A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E O USO DE TICS EM SALA DE AULA: Uma reflexão sobre os currículos dos cursos de Licenciatura em Química

Authors

  • Camila de Fatima Sant'Ana IFRJ campus Nilópolis
  • Flávia Monteiro de Barros Araújo UFF
  • Denise Leal de Castro IFRJ campus Nilópolis

DOI:

https://doi.org/10.33837/msj.v1i13.655

Keywords:

Tecnologias. Professor de Química. Currículo

Abstract

O presente artigo traz uma análise e reflexão dos currículos ofertados nos cursos de Licenciatura em Química de duas instituições federais de ensino do Rio de Janeiro, UFRJ e IFRJ campus Nilópolis, no que se refere à formação docente e a utilização de TICs como recurso didático no exercício do magistério. Para tal análise, além dos currículos, foi consultado também o PPC destes cursos. Os resultados de tal análise apontam para a abordagem de TICs nestes cursos ainda de forma tímida, não proporcionando aos futuros professores a base de conhecimentos necessária para que os mesmos possam empregá-las de maneira adequada no processo de ensino-aprendizagem do estudante nas escolas. Este fator torna-se em contrapartida mais um obstáculo a ser superado pelo professor na atualidade que precisa constantemente realizar seu aperfeiçoamento profissional.

Author Biographies

Camila de Fatima Sant'Ana, IFRJ campus Nilópolis

Possui graduação em Química Licenciatura e graduação em Química Bacharelado pela Universidade do Grande Rio; Pós-graduação (Especialização) em Química e Toxicologia Forense pela Universidade Castelo Branco e Pós-graduação (Especialização) em Ensino de Ciências com ênfase em Biologia e Química pelo IFRJ-Campus Maracanã. Atuou como Técnica em Química, no Instituto Nacional de Tecnologia (INT), trabalhando no LATAB (Laboratório de tabaco e derivados) pelo projeto Petrobras, analisando petróleo e seus derivados leves e pesados por Cromatografia Gasosa, nos ensaios de Destilação Simulada, Distribuição do número de átomos de carbono no detetor FID e Determinação do teor de enxofre no detetor (SCD) por Quimiluminescência. Atuou também no LATAB no Programa de Capacitação Institucional do MCTI-PCI pelo projeto Desenvolvimento de metodologia analítica e validação para quantificação de Nitrosaminas em cigarros por CG-NCD. Ministrou aulas de Química para turmas de EJA no curso Lídice Silva, e ministrou aulas de Química para turmas de pré- técnico e pré- vestibular do curso Arar. Atualmente está ministrando aulas de Química para turmas de pré-vestibular e pré-militar no curso Progressão e está cursando Mestrado Acadêmico em Ensino de Ciências pelo IFRJ- Campus Nilópolis.

Flávia Monteiro de Barros Araújo, UFF

Possui Bacharelado (1982) e Licenciatura em Ciências Sociais (1985) pela Universidade Federal Fluminense; Mestrado em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1998), Doutorado em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2006). Realizou o Pós-doutorado em 2009, desenvolvendo pesquisa na área de políticas e reformas curriculares. É Professora adjunta da Faculdade de Educação (UFF). Integra o corpo de docentes dos programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Faculdade de Educação (UFF) e de Pós-Graduação Stricto Sensu de Ensino de Ciências do IFRJ. É vice-coordenadora do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Pedagogia Social. Na atualidade, exerce o cargo de Secretária de Educação do município de Niterói. Desenvolve projetos de pesquisa sobre políticas educacionais e formação de professores. Coordena o Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas de Educação (GRUPPE), vinculado à Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense e o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Gestão em Gestão e Políticas Públicas em Educação (NUGEPPE). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Políticas Educacionais, Currículo e Formação de Professores. É autora de diversas publicações na área.

Denise Leal de Castro, IFRJ campus Nilópolis

Possui graduação em Licenciatura em Ciências Habilitação em Química pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (1989), mestrado em Química pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (1996) e doutorado em Química pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2000). Atua como professora nos cursos de Licenciatura em Química e Mestrado em ensino de ciências do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, Campus Nilópolis. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Química dos Produtos Naturais e Ensino de Química.

References

ARROYO, M. G. (2011). Conformando autoidentidades profissionais. In: ARROYO, M. G. Currículo, território em disputa. (pp.23-33), Editora Vozes, Petrópolis, RJ.

BARRETO, R. G.(2004). Tecnologia e educação: trabalho e formação docente. Educação e Sociedade, Vol. 25, nº 89, p.1181-1201.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Química- Parecer CNE/CES nº 1.303 de 06 de novembro de 2001. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES1303.pdf>. Acesso em: 03/03/2018.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio- Parecer CNE/CEB no 15/98. Disponível em:< http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/diretrizes_p0401-0466_c.pdf>. Acesso em: 03/03/2018.

CHASSOT, A. (2003). O impacto da tecnologia na educação. In: Alfabetização científica, questões e desafios para a educação. (pp. 73-93), 3ª edição. Ijuí-RS: editora Unijuí.

GALLO, S. (2000). Transversalidade e educação: Pensando uma educação não-disciplinar. In: ALVES, N.; GARCIA, R. L. (orgs.). O Sentido da Escola. (pp.1-12), Rio de Janeiro: DP&A.

GIL, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª Edição, Editora Atlas.

LEITE, B. S. (2015). Tecnologias no ensino de química, teoria e prática na formação docente. 1ª Edição, Editora Appris.

LIBÂNEO, J. C. (2011) Adeus professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. 13ª edição. São Paulo: Editora Cortez, Volume 2.

LIMA, P. R. T. (2011). Novas tecnologias de informação e comunicação e a formação dos professores nos cursos de licenciatura do Estado de Santa Catarina. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil.

Página institucional do IFRJ. Disponível em:<http://www.ifrj.edu.br/node/1756>. Acesso em: 03/03/2018.

Página institucional da UFRJ. Disponível em:. Acesso em: 03/03/2018.

ROLANDO, L. G. R.; VASCONCELLOS, R. F. R. R.; MORENO, E. L.; SALVADOR, D. F.; LUZ, M. R. M. P. da. (2015). Integração entre internet e prática docente de química. Revista virtual de Química, Vol 7, nº 3, p. 864-879.

SANTOS, J. R. A. dos; NASCIMENTO, G. R. do; MACIEL, P. P. R.; CORDEIRO, J. P. (2007). Utilização dos recursos da internet para o ensino de ciências na casa da física. Revista Digital de Tecnologia Educacional e Educação à Distância, vol. 1, nº 1, p. 1-12.

TAVARES, R.; SOUZA, R. O. O.; CORREIA, A. de O. (2013). Um estudo sobre a “tic” e o ensino da química. Revista GEINTEC, Vol 3, nº 5, p. 155-167.

VALENTE, J. A.; ALMEIDA, M. E. B. de. (2012). Integração currículo e tecnologias e a produção de narrativas digitais. Currículo sem fronteiras, Vol.12, nº 3, p. 57-82.

Published

2018-11-11

How to Cite

Sant’Ana, C. de F., Araújo, F. M. de B., & de Castro, D. L. (2018). A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E O USO DE TICS EM SALA DE AULA: Uma reflexão sobre os currículos dos cursos de Licenciatura em Química. Multi-Science Journal (ISSN 2359-6902), 1(13), 360-364. https://doi.org/10.33837/msj.v1i13.655

Issue

Section

Technical Communications