Produção Científica Sobre Redes Sociais Virtuais: Uma Análise Bibliométrica nos Eventos da ANPAD no Período de 2005 a 2015

Nuno Alvares Felizardo Júnior, Marina Malafaia Nascimento de Barros Arêdes, Natália Maria de Paula, Tiago Coelho Justo, Luciana Aparecida Figueiredo Mazzini

Resumo


O processo de globalização promoveu uma revolução na forma de interação entre as pessoas e as organizações, principalmente através da internet a forma de se relacionar e comunicar na sociedade em geral apresentou um novo contexto, expandindo-se do espaço físico e alcançando também o virtual através das redes sociais. Este fenômeno viabilizou o aumento da quantidade de pessoas que o indivíduo e/ou organização tem possibilidade de se relacionar, e, visto que grande parte das pessoas inclusas nesse meio são consumidores, despertou-se nas organizações a percepção da importância deste ambiente. Dessa forma, o presente trabalho objetivou analisar a produção acadêmica referente ao tema redes sociais virtuais na Administração e, como meio de se atingir este propósito, foi realizada uma pesquisa bibliométrica utilizando os artigos publicados de 2005 a 2015 em alguns eventos da ANPAD, que foram posteriormente filtrados, resultando na amostra de 41 artigos. A partir deste banco de dados e aplicando análises de coautoria, citações e metodologia, mapeou-se a quantidade de autores em cada artigo, o volume e nacionalidades das citações, e as abordagens, finalidades, meios e técnicas de levantamento de dados empregadas nas pesquisas. Constatou-se através desta observação que os trabalhos são tipicamente realizados em coautoria e possuem média de aproximadamente 37 referências por artigo que são, em sua maioria, internacionais. Além disso, a análise da metodologia permitiu concluir que há predominância de estudos com abordagens qualitativas, finalidades exploratórias e descritivas, que utilizam o meio survey e empírico, e têm a entrevista como principal forma de se coletar dados.


Palavras-chave


administração, ANPAD, bibliometria, produção acadêmica, redes sociais virtuais.

Texto completo:

PDF

Referências


Aaker, D. A. (2007). Estratégia de portfólio de marcas. Porto Alegre: Bookman.

Acedo, F. J., Barroso, C., Casanueva, C., & Galán, J. L. (2006). Co-Authorship in management and organizational studies: an empirical and network analysis. Journal of Management Studies, 43(5), 957.

Araújo, C. A. (2006). Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em Questão, 12(1), 11-32.

Boyd, D. M., & Ellison, N. B. (2007). Social network sites: definition, history, and scholarship. Journal of Computer Mediated Communication, 13(1). Recuperado em 18 abril, 2016, de http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1083-6101.2007.00393.x/full

Castells, M. (1999). A sociedade em rede (6a ed., Vol. 1). São Paulo: Paz e Terra.

Cavalcanti, S. (2009). Qual o papel de uma agência de mídias sociais. In Fernandes, M. (Org.). Do broadcast ao socialcast. (1a ed., pp. 63-66). São Paulo: W3 Geoinformação.

Cobra, M., & Brezzo, R. (2009). O novo marketing. Rio de Janeiro: Elsevier.

Cortez, P. (2011). Some scholarly communication guidelines: teaching report. Guimarães: Department of Information Systems of University of Minho. Recuperado em 18 abril, 2016, de http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/11599/1/scholar.pdf

Dalfovo, M., Lana, R., & Silveira, A. (2008). Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, 2(3), 01-13. Recuperado em 17 maio, 2016, de http://rica.unibes.com.br/index.php/rica/article/view/243/234

Diniz, C. R., & Silva, I. B. (2008). Diniz, C. R., & da Silva, I. B. (2008). Normalização na redação de trabalhos científicos (parte II). Campina Grande; Natal: UEPB/UFRN- EDUEP.

Foresti, N. A. B. (1990). Contribuição das revistas brasileiras de biblioteconomia e ciência da informação enquanto fonte de referência para a pesquisa. Ciência da Informação, 19(1), 53-71.

Garton, L., Harthornthwaite, C., & Wellman, B. (1997). Studying online social networks. Journal of Computer-Mediated Communication, 3(1). Recuperado em 13 abril, 2016, de http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1083-6101.1997.tb00062.x/full

Gil, A. C. (2009). Métodos e técnicas de pesquisa social (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Hudson, J. (1996). Trends in multi-authored papers in economics. The Journal of Economic Perspectives, 10(3), 153-158.

Hunt, T. (2010). O poder das redes sociais: como o fator whuffie - seu valor no mundo digital pode maximizar os resultados de seus negócios. São Paulo: Gente.

Kaplan, A. M., & Haenlein, M. (2010). Users of the world, unite! The challenges and opportunities of social media. Business Horizons, 53(1), 59-68. Recuperado em 27 abril, 2016, de http://michaelhaenlein.eu/Publications/Kaplan,%20Andreas%20-%20Users%20of%20the%20world,%20unite.pdf

Köche, J. C. (2009). Fundamentos de metodologia científica: teoria da ciência e iniciação à pesquisa (26a ed.). Petrópolis: Vozes.

Lee, Y. L., & Song, S. (2010). An empirical investigation of electronic word-of-mouth: informational motive and corporate response strategy. Computers in Human Behavior, 26(5), 1073-1080.

Lévy, P. (2002). Cyberdémocratie. Paris: Odile Jacob.

Löbler, M. L., Visentini, M. S., & Ferreira, A. C. (2011). Transversalidade entre cognição e sistemas de informação: um mapeamento dos principais periódicos internacionais. Organizações & Sociedade, 18(56), 153-173.

Macias-Chapula, C. A. (1998). O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional. Ciência da Informação, 27(2), 134-140.

Marteleto, R. M., & Silva, A. B. O. (2004). Redes e capital social: o enfoque da informação para o desenvolvimento local. Ciência da Informação, 33(3), 41-49.

Mercklé, P. (2004). Sociologie des réseaux sociaux. Paris: La découverte.

Montardo, S. P., & Carvalho, C. (2009). Reputação e web semântica: estudo comparativo de buscas aplicado a blogs. Comunicação, mídia e consumo, 6(16), 149-171.

Moreira, H., & Patriota, K. R. M.(2010, setembro). O uso da internet para criar interação, relacionamento e experiências com a marca. Anais da Intercom - Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, XXXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Caxias do Sul, RS, Brasil, 33.

Mugnaini, R. (2006). Caminhos para adequação da avaliação da produção científica brasileira: impacto nacional versus internacional. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado em 15 junho, 2016, de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27151/tde-11052007-091052/en.php

Pimentel, G. (2015). Quais são as redes sociais mais acessadas do Brasil?. E-Dialog. Recuperado em 15 junho, 2016, de http://www.edialog.com.br/listas/quais-sao-redes-sociais-mais-acessadas-brasil/

Pinto, A. M. G., & Junqueira, L. A. P. (2009). Relações de poder em uma rede do terceiro setor: um estudo de caso. Revista de Administração Pública, 43(5), 1091-1116. Recuperado em 26 abril, 2016, de http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6723/5306

Recuero, R. (2004, setembro). Redes sociais na internet: considerações iniciais. Anais do IV Encontro dos Núcleos de Pesquisa da XXVII INTERCOM, Porto Alegre, RS, Brasil, 4.

Recuero, R. (2009a). Redes sociais. In Spyer, J. (Org.). Para entender a internet. (pp. 25-26). São Paulo: Não Zero. Recuperado em 18 abril, 2016, de http://forumeja.org.br/sites/forumeja.org.br/files/para_entender_a_internet.pdf

Recuero, R. (2009b). Redes sociais na internet (Coleção Cibercultura). Porto Alegre: Sulina.

Safko, L., & Brake, D. K. (2010). A bíblia da mídia social: táticas, ferramentas e estratégias para construir e transformar negócios. São Paulo: Blucher.

Santos, R. N. (2003). Produção científica: por que medir? O que medir?. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, 1(1), 22-38. Recuperado em 15 junho, 2016, de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5063562

Shimp, T. (2002). Propaganda e promoção: aspectos complementares da comunicação integrada de marketing (5a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Tomaél, M. I., Alcará, A. R., & Di Chiara, I. G. (2005). Das redes sociais à inovação. Ciência da Informação, 34(2), 93-104. Recuperado em 18 abril, 2016, de http://www.scielo.br/pdf/ci/v34n2/28559.pdf/

Vanti, N. A. P. (2002). Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, 31(2), 152-162.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v1i9.395

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




Direitos autorais 2017 Nuno Alvares Felizardo Júnior, Marina Malafaia Nascimento de Barros Arêdes, Natália Maria de Paula, Tiago Coelho Justo, Luciana Aparecida Figueiredo Mazzini

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Indexada nas seguintes bases:

 

          

Uma publicação da Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação do IFGoiano - Câmpus Urutaí

 

  

 Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.