Os estudos toponímicos: considerações acerca da relação língua, cultura e identidade

Authors

  • Cleber Cezar da Silva Instituto Federal Goiano - Câmpus Urutaí
  • Kênia Mara de Freitas Siqueira Universidade Estadual de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.33837/msj.v1i4.189

Keywords:

Língua. Linguagem. Cultura. Identidade. Estudo toponímico.

Abstract

Este artigo tem como objetivo discutir, de maneira geral, como os estudos toponímicos se encontram ligados à cultura, à história e ao espaço físico de uma dada comunidade. A metodologia consiste do levantamento e da revisão dos pressupostos teóricos que vêm fundamentando as análises linguísticas dos designativos de lugares. A revisão dos conceitos perpassa os termo “língua e linguagem” em Saussure e em Sapir (1980), incursiona pela crítica desses conceitos em Bakhtin (2010). Em relação aos conceitos de cultura e de identidade, busca-se a fundamentação em Bosi (1987, 1995), Castell (2000), Silva (2000) e Hall (2004). Para aportes teóricos toponímicos, como já se tornou consensual, parte-se de Dick (1990, 1992), Isquerdo (1997, 2012), Andrade (2010) e Siqueira (2012), para mostrar a inter-relação (inerente), de um topônimo com um conjunto “línguo cultural” de fatores que torna um nome comum em próprio por processos deliberados e motivados culturalmente que culminam na escolha, nunca aleatória, de um locativo específico (e não outro) para um lugar também específico.

Author Biography

Cleber Cezar da Silva, Instituto Federal Goiano - Câmpus Urutaí

Mestrando em Estudos da Linguagem, UFG/Regional Catalão (2015), possui graduação em Letras (Português/ Inglês) UEG (2003) e Letras (Português/Espanhol) UNIP (2014). Especilaização em Psicopedagogia (2005) - UEG - Unidade Universitária de Pires do Rio - Goiás, Especialização em LInguística Aplicada: Ensino-Aprendizagem em Línguas Estrangeiras (2010) - Universidade Federal de Goiás. Atualmente é professor no Instituto Federal Goiano - Câmpus Urutaí. Membro da ALAB (Associação de Linguística Aplicada do Brasil). Com experiência em Ensino Superior junto a Universidade Estadual de Goiás, Pós-graduação nível especialização junto a Faculdade Noroeste - FAN, e na educação básica e função de Gestor Educacional junto a SEE/GO. Atuando na área de Letras e Linguística, com ênfase em Línguas e Literaturas, com os seguintes temas: variedade, domínio, educação, inclusão, ensino de LE e prática pedagógica, léxico e toponímia.

References

ANDRADE, Karrylleila dos Santos. Atlas toponímico de origem indígena do estado do Tocantins: ATITO. Goiânia-GO: Ed. PUC Goiás, 2010.

BAKHTIN, Mikael. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo-SP: Hucitec, 2010.

BOSI, Alfredo. Plural, mas não caótico. In: ______ (Org.). Cultura Brasileira: temas e situações. São Paulo-SP: Editora Ática, 1987.p. 7-15.

______. Formações ideológicas na cultura brasileira. Estudos Avançados, 9 (25), 1995. p. 275-293. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ea/v9n25/v9n25a21.pdf>. Acesso em: 15 Jun. 2015.

CASTELL, Manuel. O poder da identidade. A era da informação: economia, sociedade e cultura. Trad. Klauss Brandini Gerhardt. V. 2. 2 ed. São Paulo-SP: Paz e Terra, 2000.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. A Motivação Toponímica e a Realidade Brasileira. São Paulo-SP: Edições Arquivo do Estado, 1990.

______. Toponímia e Antroponímia no Brasil. Coletânea de Estudos. São Paulo-SP: Serviço de Artes Gráficas/FFLCH/USP, 1992.

GERALDI, João Wanderley. Concepções de linguagem e ensino de português. In: ______. (Org.). O texto na sala de aula: leitura e produção. Cascavel-PR: Assoeste, 1984. p. 41-49.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 9 ed. Rio de Janeiro-RJ: DP&A, 2004.

ISQUERDO, Aparecida Negri. A Toponímia como signo de representação de uma realidade. Fronteiras – Revista de História (UFMS), Campo Grande-MS: v. 1, n. 2, p. 27-46, jul./dez. 1997.

______. A motivação na toponímia: algumas reflexões. In: SELLA, Aparecida Feola; CORBARI, Clarice Cristina; BIDARRA, Jorge (Orgs.). Pesquisas sobre léxico: reflexões teóricas e aplicação. Campinas-SP: Pontes Editora, 2012. p. 81-96.

OLIVEIRA, Ana Maria Pinto Pires de; ISQUERDO, Aparecida Negri. (Org.). Ciências do léxico: lexicologia, lexicografia e terminologia. Campo Grande-MS: UFMS, 2004.

PERFEITO, Alba Maria. Concepções de linguagem, teorias subjacentes e ensino de língua portuguesa. In: ______. Concepções de linguagem e ensino de língua portuguesa (Formação de professores EAD 18), v. 1, ed. 1. Maringá-PR: EDUEM, 2005. p. 27-75.

SAPIR, Edward. A Linguagem. São Paulo-SP: Perspectiva, 1980.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Linguística Geral. 30ª ed. São Paulo-SP: Cultrix, 2008.

SIQUEIRA, Kênia Mara de Freitas. Nos trilhos da estrada de ferro: reminiscências de motivações toponímicas. Revista da ANPOLL, São Paulo-SP, v. 1, n. 32, p. 150-170, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 Jun. 2015.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Identidade e Diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis-RJ: Vozes, 2000.

SOUSA, Alexandre Melo. O estado atual. Revista Philologus, Rio de Janeiro-RJ, ano 18, n. 54, p. 600-611, 2012.

VYGOTSKY, Lev S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

Published

2018-03-18

How to Cite

da Silva, C. C., & Siqueira, K. M. de F. (2018). Os estudos toponímicos: considerações acerca da relação língua, cultura e identidade. Multi-Science Journal (ISSN 2359-6902), 1(4), 57-61. https://doi.org/10.33837/msj.v1i4.189

Issue

Section

Technical Communications