COMPORTAMENTO AGUDO DA PRESSÃO ARTERIAL EM INDIVÍDUOS NORMOTENSOS APÓS UMA SESSÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS

Authors

  • Michelle Abadia Cirilo Universidade Estadual de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.33837/msj.v1i5.88

Abstract

A hipertensão arterial sistêmica é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados da pressão arterial. Como tratamento dessa patologia recomenda-se, além do uso de medicamentos, a adoção de um estilo de vida saudável, incluindo uma dieta balanceada e a prática regular de atividades físicas. Deste modo, a aderência a um programa de exercícios físicos poderia contribuir significativamente para a redução crônica da pressão arterial. A hipotensão pós-exercício pode ser caracterizada pela redução da pressão arterial durante o período de recuperação, fazendo com que os valores pressóricos observados pós-exercícios permaneçam inferiores àqueles medidos antes do exercício. Assim, o objetivo desse trabalho foi analisar o comportamento da pressão arterial sistólica e pressão arterial diastólica após uma sessão de exercícios resistidos em indivíduos normotensos. Tratou-se de uma pesquisa experimental com delineamento pré-teste/pós-teste com amostragem de conveniência, composta por 12 indivíduos adultos, normotensos, praticantes de musculação regular a, pelo menos, três meses. Os indivíduos foram divididos aleatoriamente em dois grupos. O primeiro, composto por seis voluntários, realizou o treino tensional, onde os indivíduos executaram duas séries com 10 repetições e dois minutos de intervalo entre as séries e entre os exercícios. O segundo grupo, também composto por seis voluntários, realizou o treino metabólico, onde os indivíduos executaram duas séries com 20 repetições e um minuto de intervalo entre as séries e entre os exercícios. Foram coletadas medidas da pressão arterial antes da realização dos exercícios e imediatamente após o término das sessões. Após essa medida, os indivíduos foram recomendados a permanecerem em repouso para registros da pressão arterial em intervalos de 5, 10, 30, e 60 minutos. No presente estudo não foram observadas diferenças significativas entre as pressões arteriais sistólica e diastólica de repouso e pós-exercício em nenhum dos protocolos analisados. Também não ocorreram diferenças significativas entre os protocolos. Entretanto, notou-se uma leve diminuição da pressão arterial sistólica em ambos os métodos de treinamento. Percebemos na literatura uma grande variação de protocolos de treinamento, dificultando as comparações. Desse modo, são necessários mais estudos relacionando as respostas pressóricas ao exercício resistido, de modo a tornar essa modalidade uma opção na prevenção da hipertensão, melhorando a qualidade de vida dos portadores dessa doença crônica e reduzindo, assim, os gastos com saúde pública.

Author Biography

Michelle Abadia Cirilo, Universidade Estadual de Goiás

Graduada em Biologia e em Educação Física, especialista em Fisiologia do Exercício, mestranda em Ensino de Ciências.

References

ALMEIDA, N. D. A saúde no Brasil, impasses e desafios enfrentados pelo Sistema Único de Saúde – SUS. Revista Psicologia e Saúde, v. 5, n. 1, jan./jun. 2013.

ANDRADE, J. P. (coord.); NOBRE, F. et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensão e Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq. Bras. Cardiologia; ano 95, n. 1, supl.1, p. 1-51, 2010.

BARBOSA S. R., TOLEDO J. G., MANSUR H. N. Resposta aguda da pressão arterial em indivíduos normotensos em diferentes intensidades do exercício resistido puramente excêntrico. Biomotriz, v. 6, n. 2, 2012.

BORG G. A. V., NOBLE B. J. Perceived exertion. In: Wilmore J. H. Exercise and Sport Sciences Reviews, vol. 2, p. 131-53, New York, 1974.

BRASIL. Ministério da Saúde. Banco de Dados do Sistema Único de Saúde. Brasília. Acessado em www.portal.saude.gov.br, 2011.

CARDOZO D. C., DIAS M. R. Resposta da pressão arterial em diferentes intensidades de exercício resistido uni e multiarticular. Rev. Bras. de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.6, n.31, p.10-17. Jan/Fev. 2012.

CARNEIRO G., FARIA A. N., RIBEIRO FILHO F. F., GUIMARÃES A., LERÁRIO D., FERREIRA S. R. G., ZANELLA M. T. Influência da distribuição da gordura corporal sobre a prevalência de hipertensão arterial e outros fatores de risco cardiovascular em indivíduos obesos. Rev Assoc Med Bras., São Paulo, v. 49, n. 3, p. 306-11, 2003.

GENTIL, P. Bases fisiológicas do treinamento de hipertrofia. 2. ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2006.

GRESSLER, L. A. Introdução à pesquisa: projetos e relatórios. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2004.

JARDIM, P. C. B. V., GONDIM, M. R. P., MONEGO, E. T., MOREIRA, H. G., VITORINO, P. V. O. WEIMAR, SOUZA, K. S. B., SCALA, L. C. N. Hipertensão Arterial e Alguns Fatores de Risco em uma Capital Brasileira. Arq. Bras. Cardiologia. v. 88, n. 4, p. 452-457, 2007.

LIZARDO, J. H. F. E SIMÕES, H. G. Efeitos do Exercício Resistido na Hipotensão Pós-exercício. Rev. Bras. Fisioterapia, vol. 9, n. 3, p. 289-295, 2005.

MAIOR A. S., ALVES JÚNIOR C. L., FERRAZ F. M., MENEZES M., CARVALHEIRA S., SIMÃO S. Efeito hipotensivo dos exercícios resistidos realizados em diferentes intervalos de recuperação. Revista da SOCERJ, v. 20, n. 1, jan/fev, 2007.

MEDIANO M. F. F. PARAVIDINO V., SIMÃO R., PONTES F. L., POLITO M. D. Comportamento subagudo da pressão arterial após o treinamento de força em hipertensos controlados. Rev. Bras. Med. Esporte, v. 11, p. 337-40, 2005.

MEIRELLES, R. C., NEVES-PINTO R. M., POTSCH, A. A. Antonio Maria Valsalva-Perfil Biográfico de um Pioneiro da Otologia. Arq. Int. Otorrinolaringologia. São Paulo, v.12, n.2, p. 274-279, 2008.

MOTTA, V. T.; OLIVEIRA FILHO, P. F. SPSS: Análise de dados biomédicos. 1a ed. Rio de Janeiro: Editora Medbook, 2009.

POLITO, M. D., FARINATTI, P. T. V. Considerações sobre a medida da pressão arterial em exercícios contra-resistência. Rev. Bras. Med. Esporte, v. 9, n. 1, 2003.

POLITO, M.D., SIMÃO, R., SENNA, G.W., FARINATTI, P.T.V. Hypotensive effects of resistance exercises performed at different intensities and same work volumes. Rev. Bras. Medicina do Esporte, v. 9, p. 74-77, 2003.

POWERS, S. K., HOWLEY, E. T. Fisiologia do Exercício: Teoria e Aplicação ao Condicionamento e ao Desempenho. 3. ed. São Paulo: Manole, 2000.

ROMERO, F.G.; CAPERUTO, E.C.; COSTA ROSA, L.F.B.P. Efeitos de diferentes métodos de exercícios resistidos sobre o comportamento hemodinâmico. Rev. bras. Ciência e Movimento, v. 13, n. 2, p. 7-15, 2005.

RONDON, M. U. P. B., LATERZA M. C., ZAMO-ROTH F. S., KRIEGER E. M. Hipertensão arterial e exercício físico. In Negrão C. E. Barreto A. C. P. Cardiologia do Exercício: do atleta ao cardiopata. 3. Ed. Barueri - SP: Manole, p. 450-69, 2010.

SANTOS E. M. R., DIAS I. B. F., SANTOS M., GOLDONI M., NOVAES J., SIMÃO R. Comportamento agudo da pressão arterial após exercícios resistidos para pequenos e grandes grupamentos musculares. Arquivos em Movimento, Rio de Janeiro, v.3, n.1, Jan/ Jun, 2007.

SANTOS, E.M.R.; SIMÃO, R. Comportamento da pressão arterial após uma sessão de exercícios resistidos. Fitness & Performance Journal, v. 4, p. 227-31, 2005.

SIXT, S. Opções terapêuticas atuais para diabetes mellitus tipo 2 e doença arterial coronariana: prevenção secundária intensiva focada no treinamento físico versus revascularização percutânia ou cirúrgica. Rev. Bras. Medicina do Esporte, v. 10, n.3, p. 220-223, 2004.

VELOSO J., POLITO M. D., RIERA T., CELES R., VIDAL J. C., BOTTARO M. Efeitos do Intervalo de Recuperação entre as Séries sobre a Pressão Arterial após Exercícios Resistidos. Arq.Bras. Cardiologia, vol. 94, n. 4, p. 512-8, 2010.

Published

2018-03-18

How to Cite

Cirilo, M. A. (2018). COMPORTAMENTO AGUDO DA PRESSÃO ARTERIAL EM INDIVÍDUOS NORMOTENSOS APÓS UMA SESSÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Multi-Science Journal (ISSN 2359-6902), 1(5), 03-07. https://doi.org/10.33837/msj.v1i5.88

Issue

Section

Technical Communications