ENEM E A TÔNICA AVALIATIVA PARA A QUALIDADE EDUCACIONAL: INCONGRUÊNCIAS PARA ALÉM DA VISÃO ROMÂNTICA

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33837/msj.v1i7.368

Keywords:

Avaliação em larga escala. Exames de alta relevância. TCT e TRI. Desconexão Enem-ranking.

Abstract

O presente editorial decorre de pequeno trecho revisto e sistematizado acerca de discussão/reflexão desenvolvida [sobre o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)] no âmbito de um dos capítulos de nossa tese de doutoramento (Fernandes-Sobrinho, 2016). Discorreremos brevemente sobre a temática da avaliação, dando ênfase ao Enem, tido como exame de alta relevância, e perpassando pelo histórico de mudanças de teorias e procedimentos utilizados para auferir resultados de estudantes que dele participam. Por oportuno, incongruências sinalizadas por pesquisadores da área de educação em [para as] Ciências se juntam a outras que levantamos para, então, sugerirmos a necessidade do estabelecimento de uma agenda de discussão com propósitos reformuladores que acenem para possíveis soluções.

Author Biography

Marcos Fernandes Sobrinho, Instituto Federal Goiano - Campus Urutaí e PPGEC/FC/Unesp/Bauru

Graduado em Física pela Universidade Federal de Uberlândia - UFU, Bacharelado em Administração pela Faculdade de Administração de Brasília - FAAB, Especialização em Física pela UFU, Mestre em Ensino de Ciências, na modalidade Ensino de Física, pela Universidade de Brasília - UnB e Doutor em Educação em Ciências e Matemática pela Universidade Brasília - UnB. Atualmente realiza estudos de pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, na Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista (PPGE/FC/Unesp/Bauru) [Conceito Capes: 6]. Foi aluno regular do Programa de Pós-Graduação em Física da UnB [Conceito Capes: 7], tendo cursado todos os créditos (24) na modalidade Física Teórica, em nível de mestrado, quando trabalhou com a técnica do operador diferencial para o Modelo de Ising aplicado a sistemas magnéticos nanoparticulados. Em 2010 participou da Escola de Física do Conseil Européen pour la Recherche Nucléaire - CERN/2010, em Genebra/Suiça. Atualmente é professor D-IV (Associado) do quadro de pessoal permanente do Núcleo de Física Aplicada, no Instituto Federal Goiano - Campus Urutaí. É revisor de periódicos qualificados nacionais e internacionais para o ensino e educação em [e para as] Ciências, entre eles: TED: Tecné, Episteme y Didaxis (Universidad Pedagógica Nacional - Bogotá/Colômbia); Gondola: ensenanza y aprendizaje de las ciencias (Universidad Distrital Francisco José de Caldas - Bogotá/Colômbia); Ciência & Ensino (UNICAMP, IFSP e UFSC - Brasil), Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos (RBEP-INEP/Brasil) e Multi-Science Journal (IF Goiano - Brasil). Lidera grupo de pesquisa intitulado Educação Científica, Avaliação e Materiais de Ensino (EduCAME) e integra outros grupos em projetos de cooperação com instituições brasileiras (UNIRIO, UnB, UFRJ, UFF e Unesp) financiados pelo Observatório da Educação - Capes. Possui experiência nas áreas de Educação e Ensino [em Ciências (Física, Química, Biologia) e Matemática], tendo participado como membro de bancas examinadoras e avaliadoras com elaboração e correção de itens/questões em processos seletivos e em concursos públicos nas áreas em que atua. Interessa-se por temas de pesquisa como: educação CTS e discussões de questões sociocientíficas; argumentação no ensino de ciências; educação científica para cidadania; livros didáticos; formação e prática docente; contextos formais, informais e não-formais de educação; e avaliações em larga escala.

References

Alves, M. T. G., & Soares, J. F. (2007). Efeito-escola e estratificação escolar: o impacto da composição de turmas por nível de habilidade dos alunos. Educação em Revista, (45), 25–59.

Andrade, D. F., Tavares, H. R., & Valle, R. da C. (2000). Teoria da Resposta ao Item: Conceitos e Aplicações. São Paulo: Associação Brasileira de Estatística.

Andrade, E. de C., & Soida, I. A. I. (2012). O ranking das escolas de ensino médio baseado no ENEM é confiável? Instituto de Ensino e Pesquisa.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN+ Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília. (2002).

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

Costa-Beber, L. B. (2012). Reorganizações curriculares na conquista da educação escolar de melhor qualidade: expectativas acerca do efeito indutor do novo Enem (Mestrado em Educação nas Ciências). Unijuí, Ijuí.

Dourado, L. F., Oliveira, J. F. de, & Santos, C. de A. (Orgs.). (2007). A Qualidade da Educação: conceitos e definições. Brasília: Inep/MEC. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

Fernandes-Sobrinho, M. (2016). Temas sociocientíficos no Enem e no livro didático: limitações e potencialidades para o ensino de Física (Doutorado). Universidade de Brasília (UnB), Brasília.

Gauche, R. (2016). Avaliação: Discursos Infundados, Resultados Tristemente Esperados... Revista Thema, 5–7.

Gonçalves Júnior, W. P. (2012). Avaliações em larga escala e o professor de Física (Mestrado). UFRJ, Rio de Janeiro.

Gulliksen, H. (1950). Theory of Mental Tests. New York: John Wiley and Sons.

Klein, R., & Fontanive, N. S. (1995). Contemporaneidade e educação (Vol. 66). Brasília.

Kleinke, M. U. (2017). Influência do status socioeconômico no desempenho dos estudantes nos itens de física do Enem 2012. Revista Brasileira de Ensino de Física, 39(2).

Lopes, A. C., & López, S. B. (2010). A performatividade nas políticas de currículo: o caso do ENEM. Educação em revista, 26(1), 89–110.

Lord, F. M., & Novick, M. R. (1968). Statistical Theories of Mental Test Scores. Reading, MA: Addison-Wesley.

Schneider, M. P. (2013). Políticas de avaliação em larga escala e a construção de um currículo nacional para a Educação. Eccos, (30), 17.

Silveira, F. L. da. (1982). Considerações sobre o índice de discriminação de itens em testes psicrométricos e educacionais, Educação, 5(31-37).

Silveira, F. L. da, & Barbosa, M. C. (2014). Análise do Enem-2014 pelo Conselho do IF UFRGS. Sociedade Brasileira de Física (SBF).

Vianna, H. M. (1987). Testes em Educação. São Paulo: Ibrasa.

Published

2018-03-18

How to Cite

Sobrinho, M. F. (2018). ENEM E A TÔNICA AVALIATIVA PARA A QUALIDADE EDUCACIONAL: INCONGRUÊNCIAS PARA ALÉM DA VISÃO ROMÂNTICA. Multi-Science Journal (ISSN 2359-6902), 1(7), 01-04. https://doi.org/10.33837/msj.v1i7.368

Issue

Section

Editorial

Similar Articles

You may also start an advanced similarity search for this article.