Teste de condutividade elétrica para estimar o vigor de sementes de urucum

Roberta Leopoldo Ferreira

Abstract


O objetivo dessa pesquisa foi estabelecer o método para estimar o vigor de sementes de urucum (Bixa orellana L.) por meio do teste de condutividade elétrica, envolvendo combinações entre a massa das sementes, o volume da água e o período de hidratação, relacionando os resultados desse teste com a formação da plântula (muda) e as diferenças de genótipo dos acessos genéticos; foram utilizadas sementes de quatro acessos genéticos, mantidos pelo IAC, Campinas, SP, e  três lotes. Para o teste de condutividade elétrica foram utilizadas 25 ou 50 sementes, hidratadas em 50mL ou 75mL de água destilada, a 25oC, por 2, 4, 8, 16 ou 24 horas. Paralelamente, foram avaliados o teor de água das sementes, a germinação, a primeira contagem de germinação, a emergência da plântula, o índice de velocidade de emergência da plântula, número de folhas, altura de plântulas e massa da matéria seca da plântula. O teste de condutividade elétrica é eficiente para estimar o vigor das sementes de urucum, independentemente do acesso genético; para a avaliação devem ser utilizadas  25 ou 50 sementes, hidratadas em 50 ou 75mL de água destilada a 25oC, por 16 ou 24 horas.


References


Aosa. (1983). Seed vigor testing handbook. East Lansing: AOSA.

Ataide, G. M., Flôres, A. V., Borges, E. E. L., & Resende, R. T. (2012). Adequação da metodologia do teste de condutividade elétrica para sementes de Pterogyne nitens Tull. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 7(4), 635-640.

Barbedo, C. J., & Cícero, S.M. (1998). Utilização do teste de condutividade elétrica para previsão do potencial germinativo de sementes de ingá. Scientia Agricola, 55(2), 249-259.

Bhering, M. C, Dias, D. C. F. S, Gomes, J. M., & Barros, D. I. (2000). Métodos para avaliação do vigor de sementes de pepino. Revista Brasileira de Sementes, 22(2), 171-175.

Bonner, F. T. (1991). Leachate conductivity: a rapid nondestructive test for pine seed quality. Tree Planter’s Notes, 42(2), 41-44.

Brasil. (2009). Regras para análise de sementes, Brasília: SNDA/DNDV/CLAV.

Cunha, L. G. G. (1978). Diagnóstico da cultura do urucum (Bixa orellana) na Ibiapaba.Fortaleza: EPACE.

Dalanhol, S. J., Rezende, E. H., Abreu, D. C. A., & Nogueira, A. C. (2014). Teste de condutividade elétrica em sementes de Bowdichia virgilioides Kunth. Floram, 21(1), 69-77.

Delouche, J. C., & Baskin, N. C. (1973). Accelerated aging techniques for predicting the relative storability of seed lots. Seed Science and Technology, 1(1), 427-452.

Dias, D. C. F. S., Vieira, A. N., & Bhering, M. C. (1998). Condutividade elétrica e lixiviação de potássio para avaliação do vigor de sementes de hortaliças: feijão-de-vagem e quiabo. Revista Brasileira de Sementes, 20( 2), 408-413.

Dutra, A., Vieira, R. D. (2006). Teste de condutividade elétrica para a avaliação do vigor de sementes de abobrinha. Revista Brasileira de Sementes, 28(2), 117-122.

FERREIRA, D. F. (1998). Sisvar - sistema de análise de variância para dados balanceados. Lavras: UFLA.

Franco, C. F. O, Fabri, A., G., Neto, M., B., Manfiolli, M., H., & Harder, M., N., C., Rucker, N., C., A. (2008). Urucum: Sistemas de Produção para o Brasil, João Pessoa: Emepa.

Franco, C. F. O., Silva, F. C. P., Filho, J. C., Neto, M. B., São José, A. R., Rebouças, T. N. R., & Fontinelli, S. C. (2002).Urucuzeiro: Agronegócio de corantes naturais, João Pessoa: Emepa.

Gaspar, C. M., & Nakagawa, J. (2002). Teste de condutividade elétrica em função do número de sementes e da quantidade de água para sementes de milheto. Revista Brasileira de Sementes, 24(2), 70-76.

Gonçalves, E.P. (2003). Avaliação do potencial fisiológico de sementes de mutamba (Guazuma ulmifolia Lam.) por meio de diferentes testes de vigor. (Tese de Doutoramento). Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Brasil.

Höffs A., Schuch L. O. B., Peske S. T; Barros A. C. S. A. (2004). Efeito da qualidade fisiológica das sementes e da densidade de semeadura sobre o rendimento de grãos e qualidade industrial em arroz. Revista Brasileira de Sementes, 26(2), 55-62.

Ista. (1995). Handbook of vigour test methods. Zürich.

Maguire, J. D. Speed of germination-aid in relation evaluation for seedling emergence vigor. (1962).Crop Science, Madison, 2(2), 176-177.

Marques, M. A., Paula, R. C., & Rodrigues, T. J. D. (2002a). Adequação do teste de condutividade elétrica para determinar a qualidade fisiológica de sementes de jacarandá-da-bahia (Dalbergia nigra (Vell.) Fr. All. ex. Benth). Revista Brasileira de Sementes, 24(1), 271-278.

Marques, M. A., Paula, R. C., & Rodrigues, T. J. D. (2002b). Efeito do número de sementes e do volume de água na condutividade elétrica de sementes de Dalbergia nigra (Vell.) Fr. All. ex. Benth. Revista Brasileira de Sementes, 24(1), 254-262.

Martins, C. C., Seneme, A. M., Castro, M. M., Nakagawa, J., & Cavariani, C. (2002). Comparação entre métodos para a avaliação do vigor de lotes de sementes de couve-brócolos (Brassica oleracea L. var. italica Plenk). Revista Brasileira de Sementes, 24(2), 96-101.

Matthews, S., & Powell, A. A. (1981). Electrical conductivity test. In: Perry, D. A. (Ed.). Handbook of vigour test methods. Zürich: ISTA.

Pereira, T. S. (1995). Caracterização de plântulas de Bixa orellana L, – Urucu (Bixaceae). Revista Brasileira de Sementes, 17(2), 234-248.

Rebouças, T. N. H. (1995). Análise do comportamento do urucuzeiro (Bixa orellana L.) cultivado em Vitória da Coquista-BA.(Tese de Doutoramento). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Brasil.

Rodo, A. B., Tillmann, M. A. A., Villela, F. A., & Sampaio, N. V. (1998). Teste de condutividade elétrica em sementes de tomate. Revista Brasileira de Sementes, 20(1), 29-38.

Sá, M. E. (1999). Condutividade elétrica em sementes de tomate (Lycopersicon lycopersicum L.). Scientia Agricola, 56(1), 13-19.

Santos, S. R. G., & Paula, R.C. (2005). Teste de condutividade elétrica para avaliação da qualidade fisiológica de sementes de Sebastiania commersoniana (Bail) Smith & Downs – euphorbiaceae. Revista Brasileira de Sementes, 27(2), 136-145.

Suñé, A. D. (2006). Metodologia de testes de germinação e de vigor para sementes de leguminosas e gramíneas nativas de importância para o bioma campo.(Tese de Doutoramento). Universidade federal do Rio Grande do Sul, Brasil.

Vanzolini, S., Nakagawa, J. (1998). Teste de condutividade elétrica em genótipos de sementes de amendoim. Revista Brasileira de Sementes, 20(1),178-183.

Vieira, R., & Krzyzanowski, F. C. (1999). Teste de condutividade elétrica. In: Krzyzanowski, F. C., Vieira, R. D., & França Neto, J. B. (Eds.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES.

Woodstock, L. M. (1973). Physiological and biochemical of seed vigor. Seed Science and Technolology, 1(1), 127-157.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v1i3.79

Refbacks

  • There are currently no refbacks.

Comments on this article

View all comments




Copyright (c) 2017 Roberta Leopoldo Ferreira

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Indexed in:

          

A publication of the "Diretoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação", IFGoiano - Campus Urutaí

 

  

 Licença Creative Commons

License: Creative Commons - Attribution 4.0 International.