional (T5) e testemunha (sem adubação – T6) e dois tipos de água de irrigação (água de abastecimento e água residuária). O tomate foi transplantado e conduzido em vasos com volume útil de seis litros, tutorado com estacas de bambu e mantidos duas hastes por planta em cada vaso. Os vermicompostos e o solo utilizados foram caracterizados física e quimicamente, assim como a água residuária doméstica, que foi analisada qualitativamente. Nos frutos de tomate foram realizadas análises de: peso, medidas de diâmetros longitudinal e transversal; pH e oBrix. Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância pelo teste F e as comparações entre as médias dos tratamentos foram realizadas pelo teste de Tukey a 5%. Para os resultados obtidos o T2 apresentou maior valor de peso dos frutos assim como de produção (6,68 kg) e diâmetro longitudinal. Para os valores de pH dos frutos de tomate se destaca o T4 com valor de 4,40, o que não difere dos demais tratamentos, com exceção do T1. Para os diferentes tipos de água (A1 e A2) observa-se que os T3 e T5 possuem maiores valores de pH e oBrix. Conclui-se que a produção de tomate pode ser adotada como destinação final da água residuária e do lodo de curtume, resultado em produção satisfatória, principalmente com doses menores de lodo (25%).

References

Antoniolli, Z. I. et al. (2002). Minhocultura e vermicompostagem. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria.

American Public Health Association. (2012). Standard methods for examination of water and wastewater. (20 ed.), Washington, D.C. USA: American Public Health Association.

Azevedo, L. P., & Oliveira, E. L. (2005). Efeitos da aplicação de efluente de tratamento de esgoto na fertilidade do solo e produtividade de pepino sob irrigação subsuperficial. Engenharia Agrícola, 25 (1), 253-263.

Borges, S. A., Cunha, A. H. N., Silva, S. M. C. e, Vieira, J. A. & Nascimento, A. dos R. (2015). Qualidade da água de irrigação na cultura do tomate de mesa no município de Goianápolis-GO. Multi-Science Journal, 1(2), 74-82.

Comissão de Fertilidade de Solos de Goiás. (1988). Recomendações de corretivos e fertilizantes para Goiás. 5ª aproximação. UFG: EMGOPA.

Cunha, A. H. N., Siqueira, L. N., Cortez, T. B., Viana, E. S., & Silva, S. M. C. (2011). Avaliação química e análise sensorial de geleias de tomate. Enciclopédia Biosfera, 7 (13), 1399-1404.

Cunha, A. H. N. (2012). Cultivo de tomate Sweet Grape em hidroponia com diferentes substratos utilizando água residuária. (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual de Goiás, Brasil.

Cunha, A. H. N., Sandri, D., Vieira, J. A., Cortez, T. B., & Oliveira. T. H. (2014). Sweet Grape mini tomato grown in culture substrates and effluent with nutrient complementation. Engenharia Agrícola, 34 (4), 707-715.

Cunha, A. H. N., Fernandes, E. P. B., Araújo, F. G., Malafaia, G. & Vieira, J. A. (2015). Vermicompostagem de lodo de curtume associado a diferentes substratos. Multi Science Journal, Urutaí In press.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (2006). Sistema brasileiro de classificação de solo. Rio de Janeiro: Embrapa Solos.

Ferreira, D. F. (2011). Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, 35 (6), 1039-1042.

Filgueira, F. A. R.(2003). Solanéceas: agrotecnologia moderna na produção de tomate, batata, pimentão, pimenta, berinjela e jiló. Lavras: Universidade Federal de Lavras.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2013). Levantamento sistemático de produção agrícola. Disponível em: <ftp://ftp.ibge.gov.br/Producao_Agricola/Levantamento_Sistematico_da_Producao_Agricola_[mensal]/Fasciculo/2013/lspa_201308.pdf> Acesso em: 22/08/2015.

Landgraf, M. D., Messias, R. A., & Rezende, M. O. O. (2005). A Importância ambiental da vermicompostagem: vantagens e aplicações. São Carlos: Rima.

Malafaia, G. (2015). Aproveitamento de lodo de curtume e uso de água residuária de esgoto doméstico na cultura do milho (Zea mays L.). (Tese de doutoramento). Universidade Federal de Goiás, Brasil.

Marouelli, W. A., & Silva, W. L. C. (2002). Tomateiro para processamento industrial: irrigação e fertirrigação por gotejamento. Brasília: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária.

Melo, H. N. S., Pifer, R. C., Andrade Neto, C. O., Marques Júnior, J. (2009). Utilização de nutrientes de esgoto tratado em hidroponia. In: Mota, F. S., & Von Sperling, M. Nutrientes de esgoto sanitário: utilização e remoção. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Engenharia Sanitária.

Rinaldi, M. M., Sandri, D., Oliveira, B. N., Sales, R. N., Amaral, R. D. A. (2011). Avaliação da vida útil e de embalagens para tomate de mesa em diferentes condições de armazenamento. Revista B. CEPPA, 29 (2), 305-316.

Salomão, L. C. (2012). Calibração de tanques evaporimétricos de baixo custo sob diferentes diâmetros em ambiente protegido. (Tese de doutoramento). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Brasil.

Shirahige, F. H., Melo, A. M. T., Purquerio, L. F V., Carvalho, C. R. L., & Melo, P. C. T. (2010). Produtividade e qualidade de tomates Santa Cruz e Italiano em função do raleio de frutos. Horticultura Brasileira, 28 (3), 292-298.

Tedesco, M. J., Gianello, C., Bissani, C., Bohnen, H., & Volkweiss, S. J. (1995). Análise de solo, plantas e outros materiais. (2 ed.). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Published

2017-07-24

How to Cite

Cunha, A. H. N., Fernandes, E. P., VIEIRA, J. A., & ARAÚJO, F. G. (2017). CULTIVO DO TOMATEIRO SANTA CRUZ IRRIGADO COM ÁGUA RESIDUÁRIA DOMÉSTICA E ADUBADO COM VERMICOMPOSTO DE LODO DE CURTUME. Multi-Science Journal (ISSN 2359-6902), 1(6), 59-64. https://doi.org/10.33837/msj.v1i6.126

Issue

Section

Technical Communications

Most read articles by the same author(s)