Qualidade das águas de minas no perímetro urbano do município de Ubá - MG

Debora Astoni Moreira

Resumo


A água subterrânea tem se tornado uma fonte alternativa de abastecimento de água para o consumo humano. Isto se deve tanto à escassez, quanto à poluição das águas superficiais, tornando os custos de tratamento, em níveis de potabilidade, cada vez mais elevados. Considerando a grande importância das águas subterrâneas para a manutenção e expansão do desenvolvimento urbano e a possibilidade de contaminação por doenças de veiculação hídrica, neste estudo, objetivou-se monitorar a qualidade da águas de Minas no perímetro urbano do município de Ubá-MG. Para isso, dez Minas tiveram suas características físicas, químicas e microbiológicas monitoradas ao longo do ano, durante cinco vezes. Os resultados indicaram elevada degradação ambiental, sendo que apenas 30% das Minas monitoradas atendiam os padrões de potabilidade, indicando ser necessária e urgentes a ocorrência de intervenções no sentido de garantir sua qualidade.


Texto completo:

PDF

Referências


Alaburda J, Nishihara L. Presença de compostos de nitrogênio em águas de poços. Rev. Saúde Pública. v.32, n.2. p.60-165. 1998.

American Public Health Association (APHA). Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater. 20. ed. New York: APHA, AWWA, WPCR. 937p.

ANA – Agencia Nacional de Águas. Atlas Brasil. Abastecimento urbano de água: panorama nacional. Brasília: ANA: Engecorps/Cobrape. 72p. 2010.

BRASIL (2007). Águas subterrâneas: um recurso a ser conhecido e protegido. Brasília/DF, Ministério do Meio Ambiente/Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano/Departamento de Recursos Hídricos. 40p

BRASIL (2011). Ministério da Saúde. Portaria nº. 2914 de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre os Procedimentos e Responsabilidades Relativos ao Controle e Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano e seu Padrão de Potabilidade. Diário Oficial da União, Brasília.

Carvalho CF, Ferreira AL, Stapelfeldt F. Qualidade das águas do ribeirão Ubá - MG. Rev. Esc. Minas. v.57, n.3. p.165-172. 2004.

Foster S, Hirata R, Misra S, Garduño H (2010). Urban Groundwater Use Policy: Balancing the Benefits and Risks in Developing Nations. The World Bank: Washington DC. 36p. 2010

Freitas MB, Brilhante OM, Almeida LM. Importância da análise de água para a saúde pública em duas regiões do Estado do Rio de Janeiro: enfoque para coliformes fecais, nitrato e alumínio. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. v.17, n.3. p.651-660. 2001.

Lima GM, Freitas MP. Avaliação qualitativa da potabilidade das águas de consumo humano dos poços outorgados e nascentes no perímetro urbano da cidade de Uberaba-MG. Monografia (Graduação em Tecnologia em Gestão Ambiental). 70p. Uberaba, MG: Faculdades Integradas de Uberaba. 2007

Mouchrek Filho VE, Nascimento AR. Análises físico-químicas e bacteriológicas da água. Universidade Federal Do Maranhão. Departamento de Tecnologia Química. Programa de Controle de Qualidade de Alimentos e Água. Pavilhão Tecnológico. São Luís – MA. 59p. 2005.

Moura RS, Pelli A, Terra APS, Okura MH. Qualidade da água de minas em área urbana na cidade de Uberaba(MG). Revista Baiana de saúde pública. v.33, n.2. p.231-242. 2009

Nascimento S, Barbosa, JSF. Qualidade da água do aquífero freático no alto cristalino de salvador, Bacia do Rio Lucaia, Salvador, Bahia. Revista Brasileira de Geociências. v.35, n.4. p.543-550. 2005

Percebon CM, Bittencourt AVL, Rosa Filho EF. Diagnóstico da temperatura das águas dos principais rios de Blumenau, SC. Boletim Paranaense de Geociências. Editora UFPR. n.56. p.7-19. 2005.

PNAS – Programa Nacional de Águas Subterrâneas. (2009). Brasília: MMA. Disponível em: https://sites.google.com/site/aabrasilma/Home/planos-de-acao/ds/dsrh/recursos-hidricos/programanacionaldeaguassubterraneas-pnas Acesso em 15/06/2014.

Scorsafava MA, Souza A, Stofer M, Nunes CA, Milanez TV. Avaliação físico-química da qualidade de água de poços e minas destinada ao consumo humano. Revista do Instituto Adolfo Lutz. v.69, n.2. p.229-232. 2010.

Silva JA. Tópicos de tecnologia de alimentos. São Paulo: Varela.. 227p. 2000.

Silva RCA, Araújo TM. Qualidade da água do manancial subterrâneo em áreas urbanas de Feira de Santana (BA). Ciênc. Saúde Coletiva. v.8, n.4. p.1010-1028. 2002.

SRH- Secretaria dos Recursos Hídricos; MMA – Ministério do Meio Ambiente. Água: Manual de uso. Brasília, DF. 112p. 2006.

UBÁ – Prefeitura Municipal de Ubá. Plano de gestão dos serviços de abastecimento de água potável e de esgotamento sanitário do Município de Ubá - Relatório Técnico. Ubá MG. P. 89p. 2011.

UNEP – United Nations Environment Programme. (2008). “Vital Water Grafhics.” Disponível em: . Acessa em 29/06/2014.

Von Sperling MV. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 3. ed. Belo Horizonte: Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental; Universidade Federal de Minas Gerais. 243p. 2005




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v1i1.45

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Debora Astoni Moreira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Indexada nas seguintes bases:

 

          

Uma publicação da Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação do IFGoiano - Câmpus Urutaí

 

  

 Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.