As Funções Pedagógicas da Experimentação no Ensino de Química

Nicéa Quintino Amauro, Paulo Vitor Teodoro de Souza, Rafael Cava Mori

Resumo


Este trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa que busca investigar o papel da linguagem, como mediação docente, para a aquisição de conhecimentos científicos e a função do experimento no ensino de Ciências. A pesquisa foi iniciada em uma disciplina para formação de professores de Química. No início, o docente inseriu os licenciandos em reflexões sobre a experimentação no ensino de química para fundamentar as discussões e futuras ações na disciplina. Posteriormente, o professor sugeriu aos alunos uma proposta em que eles planejassem e executassem aulas experimentais, baseada nos três aspectos fundamentais de uma atividade experimental, na concepção de Hodson (1985). Os alunos atenderam às expectativas no que se refere a proposta e execução das atividades experimentais e, embora tivemos a execução de aulas simuladas, percebemos que em alguns momentos houve uma aproximação com a realidade do ensino médio, principalmente no embate de ideias entre aluno-aluno e aluno-professor sobre a exploração de conceitos químicos. 


Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. (2010). Análise de conteúdo (4ª ed.) Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70.

FLORES, J., SAHELICES, M. C. C., & MOREIRA, M. A. (2009). El laboratorio en la enseñanza de las ciencias: una visión integral en este complejo ambiente de aprendizaje. Revista de Investigación, Caracas, 33(68), 75-111.

FRANCO, M. L P. B. (2005). Análise de conteúdo (2ª ed.) Brasília: Liberlivro.

GALIAZZI, M. C., et al (2001). Objetivos das atividades experimentais no ensino médio: a pesquisa coletiva como modo de formação de professores de ciências. Ciência & Educação, Bauru, 7(2), 249-263.

HODSON, D. (1992). Assessment of practical work: some considerations in philosophy of science. Science & Education, Dordrecht, 1(2), 115-144.

______. (1985). Philosophy of science, science and science education. Studies in Science Education, Leeds, v. 12, 25-57.

LÔBO, S. F. (2012). O trabalho experimental no ensino de química. Química Nova, São Paulo, 35(2), 430-434.

LOPES, J. B. (2004). Aprender e ensinar Física. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkien.

LOPES, J. B., et al. (2010). A. Investigação sobre a mediação de professores de ciências físicas em sala de aula. Vila Real: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

SILVA, L. H. A., & ZANON, L. B. A. (2000). Experimentação no ensino de Ciências. In: SCHNETZLER, R. P.; ARAGÃO, R. M. R. (Org.). Ensino de ciências: fundamentos e abordagens (pp. 120-153). Piracicaba: Unimep/Capes.

VILLANI, C. E. P., & NASCIMENTO, S. S. (2003). A argumentação e o ensino de ciências: uma atividade experimental no laboratório didático de física no ensino médio. Investigações em ensino de Ciências, Porto Alegre, 8(3), 187-209.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v1i3.95

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Nicéa Quintino Amauro, Paulo Vitor Teodoro de Souza, Rafael Cava Mori

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Indexada nas seguintes bases:

 

          

Uma publicação da Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação do IFGoiano - Câmpus Urutaí

 

  

 Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.