Discussões acerca das formas de atualização de professores de química do Ensino Médio

Erik Ceschini Panighel Benedicto, Paulo Ricardo Lopes Silva

Resumo


Diversos autores têm dirigido sua atenção à formação continuada de licenciados, uma vez que a escola tem se mostrado um espaço de mudanças, exigindo um profissional cada vez mais adequado a realidade. Dessa forma, este artigo apresenta uma pesquisa qualitativa que buscou compreender qual a importância, que professores de química do Ensino Médio, conferem a atualização, e de que maneira realizam-na. Para isso, analisaram-se questionários respondidos por dois grupos de professores de química do Ensino Médio, um constituído por formados em cursos de bacharel com um ano de complementação pedagógica e o outro de professores formados em cursos específicos em licenciatura em Química.  As análises indicam que há algumas diferenças entre as visões dos dois grupos, mas ainda sim, todos os professores consideram a atualização importante para aperfeiçoamento da prática profissional, sendo que esta ocorre principalmente por cursos, internet e revistas de divulgação científica. Porém, a falta de tempo, dinheiro e incentivo foram considerados os principais obstáculos nesta busca pela atualização.


Texto completo:

PDF

Referências


Alencar, E. S.; Carvalho, M.V. C. (2006). A formação do professor: um fator significativo na compreensão do fracasso escolar. Linguagens, Educação e Sociedade, 11(15), p. 26-36.

Almeida, S., Soares, M. H. F. B. & Mesquita, N. A. S. (2012). Proposta de Formação de Professores de Química por meio de uma Licenciatura Parcelada: Possibilidade de Melhoria da Prática Pedagógica versus Formação Aligeirada. Química Nova na Escola, 34(3), 136-146.

Angotti, J. A. P. & Auth, M. A. (2001). Ciência e tecnologia: implicações sociais e o papel da educação. Ciência & Educação,7(1), 15-27.

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições70.

Bejarano, N. R. R. & Carvalho, A. M. P. (2000). A educação química no Brasil: uma visão através das pesquisas e publicações da área. Eduación Química, 11(1), 160 -167.

Brasil. (2006). Orientaçãoes curriculares para o ensino médio: Ciências da natureza, mateática e suas tecnologias. Diponível em:

< http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_02_internet.pdf. > Acesso em: 25/01/2016.

Brasil. (2002). Orientaçãoes educacionais complementares aos parâmetros curriculares nacionais (PCN+): Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/CienciasNatureza.pdf> Acesso em 25/01/ 2016

Brasil. (1999). Parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio: Parte III - Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Disponível em:

< http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencian.pdf> Acesso em: 26/01/2016.

Brasil. (1996). Lei de diretrizes e bases da educação nacional (LDBEN). Disponível em: Acesso em: 26/01/2016.

Cohen, L., Manion, L. & Morrison, K. (2004). Research Methods in Education. London: RoutledgeFalmer.

Fagundes, S. M. K., Piccin, I. P. Iamarque, T. & Terrazan, E. A. (2009). Produções em educação em ciências sob a perspectiva CTS/CTSA. Disponível em:

< http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/1120.pdf> Acesso em: 26/01/2016.

Francisco, C. A. & Queiroz, S. L. (2008). A produção do conhecimento sobre o ensino de química nas reuniões anuais da sociedade brasileira de química: uma revisão. Química Nova, 31( 8), 2100-2110.

Gasque, K. C. G. D.; Costa, S. M. S. (2003). Comportamento dos professores da educação básica na busca de informação pela formação continuada. Ciência da informação, 32(3), p. 54-61.

Gatti, B, A. (2010) Formação de Professores no Brasil: Características e Problemas. Educação & Sociedade, 31(113), 1355-1379.

Gatti, B, A. (2009). Formação de Professores: Condições e Problemas Atuais. Revista Brasileira de Formação de Professores, 1(1), 90-102.

Lima, J. O. G. (2012) Perspectivas de novas metodologias no ensino de química. Espaço Acadêmico, 12(136), p. 95-101.

Ludke, M & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Maldaner, O. A. (2003). A formação inicial e continuada de professores de química: professores pesquisadores. Ijuí: Editora Unijuí.

Quadros, A. L. (2006). A formação de professores: um olhar para a química. In: P. M. M. Teixeira (Org.). Ensino de Ciências: Pesquisa e reflexões (p. 109-113). Ribeirão Preto: Holos.

Rodrigues, M. I. R.; Carvalho, A. M. P. (2002). Professores-pesquisadores: reflexão e mudança metodológica no ensino de física - o contexto da avaliação. Ciência & Educação, 8(1), p. 39-53.

Royse, D. (2004). Research Methods in Social Work. Toronto: Thomson.

Schnetzler, R. P. (2002). Concepções e alertas sobre a formação continuada de professores de química. Química Nova na Escola, 16, p.15-20.

Silva, C. S. &Oliveira, L. A. A. (2009). Formação Inicial de Professores de Química: Formação Específica e Pedagógica. 2009. Disponível em: . Acesso em: 26/01/2016.

Sobrinho, J. A. C. M. (2006) A formação continuada de professores: modelos clássico e contemporâneo. Linguagens, Educação e Sociedade, 11(15), p. 75-92.

Zanon, L. B. (2008). Tendências curriculares no ensino de ciências/química: um olhar para a contextualização e a interdisciplinaridade como princípios de formação escolar. In: A. M. I. P. Rosa & A. V. ROSSI (Org.).Educação química no Brasil: Memórias políticas e tendências. (pp. 235-262). Campinas: Editora Átomo.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v1i13.372

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




Direitos autorais 2018 Erik Ceschini Panighel Benedicto, Paulo Ricardo Lopes Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Indexada nas seguintes bases:

 

          

Uma publicação da Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação do IFGoiano - Câmpus Urutaí

 

  

 Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.