Análise sensorial de tomates Sweet Grape em diferentes condições de armazenamento

Authors

  • Ananda Helena Nunes Cunha UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
  • Sandra Máscimo da Costa e Silva Universidade Estadual de Goiás
  • Delvio Sandri Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.33837/msj.v1i4.129

Abstract

Dentre as diversas cultivares de tomate, a demanda e a oferta pelo mini tomate têm aumentado nos últimos anos, pois além de ser muito saboroso, é bastante atrativo, sendo muito utilizado na ornamentação de pratos e no preparo de saladas. A utilização de mini tomates como adorno, aperitivo e na confecção de pratos diversos é uma forma de consumo dessa hortaliça, que é bastante consumida em restaurantes por ser considerado uma hortaliça exótica de tamanho pequeno e delicado. Neste contexto, o objetivo do trabalho foi avaliar a vida de prateleira do tomate Sweet Grape produzido em hidroponia com água residuária submetido a diferentes condições de armazenamento. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado em esquema fatorial 4 x 2, totalizando oito tratamentos com seis repetições. Os tratamentos foram: quatro dias (0, 7, 13 e 15) e duas temperaturas (refrigerada e ambiente). O tomate foi cultivado em sistema hidropônico com água residuária. Os frutos foram colhidos e acomodados em bandejas poliestireno expandido revestidas com papel filme. Para a análise sensorial utilizou-se Método Afetivo Quantitativo, em que 30 julgadores não treinados, consumidores de tomate, avaliaram os seguintes atributos de qualidade do produto: aparência externa, cor, aparência interna, textura (firmeza) e aroma. No teste de aceitabilidade empregou-se escala hedônica de nove pontos (ancorada em seus extremos por “gostei muitíssimo” e “desgostei muitíssimo”). Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância pelo teste F e as comparações entre as médias dos tratamentos foram realizadas pelo teste de Tukey a 5%. Para os resultados obtidos os parâmetros aparência externa e aroma demonstraram diferença para os dias 13 e 15. Já nos parâmetros de cor e textura os tratamentos não demonstraram diferença estatística. A aparência interna demonstrou diferença apenas na temperatura ambiente para os diferentes dias. Desta forma, pode-se concluir que a qualidade do fruto, refletida na análise sensorial para vida de prateleira se mantêm mesmo em diferentes condições de armazenamento e período de estocagem (dias).

References

Abrahão, C. (2011). Relação K:Ca:Mg na solução nutritiva para cultivo de mini tomate em substrato. (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual Paulista, Brasil.

Abrahão, C., Villas Bôas, R. L., Koyanagui, M. T., Tremocoldi, M. A, &Evangelista, R. M. (2011). Efeito de diferentes relações K:Ca:Mg na qualidade de frutos de mini tomate cultivados em substrato. Revista Horticultura Brasileira. 29 (Suplemento - CD ROM). 5226-5231.

Alvarenga, M. A. R. (2004). Tomate, produção em campo, em casa-de-vegetação e em hidroponia. Lavras: Universidade Federal de Lavras.

Cunha, A. H. N., Siqueira, L. N., Cortez, T. B., Viana, E. S., & Silva, S. M. C. (2011). Avaliação química e análise sensorial de geleias de tomate. Enciclopédia Biosfera, 7 (13), 1399-1404.

Chitarra, M. I. F. (1998). Fisiologia e qualidade de produtos vegetais. In: XXVII Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola, Poços de Caldas, Brasil. p.1-58.

Chitarra, M. I. F., & Chitarra, A. B. (2005). Pós-colheita de frutos e hortaliças: fisiologia e manuseio. Lavras: Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão.

Cunha, A. H. N. (2012). Cultivo de tomate Sweet Grape em hidroponia com diferentes substratos utilizando água residuária. (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual de Goiás, Brasil.

Cunha, A. H. N., Sandri, D., Vieira, J. A., Cortez, T. B., & Oliveira. T. H. (2014). Sweet Grape mini tomato grown in culture substrates and effluent with nutrient complementation. Engenharia Agrícola, 34 (4), 707-715.

Ferreira, V. L. P. (2000). Análise sensorial: testes discriminativos e afetivos. Campinas: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos.

Ferreira, M. D., Cortez, L. A. B., Honório, S. L., & Tavares, M. (2006). Avaliação física do tomate de mesa ‘romana’ durante manuseio na pós-colheita. Engenharia Agrícola, 26 (1), 321-327.

Ferreira, D. F. (2011). Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, 35 (6), 1039-1042.

Filgueira, F. A. R.(2003). Solanéceas: agrotecnologia moderna na produção de tomate, batata, pimentão, pimenta, berinjela e jiló. Lavras: Universidade Federal de Lavras.

Guerrero, L. (1993). La textura de los alimentos. Medidas sensoriales e instrumentales. Alimentación, equipos y tecnologia, 12 (10), 45-48.

Gusmão, S. A. L., Pádua, J. G., Gusmão, M. T. A., & Braz, L. T. (2000). Efeito da densidade de plantio e forma de tutoramento na produção de tomateiro tipo “cereja” em Jaboticabal-SP. Horticultura Brasileira. 18, 572-573.

Holcman, E. (2009). Microclima e produção de tomate tipo cereja em ambientes protegidos com diferentes coberturas plásticas. (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo, Brasil.

Holcman, E. (2010). Microclima e produção de tomate tipo cereja em ambientes protegidos com diferentes coberturas plásticas. Disponível em: <http://www.cbmet2010.com/anais/artigos/119_53470.pdf>. Acesso em: 25/11/2013.

Instituto Adolfo Lutz (2008). Métodos físico-químicos para análise de alimentos. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz.

Junqueira, A. H., Peetz, M. S., & Onoda, S. M. (2011). Sweet Grape: um modelo de inovação na gestão da cadeia de produção e distribuição de hortaliças diferenciadas no Brasil. Disponível em: <http://www.espm.br/Publicacoes/CentralDeCases/Documents/SWEET%20GRAPE.pdf>. Acesso em: 12/01/2012.

Moretti, C. L., & Sargent, S. A. (2003). Cultivar: Frutas e Hortaliças, 3 (17), 29-30.

Resende, J. M., Chitarra, M. I. F., Maluf, W. R., Chitarra, A. B., & Saggin Júnior, O. J. (2004). Atividade de enzimas pectinametilesterase e poligalacturonase durante o amadurecimento de tomates do grupo multilocular. Horticultura Brasileira, 22 (2), 206-212.

Rinaldi, M. M., Sandri, D., Oliveira, B. N., Sales, R. N., & Amaral, R. D. A. (2011). Avaliação da vida útil e de embalagens para tomate de mesa em diferentes condições de armazenamento. Revista B. CEPPA, 29 (2), 305-316.

Rinaldi, M. M., Morais, R. L., Pinto, D. D. J., & Gois, P. F. (2007). Vida útil de tomate determinada por análise sensorial. Disponível em: < http://www.abq.org.br/cbq/2007/trabalhos/10/10-218-71.htm> Acesso em: 25/08/2015.

Rocha, M. S. (2010). Irrigação por gotejamento de tomate de mesa com efluente de abatedouro de bovinos. (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual de Goiás, Brasil.

Seleguini, A. et al., (2009). Vida útil e qualidade de frutos oriundos de tomateiros tratados com paclobutrazol. Horticultura Brasileira, 27 (Suplemento - CD ROM), 3717-3723.

Soares, I., Souza, V. S., Crisóstomo, L. A., & Silva, L. A. (2005). Efeito do volume de solução nutritiva na produção e nutrição do tomateiro tipo cereja cultivado em substrato. Revista Ciência Agronômica, 36 (2), 152-157.

Souza, N. (2007). Tomate mais doce sem acidez. Caderno Agrícola. Jornal Estado de São Paulo. 27/06/2007.

Published

2018-03-18

How to Cite

Cunha, A. H. N., Silva, S. M. da C. e, & Sandri, D. (2018). Análise sensorial de tomates Sweet Grape em diferentes condições de armazenamento. Multi-Science Journal (ISSN 2359-6902), 1(4), 39-43. https://doi.org/10.33837/msj.v1i4.129

Issue

Section

Technical Communications

Most read articles by the same author(s)