ÓXIDO NÍTRICO: UMA BREVE REVISÃO SOBRE ASPECTOS HISTÓRICOS, ESTRUTURA QUÍMICA E ALGUMAS APLICAÇÕES RELEVANTES PARA O CORPO HUMANO

Lidiane Novaes Tomazini, Whystney Houston Novais de Andrade, Leandro Nériton Cândido Máximo

Resumo


O óxido nítrico (NO) é um radical livre, gasoso e incolor, que durante muitos anos foi conhecido apenas pela sua capacidade de contaminação ambiental e pelo potencial caráter carcinogênico. Após a descoberta de sua síntese pelo próprio organismo nas células endoteliais, as concepções a seu respeito mudaram radicalmente e atualmente, sabe-se que o NO é protagonista em diversos processos essenciais para o corpo humano, tais como vasodilatação, neurotransmissão e processos inflamatórios. Sua possível capacidade de promover a morte de células cancerígenas também tem sido bastante investigada. Com relação à sua estrutura química, a presença de um elétron desemparelhado confere alta reatividade, sobretudo com alguns metais de transição, possibilitando a formação de compostos de coordenação altamente estáveis quimicamente e que podem ser utilizados para controlar os níveis de NO no organismo humano. Nesse contexto, o objetivo desse trabalho é fazer uma revisão de literatura sobre os principais aspectos históricos envolvendo o óxido nítrico, bem como discutir um pouco da estrutura química e das aplicações biológicas dessa importante molécula. Fica evidenciado que em função da versatilidade química, o NO e os compostos liberadores ou sequestradores de NO apresentam promissoras aplicações no meio biológico, justificando os diversos estudos que têm sido realizados nos últimos 40 anos.

Palavras-chave


Óxido nítrico sintase; Vasodilatação; Compostos de Coordenação; Química Bioinorgânica.

Texto completo:

PDF

Referências


Aires, M. A. M., Guedes, V. R. (2018). Novas terapias com alvo-molecular para o câncer de pulmão de não-pequenas células. Revista de Patologia do Tocantins, 5(1), 65-69.

Barreto, R. L., Correia, C. R., Muscará, M. N. (2005). Óxido nítrico: propriedades e potenciais usos terapêuticos. Química Nova, 28(6), 1046-1054

Bartberger, M. D. et al. (2002). The reduction potential of nitric oxide (NO) and its importance to NO biochemistry. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 99(17), 10958-10963.

Bertolini, W. L. H. M. (2004). Complexos de rutênio com nitrosil como agentes doadores de óxido nítrico. Aspectos químicos e físico-químicos de suas aplicações como agentes terapêuticos. (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo, Brasil.

Bonavida, B., Khineche, S., Huerta-Yepez, S., Garban, H. (2006). Therapeutic potential of nitric oxide in cancer. Drug resistance updates, 9(3), 157-173.

Butler, A. R. (1995). The biological roles of nitric oxide. Chemistry & Industry, 26, 828-830.

Cançado, J. E. D. et al. (2006). Repercussões clínicas da exposição à poluição atmosférica. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 32, 5-11.

Dias, L. C., Dessoy, M. A. (2009). Quimioterapia da doença de Chagas: estado da arte e perspectivas no desenvolvimento de novos fármacos. Química Nova, 32(9), 2444 2457.

Dias, R. G., Negrão, C. E., Krieger, M. H. (2011). Óxido nítrico y sistema cardiovascular: activación celular, reactividad vascular y variante genética. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, 1, 68-75.

Dusse, L. M. S., Vieira, L. M., Carvalho, M. G. (2003). Revisão sobre óxido nítrico. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, 39(4), 343-350.

Enemark, J. H., Feltham, R. D. (1974). Principles of structure, bonding, and reactivity for metal nitrosyl complexes. Coordination Chemistry Reviews, 13, 339-406.

Feldman, P. L., Griffith, O. W., Stuehr, D. J. (1993). The surprising life of nitric oxide. Chemistry & Industry, 20, 26-33.

Felizzola, L. R., Sobrinho, J. R. R., Zorn, W. G. W., Bellen, B. V. (1996). O papel do endotélio vascular na fisiologia circulatória. Cirurgia Vascular e Angiologia, 12, 129 136.

Fontes, A. P. S., César, E. T., Beraldo, H. (2005). A química inorgânica na terapia do câncer. Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola, 6, 13-18.

Förstermann, U. (2006). Janes-faced role of endothelial NO synthase in vascular disease: uncoupling of oxygen reduction from NO synthesis and its pharmacological reversal. Biological Chemistry, 387(12), 1521-1533.

Furchgott, R. F. (1999). Endothelium-Derived Relaxing factor: discovery, early studies, and identification as Nitric Oxide. Angewandte Chemie, 38, 1870-1880.

Furchgott, R. F., Zawadzki, J.V. (1980). The obligatory role of endothelial-cells in the relaxation of arterial smooth-muscle by acetylcholine. Nature, 288(5789), 373-376.

Green, L. C. et al. (1981). Nitrate biosynthesis in man. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 78, 7764-7768.

Hanemann, F. D. M. (2010). Carbonato de lítio. Revista da Graduação da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 3(1), 1-37.

Heinrich, T. A. (2013). Aspectos químicos, fotoquímicos e fotobiológicos de complexo rutênio-nitrosilo como precursor de óxido nítrico. Princípios de aplicação como agente citotóxico em linhagens de células tumorais. (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo, Brasil.

Ignarro, L. J. (1989). Endothelium-derived nitric oxide: actions and properties. Faseb Journal, 3, 31-36.

Ignarro, L. J. (1999). Nitric Oxide: A unique endogenous signalong molecule in vascular biology. Angewandte Chemie, 38, 1882-1892.

Ignarro, L. J. (2000). Nitric Oxide: biology and photobiology (1ª ed), Academic Press.

Ignarro, L. J. et al. (2001). Role of the arginine-nitric oxide pathway in the regulation of vascular smooth muscle cell proliferation. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 98(7), 4202-4208.

Ignarro, L. J., Buga, G. M., Wood, K. S., Byrns, R. E., Chaudhuri, G. (1987). Endothelium-derived relaxing factor produced and released from artery and vein is nitric oxide. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 84, 9265 - 9269.

King, P.A., Jamison, F., Strahs, D., Anderson, V. F., Brenowitz, M. (1993). “Footprinting” proteins on DNA with peroxonitrous acid. Nucleic Acids Research, 21(10), 2473-78.

Koshland, D. E. (1992). The molecule of the year. Science, 258, 1861.

Lala, P. K., Chakraborty, C. (2001). Role of nitric oxide in carcinogenesis and tumour progression. The Lancet Oncology, 2(3), 149-156.

Marchesi, M. S. P. (2008). Aspectos químicos e fotoquímicos de liberação controlada de óxido nítrico a partir de complexos nitrosilos de rutênio: ensaios farmacológicos e de citotoxicidade. (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo, Brasil.

Mccleverty, J. A. (1979). Reactions of nitric oxide coordinated to transitions metals. Chemical Reviews, 79, 53-76.

Moncada, S. M., Higgs, A., Furchgott, R. (1997). XIV International union of pharmacology nomenclature in nitric oxide research. Pharmacology Review, 49(37), 137-142.

Moncada, S., Palmer, R. M. J., Higgs, E. A. (1991). Nitric oxide: physiology, pathophysiology and pharmacology. Pharmacology Review, 43, 109-142.

Murad, F. (1999). Discovery of some of the biological effects of Nitric Oxide and its role in cell signalling. Angewandte Chemie, 38, 1856-1868.

Oliveira, A. M. (2009). Síntese, caracterização e estudo de reatividade dos complexos cis[Ru(bpy)2(TU)(H2O)](PF6)2 e cis-[Ru(bpy)2(TU)(NO)](PF6)3. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Ceará, Brasil.

Palmer, R. M. J. (1993). The discovery of nitric oxide in the vessel wall. A unifying concept in the pathogenesis of sepsis. Archives of Surgery, 128, 396-401.

Paula, W. X. P., Sinisterra, R. D., Santos, R. A. S., Beraldo, H. A. (2005). A química inorgânica no planejamento de fármacos usados no controle da hipertensão. Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola, n. 06, 19-23.

Pereira, J. P. P., Gomes, J. S. (2017). Um estudo das estratégias de internacionalização das indústrias farmacêuticas brasileiras. Revista Contabilidade e Organizações, 29, 69-79.

Queiroz, S. L., Batista, A. A. (1999). Funções biológicas do óxido nítrico. Química Nova, 22(4), 584-590.

Richter-Addo, G. B., Legzdins, P. (1992). Metal Nitrosyls. Nova Iorque: Oxford, University Press.

Romão, P. R. T., Dias, R. O., Cruz, K. K., Marques, F. C. S., Monteiro, M. C. (2007). Leishmaniose: resposta imune e mecanismos antioxidantes de escape. Revista de Pesquisa e Extensão em Saúde, 3(1), 1-10.

Roncaroli, F., Videla, M., Slep, L. D., Olabe, J. A. (2007). New features in the redox coordination chemistry of metal nitrosyls {M-NO+; M-NO center dot; M-NO- (HNO)}. Coordination Chemistry Reviews, 251, 1903-1930.

Santiago, C. M., Fernandes, C. H., Nogueira, M. S., Veiga, E. V., Cárnio, E. C. (2000). Utilização de óxido nítrico como terapêutica: implicações para a enfermagem. Revista Latino Americana de Enfermagem, 8(6), 76-82.

Silva, C. A. F. M. (2016). Nanotecnologia em Drug Delivery Systems e a sua aplicação em terapêuticas anti-cancerígenas. (Dissertação de Mestrado) - Universidade de Coimbra, Portugal.

Silva, R. S., Lima, R. G., Machado, S. P. (2015). Design, reactivity, and biological activity of ruthenium nitrosyl complexes. Advances in Inorganic Chemistry, 27, 265 294.

Snyder, S. H., Bredt, D. S. (1992). Biological roles of nitric oxide. Scientific American, 266, 28-35.

Souza Júnior, T. P. (2012). Óxido Nítrico e exercício: uma revisão. Revista de Educação Física da Universidade Estadual de Maringá, 23(3), 469-481.

Tfouni, E. et al. (2012). Biological activity of ruthenium nitrosyl complexes. Nitric Oxide, 26, 38-53.

Vilhena, F. S. D. S. (2006). Mecanismos de nitrosilação de ferro-porfirinas por SNAP: cinética de reação e estabilidade em ambiente aeróbico. (Dissertação de mestrado). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Brasil.

Web of science. (2018). Disponível em: ˂http://apps.webofknowledge.com/RAMore.do? product=WOS&search_mode=GeneralSearch&SID=4EjZ6gKk66dSm2fxbRW&qid=16&ra_mode=more&ra_name=PublicationYear&colName=WOS&viewType=raMor˃ Acesso em: 10/09/2018.

Wink, D. A., Grisham, M. B., Mitchell, J. B., Ford, P. C. (1996). Direct and indirect effects of nitric oxide in chemical reactions relevant to biology. Methods in enzymology, 268, 12-31.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v2i2.941

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




Direitos autorais 2019 Lidiane Novaes Tomazini, Whystney Houston Novais de Andrade, Leandro Nériton Cândido Máximo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Indexada nas seguintes bases:

 

          

Uma publicação da Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação do IFGoiano - Câmpus Urutaí

 

  

 Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.