Qualidade da água de irrigação na cultura do tomate de mesa no município de Goianápolis-GO

Sandriane Araújo Borges, Ananda Helena Nunes Cunha, Sandra Máscimo da Costa Silva, Jonas Alves Vieira, Abadia Dos Reis Nascimento

Abstract


O objetivo deste trabalho foi analisar as variáveis físico-químicas da qualidade da água para a irrigação na cultura do tomate de mesa no município de Goianápolis – GO. Foram georreferenciados cinco pontos para coleta de água, feitas nos meses de janeiro, março e maio de 2012. As análises químicas foram conduzidas na Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas – UnUCET da Universidade Estadual de Goiás, Anápolis – GO, sendo avaliadas sob os seguintes aspectos: oxigênio dissolvido, pH, ferro, turbidez, cálcio, magnésio, condutividade elétrica e sódio. Concluiu-se que a qualidade da água dos pontos avaliados foram classificadas como água de Classe 2. O nível de oxigênio apresentou diferenças entre a época chuvosa e a seca. O pH sofreu uma pequena variação, mas os valores encontrados permaneceram dentro dos limites estabelecidos para fins de irrigação (6,33 a 6,82). Os teores de ferro (0,08 a 0,10 mg L-1) atendem aos padrões permitidos, o risco de entupimento dos emissores pela irrigação nas propriedades avaliadas é reduzido. A turbidez da água foi alta no começo das chuvas (193 NTU), e diminuiu com a estabilidade do período chuvoso (7,35 NTU).  A avaliação de condutividade elétrica (0,07 a 0,08 dS. m-1), cálcio (13,64 a 18,28 mg L-1) e magnésio (2,56 a 8,19 mg L-1) demonstraram que alguns valores ficaram acima do permitido, mas não prejudicou a produção de tomate de mesa. Valores de sódio estão dentro dos limites, não ocorrendo problemas de salinidade no solo. Os resultados demonstram que é viável à irrigação de tomate de mesa utilizando as águas avaliadas.


References


AGROLAB. Instrução Técnica. Como coletar amostras de efluentes e águas não Potáveis (rios, lagos, mar, poços, etc.). Disponível em . Acessoem 20 jan. 2012.

ALLAN, D.J. Streams ecology: structure and function of runnig waters.Dordrecht: Springer. p. 388, 1995. Disponível em Acesso em 20 mai. 2012.

APHA; A.W.W.A.; W.P.C.F. Standard methods for examination of water and wastewater. 19. Ed. Washington D.C. USA, American Public Health Association, 1995.

AYRES, R. S.; WESTCOT, D. A. A qualidade da água na agricultura. (Estudos FAO: Irrigação e Drenagem, 29 Revisado) 1991, p. 218.

BLANCO, F. F. Tolerância do tomateiro a salinidade sob fertirrigação e calibração de medidores de íons específicos para determinação de nutrientes na solução e na planta. Piracicaba: ESALQ, p.134, 2004.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução no 357 de 17 de março de 2005. Diário Oficial da União, 18 mar. 2005. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2012.

BURT, C.; O’CONNOR, K.; RUEHR.Fertigation. San Luis Obispo: California Polytechnic State University. 296p, 1995. Disponível em: < http://www.agriambi.com.br/revista/v2n1/017.pdf>. Acesso em: 08 mar. 2012.

COSTA, C.P.M.; Eloi, W.M.; Carvalho, C.M.; Júnior, M.V.; Silva, M.A.N. Caracterização qualitativa da água de irrigação na cultura da videira no município de Brejo Santa, Ceará. Revista de Biologia e Ciências da Terra. ISSN 1519-5228, v. 5, n.2, 2005.

DE DATTA, S.K. Principles and practices of rice production. New York: J. Wiley. 618p, 1981.

DONADIO, N. M. M. Qualidade da água de nascentes com diferentes usos do solo na bacia hidrográfica do córrego rico. São Paulo, 2008. Disponível em . Acesso em 22 mai. 2012.

DOORENBOS, J.; KASSAM, A. H. Efeito da água no rendimento das culturas. Estudos da FAO: Irrigação e Drenagem, 33. Campina Grande: UFPB, p. 306, 1994.

ESTEVES, F.A. Fundamentos de Limnologia. Interciência, 2 ed. Rio de Janeiro, 602p. 1998.

FAO.Development and management of water resources, Jamaica.Rio Minho. Annex III - WaterQuality. FAO Report No. FAO, Rome. 1974.

FAOSTAT.Production de produitsalimentairesetagricoles.Top production, 2010.Disponível em: . Acessado em: 14 mar 2012

FAOSTAT-FAO. StatisticsDivision. 2011. Disponível em . Acesso em: 25 mar. 2012

FRANCO, R. A. M. Qualidade da água para irrigação na Microbacia do córrego do coqueiro no Noroeste paulista. Dissertação: Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, 2008.

HERNANDEZ, F.B.T.; SILVA, C.R.; SASSAKi, N.; BRAGA, R.S. Qualidade de água em um sistema irrigado no noroeste paulista. Resumo: Congresso Brasileiro deEngenharia Agrícola (CONBEA), Foz de Iguaçu, Brasil, 2001.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Levantamento sistemático da produção agrícola de 2011. Disponível em Acesso em: 11 mar. 2012 .

LIBÂNIO, M. Fundamentos de qualidade e tratamento de água. Campinas: Editora Átomo. p 444, 2005.

LIMA, J. E. F. W.; FERREIRA, R. S. A.; CHRISTOFIDIS, D. O uso da irrigação no Brasil. São Paulo: O Estado das águas no Brasil. p. 73-82, 1999.

MAAS, E. V. Crop salt tolerance. In: Tanji, K. K. (ed.) Agricultural salinity assessment and management manual. New York: ASCE. p. 262-304, 1990.

MORAES, A. J. Manual para a avaliação da qualidade da água. São Carlos: RiMa, Brasil: 44p, 2001.

MOURA; R.S.; HERNANDEZ; F.B.T.; VANZELA; L.S. Monitoramento da qualidade química da água para fins de irrigação no Córrego Três Barras, Marinópolis – SP [Resumo]. Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola(CONBEA), Bonito, Brasil. 2007.

NAKAYAMA, F. S.; BUCKS, D. A. Trickle irrigation for crop production.St. Joseph: ASAE. 383p, 1986. Disponível em . Acesso em 20 mai. 2012.

PIVELI, R. P. Curso:Qualidade das Águas e poluição: Aspectos físico-químicos, 2000. Disponível em < http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAPBcAD/fasciculo-10-oxigenio-dissolvido-materia-organica#>. Acesso em 21 mai. 2012.

PIZARRO, F. Drenaje agrícola y recuperación de suelos salinos. Madrid: Editorial Agrícola, Española, 1985. 521p.

RICHARDS, R.A. Improving crop production on salt affected soils: by breeding or management?Expl. Agric. Vol. 31, p.395 - 408. 1995. Disponível em: < http://www.agriambi.com.br/revista/v2n1/017.pdf>. Acessoem: 12 abr. 2012.

SHALHEVET, J.; YARON, B. Effect of soil and water salinity on tomato growth.PlantandSoil The Hague, v. 39, n.2, p.285-292. 1973. In: OLIVEIRA, B.C. Características produtivas do tomateiro submetido a diferentes níveis de sais, na água de irrigação. Revista Brasileira deEngenharia Agrícola e Ambiental.v.11, n.1, p.11–16, 2007. Disponível em Acesso em 10 abr. 2012.

SOUZA, J. A. R.; MOREIRA, D. A.; FERREIRA, P. A.; MATOS, A. T. Variação do nitrogênio e fósforo em solo fertirrigado com efluente do tratamento primário da água residuária da suinocultura. RevistaAmbiente e Água, Taubaté, v.4, n.3, p.111-122, 2009.

TOLEDO, L. G.; NICOLELLA, G. Índice de qualidade de água em microbaciasob uso agrícola e urbano. ScientiaAgricola, v.59, n.1, p.181-186, 2002. Disponível em Acesso em 19 maio 2012.

VON SPERLING, M. Estudo e modelagem da qualidade da água de rios.UFMG, Belo Horizonte,588p. 2007. Disponível em. Acesso em 20 mai. 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v1i2.63

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Copyright (c) 2017 Sandriane Araújo Borges, Ananda Helena Nunes Cunha, Sandra Máscimo da Costa Silva, Jonas Alves Vieira, Abadia Dos Reis Nascimento

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Indexed in:

          

A publication of the "Diretoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação", IFGoiano - Campus Urutaí

 

  

 Licença Creative Commons

License: Creative Commons - Attribution 4.0 International.