Influência das técnicas de cultivo na atividade antioxidante de romã

Mônica Cristina Lopes do Carmo, Berenice Kussumoto de Alcântara, Severino Matias de Alencar, Rosângela Maria Neves Bezerra

Resumo


Apesar de a romã já ser reconhecida na literatura como tendo elevado potencial antioxidante e ajudar na prevenção de patologias relacionadas ao desequilíbrio oxidativo, ainda pouco se conhece sobre as variações na composição química que os diferentes tipos de cultivo podem propiciar. A procura pelo alimento orgânico têm aumentado, porém são escassas as pesquisas científicas com vista à caracterização do alimento produzido no sistema orgânico, em relação aos obtidos no sistema convencional. Considerando este cenário, o objetivo deste trabalho foi avaliar e comparar por diferentes metodologias a capacidade de romãs (Punica granatum) oriundas de cultivos orgânico e convencional. O extrato etanólico da polpa de romã foi obtido por método sequencial. Os fenólicos totais foram determinados pelo método de Folin Ciocateau e a atividade antioxidante in vitro foi determinada através de dois métodos: espectrofotometria, através da descoloração do radical ABTS+ (2,2-azinobis- [3-etil-benzotiazolin-6-ácido sulfônico]) com persulfato de potássio, e oxigen radical absorbance capacity. No cultivo das frutas do tipo convencional foram utilizados adubos, fertilizantes, pesticidas e aceleradores de amadurecimento, já as frutas orgânicas foram cultivadas sem o uso de herbicidas e inseticidas e aditivos minerais de indução de crescimento. A romã teve sua capacidade antioxidante determinada e os tipos de cultivo foram comparados entre si. Constatou-se que as frutas do cultivo orgânico apresentaram os mais altos teores de compostos redutores e atividade antioxidante equivalente ao Trolox quando comparadas à frutas de cultivo convencional. O sistema de cultivo orgânico contribuiu para uma mais efetiva atividade antioxidante da romã. O tipo de técnica agrícola foi capaz de interferir no conteúdo de compostos antioxidantes da fruta.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v1i4.77

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




Direitos autorais 2017 Mônica Cristina Lopes do Carmo, Berenice Kussumoto de Alcântara, Severino Matias de Alencar, Rosângela Maria Neves Bezerra

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Indexada nas seguintes bases:

 

          

Uma publicação da Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação do IFGoiano - Câmpus Urutaí

 

  

 Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.