Cenário da disposição do lodo de esgoto: uma revisão das publicações ocorridas no Brasil de 2004 a 2014

Alfred Luciano Fabio Gomes de Castro, Orlando Rodrigues, Paulo Sergio Scalize

Resumo


O crescimento populacional somado à urbanização e ao desenvolvimento econômico são causas incontestáveis do aumento da geração de resíduos. No Brasil a gestão dos resíduos gerados apresenta dificuldades quanto a disposição inadequada, coleta informal e insuficiência do sistema de coleta pública (Linhares et al. 2012).O lodo de esgoto, que é um resíduo, é um produto inevitável do tratamento de águas residuárias, e sua disposição de forma inadequada é um problema existente em várias partes do mundo.  No panorama nacional existe uma carência de informação oficial a respeito da disposição do lodo de esgoto, no entanto, são vários os autores que estudaram e/ou estudam alternativas para o uso deste biossolido. Nesse sentido o objetivo do presente estudo foi mapear as principais tendências do uso e disposição do lodo de esgoto no Brasil, tomando por base os trabalhos técnicos-científicos publicados do ano de 2004 à 2014, sendo para isso utilizada a metodologia Mapping Study, foram realizadas buscas a em publicações eletrônicas nos bancos de dados dos Portais Scielo, CAPES, e no sitio do Google Acadêmico. De acordo com análise cienciométrica de dados proposta por este estudo, a realidade do Brasil para a disposição do lodo de esgoto, é a produção vegetal ou a recomposição de áreas degradadas com 276 artigos (91,7%), com destaque na aplicação agrícola (82,1%) e, em especial na produção de milho (19,9%). Porém, mesmo em menor número, já começa a aparecer vertentes de pesquisa do uso deste biossólido para produção de artefatos cerâmicos, construção civil e geração de energia (25 artigos).

Texto completo:

PDF

Referências


CAESB. (2013). Sinopse do Sistema de Esgotamento Sanitário do Distrito Federal. (SIESG). Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal. 26 Ed. Brasília (DF).

Bettiol, W., Camargo, O. de, Galvão, J. A. H. & Ghini, R. (2006). Impacto ambiental do uso agrícola do lodo de esgoto: Descrição do estudo. In: Bettiol, W. & Camargo, O. A. (Eds) Lodo de esgoto: impactos ambientais na agricultura (pp. 17-24). Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente.

Bezerra, F. B., Oliveira, M. A. C. L. de; Perez, D. V., Andrade, A. G. de & Meneguelli, N. do A. (2006). Lodo de esgoto em revegetação de área degradada. Pesquisa agropecuária brasileira, 41(3), 469-476. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-204X2006000300014

BRASIL (2014). Ministério das Cidades. Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento: Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgotos–2013. Brasília: SNSA/MCIDADES, 181 p. Disponível em: . Acesso em: 20/022014.

BRASIL (2006a). Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução n. 375. Define critérios e procedimentos, para o uso agrícola de lodos de esgoto gerados em estações de tratamento de esgoto sanitário e seus produtos derivados. Brasília. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res06/res37506.pdf>. Acesso em: 26/08/2013.

BRASIL (2006b). Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução n. 380. Retifica a Resolução CONAMA 375/06. Brasília. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/port/conama/legislacao/CONAMA_RES_CONS_2006_380.pdf>. Acesso em: 01/01/2015.

Brehm, F. A., Kulakowski, M. P., Evaldt, D. C., Moraes, C. A. M., Pampanelli, A. B. (2013). Analysis of stabilization by solidification of phosphatization sludge in Portland cement and red ceramic for use in the construction industry. Ambiente Construído, 13(2), 15-27. http://dx.doi.org/10.1590/S1678-86212013000200003

Calil, A. M., Sallum, E. A., Domingues, C. A. & Nogueira, L. S. (2009). Mapeamento das lesões em vítimas de acidentes de trânsito: revisão sistemática da literatura. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 17(1), 120-125. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692009000100019

Campos, F. S. de & Alves, M. C. (2008). Uso de lodo de esgoto na reestruturação de solo degradado. Revista Brasileira Ciência do Solo, 32(4),1389-1397, 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-06832008000400003

Dias, E. A. V. & Costa, H. G. (2011). Mapeamento da produção científica no escopo da ontologia. Revista Eletrônica Sistemas & Gestão. 6(4), 481-507. http://dx.doi.org/10.7177/sg.2011.v6.n4.a6

Escudey, M.; Moraga, N.; Zambra, C. & Antilén, M. (2011). Sewage sludge disposal and applications: self-heating and spontaneous combustion of compost piles - trace metals leaching involcanic soils after sewage sludge disposal. Waste Water - Evaluation and Management, 399-430. http://dx.doi.org/10.5772/15580

Ferraz, A. de V. & Poggiani, F. (2014). Biomassa, Nutrientes e Metais Pesados em Raízes de eucaliptos adubados com Diferentes lodos de esgoto. CERNE, 20(2), 311-320. http://dx.doi.org/10.1590/01047760.201420021491

Fytili, D. & Zabaniotou, A. (2008). Utilization of sewage sludge in EU application of old and new methods-a review. Renewable and Sustainable Energy Reviews, 12(1), 116-140. http://dx.doi.org/10.1016/j.rser.2006.05.014

Godoy, L. C. de (2013). A logística na destinação do lodo de esgoto. Revista Científica on-line-Tecnologia, Gestão e Humanismo, 2(1), 79-90. Disponível em: . Acesso em: 26/04/2014.

Heck, Karina, De Marco, Évilin G., Hahn, Ana B. B., Kluge, Mariana, Spilki, Fernando R., & Van Der Sand, Sueli T. (2013). Temperatura de degradação de resíduos em processo de compostagem e qualidade microbiológica do composto final. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, 17(1), 54-59. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662013000100008

Ingunza, M.P.D., Andreoli, C. V., Nascimento, R. M., Tinoco, J. D., Hoppen, C. & Pegorini, E. S. (2006). Uso de Resíduos do Saneamento na Fabricação de Cerâmica Vermelha. In Andreoli, C.V. (Coord.). Alternativas de uso de resíduos de saneamento (pp. 283-359). Projeto Prosab. ABES. Rio de Janeiro.

Kelessidis, A & Stasinakis, A. S. (2012). Comparative study of the methods used for treatment and final disposal of sewage sludge in European countries. Waste management, 32(6), 1186-1195. http://dx.doi.org/10.1016/j.wasman.2012.01.012

Kitchenham, B., Pearl, O., Budgen, D., Turnre, M., Bailey, J. & Linkman, S. (2009). Systematic literature reviews in software engineering–a systematic literature review. Information and software technology, (51)1, 7-15, 2009. http://dx.doi.org/10.1016/j.infsof.2008.09.009

Linhares, P. de T. F., Mendes, C. C. & Lassance, A. (2012). Federalismo à brasileira: questões para discussão. Brasília: IPEA, vol. 8, 249 p.

Lopes, J. C., Ribeiro, L. G., Araújo, M. G. de & Beraldo, M. R. B. S. (2005). Produção de alface com doses de lodo de esgoto. Horticultura Brasileira, 23(1), 143-147. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362005000100030

Moura, L. S. de, Oliveira Braga, R. J. de, Siqueira, E. R. & KOPP, K. A. (2013). O papel do sedimento na qualidade da água: uma revisão dos trabalhos publicados entre 2001 e 2011. Revista Eletrônica de Engenharia Civil, (7)1, 1-10. http://dx.doi.org/10.5216/reec. v7i1. 22776

Paixão Filho, J. L. da, Gabrielli, G., Coraucci Filho, B. & Tonetti, A. L. (2014). Uso de lagoa de estabilização de lamas no cultivo de rosas. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 18(1), 85-89. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662014000100011

Pedroza, M. M., Vieira, G. E. G., de Sousa, J. F., de Castilho Pickler, A., Leal, E. R. M. & da Cruz Milhomen, C. (2010). Produção e tratamento de lodo de esgoto – uma revisão. Revista Liberato, 11 (16), 147-157. Disponível em: . Acesso em: 05/02/2014.

Pereira, K. L. de. A. (2012). Estabilização de um Solo com Cimento e Cinza de Lodo Para Uso em Pavimentos. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) Centro de Tecnologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil,125 p.

Santos, P. H. F. dos & Barcellos, E. E. & Bergmann, C. P. (2013). Avaliação da incorporação do lodo de estação de tratamento de esgoto como matéria prima alternativa na produção de massa cerâmica. Disponível em: . Acesso em: 25/02/2014.

Scherr, M. B.; Carneiro, C.; Bressan, O. A. & Santos, K. G. dos (2012). Mudas de Jasminum mesnyi Hance produzidas com substratos à base de lodo de esgoto compostado. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 16(9), 931-937. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662012000900002

Silva, N. B. (2014). Avaliação química e ecotoxicológica de lodos e esgoto visando à utilização na agricultura. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da Unicamp, Campinas, Brasil, 81p.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v1i2.84

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




Direitos autorais 2017 Alfred Luciano Fabio Gomes de Castro, Orlando Rodrigues, Paulo Sergio Scalize

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Indexada nas seguintes bases:

 

          

Uma publicação da Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação do IFGoiano - Câmpus Urutaí

 

  

 Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.