Composição e estrutura de uma assembleia de aves em uma mata calcária de Israelândia, estado de Goiás

Erika Cristina Soares Valadão, Márcia Pamela de Paula Carvalho, Alexandre Gabriel Franchin, Daniel Blamires

Resumo


Este estudo analisou a composição e estrutura trófica da avifauna em um remanescente de mata calcária em Israelândia, no Cerrado goiano, com doze visitas mensais entre Agosto de 2016 a Julho de 2017, com o método das listas de Mackinnon. Noventa e seis espécies foram registradas. Aratinga auricapillus, espécie quase ameaçada de extinção (NT), foi documentada na área. A riqueza estimada de Jackknife1=119,92 e a curva de acumulação assintótica demonstram que os dados foram satisfatoriamente obtidos. Uma assimetria positiva e significativa (G1=1,81; Lilliefors p<0,01) foi observada para a distribuição da abundância relativa, um resultado esperado para esta variável. A maioria das espécies foi classificada como rara e pouco comum. A inspeção das categorias tróficas demonstrou um predomínio de indivíduos onívoros e insetívoros, devido provavelmente ao forte efeito da sazonalidade na vegetação. Predominaram espécies de sensitividade baixa e média a distúrbios ambientais, como esperado para aves de florestas secas: mais generalistas de habitat e tolerantes a distúrbios. Estudos futuros, com registros de espécies noturnas e a correlação entre a riqueza e abundância obtidas com variáveis ambientais certamente ampliarão o conhecimento avifaunístico tanto para Israelândia quanto todo o Cerrado.


Palavras-chave


Brasil Central; Conservação; Conectividade; Estimador de Jackknife1; Ornitologia

Texto completo:

PDF

Referências


Aleixo, A. & Vielliard, J. M. E. (1995). Composição e dinâmica da avifauna da Mata de Santa Genebra, Campinas, São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, 12(3), 493-511.

Araújo, N. P., Mota, E. E. S., Ferreira, A. A. & Cunha, H. F. (2016). Padrão de distribuição espacial e temporal da comunidade de Aves e da fauna de solo em campo rupestre do Parque Estadual da Serra Dourada, Goiás. Ornithologia, 9(2), 98-109.

Ayres, M., Ayres Júnior, M., Ayres, D. L. & Santos, A. A. (2007). Bioestat 5.3.: aplicações estatísticas nas áreas de ciências bio-médicas. Disponível em: . Acesso em: 01/03/ 2017.

Bibby, C. J., Burguess, N. D., Hill, D. A. & Mustoe, S. H. (2000). Bird Census Techniques, 2 Ed. London: Academic Press.

BirdlifeInternational. (2018). Disponível em: . Acesso em: 29/05/1018.

Blamires, D., Valgas, A. B. & Bispo, P. C. (2001). Estrutura da comunidade de aves da Fazenda Bonsucesso, município de Caldazinha, Goiás, Brasil. Tangara, 1(3), 101-113.

Blamires, D., Diniz-Filho, J. A. F., Sant‘Anna C. E. R. & Valgas, A. B. (2002). Relação entre abundância e tamanho do corpo em uma comunidade de aves no Brasil Central. Ararajuba, 10(3), 1-14.

Blamires, D., Oliveira-Neto, J. J., Ponciano, J. G & Rosa, E. G. (2012). Aves do Clube Recreativo de Iporá, Estado de Goiás, Brasil. Revista Brasileira de Zoociências, 14(1,2,3), 57-70.

Brown, J. H. (1995). Macroecology. Chicago: The University of Chicago Press.

Brummelhaus, J., Weber, J. & Petry, M. V. (2012). A influência da fragmentação florestal da mata ciliar sobre a avifauna na Bacia Hidrográfica do Rio Caí, Rio Grande do Sul. Neotropical Biology and Conservation, 7(1), 57-66.

Ceballos, G. (1995). Vertebrate diversity, ecology, and conservation in neotropical dry forests. In: S. Bullock, E. Medina & H. Mooney (Eds), Seasonally Dry Tropical Forest (pp.195-220). Cambridge: Cambridge University Press.

Colwell, R. K., Mao, C. X. & Chang, J. (2004). Interpolating, extrapolating, and comparing incidence-based species accumulation curves. Ecology, 85, 2717-2727.

Colwell , R. K. (2013). EstimateS - Statistical estimation of species richness and shared species from samples, Version 9.1.0. Disponível em: . Acesso em: 01/05/2017.

Curcino, A., Sant’Anna, C. E. R. & Heming, N. M. (2007). Comparação de três comunidades de aves na região de Niquelândia, GO. Revista Brasileira de Ornitologia, 15(4), 574-584.

D’Angelo-Neto, S., Vasconcelos, M. F. (2003). Novo registro estende a distribuição conhecida de Arremon franciscanus (Passeriformes: Emberizidae) ao sul. Ararajuba, 11(2), 215.

Dario, F. R. (2008). Estrutura trófica da avifauna em fragmentos florestais na Amazônia Oriental. ConSciaentiae Saúde, 7(2), 169-179.

Dornelas, A. A. F., Paula, D. C., Santo, M. M. E., Sánchez-Azofeifa, G. A. & Leite, L. O. (2012). Avifauna do Parque Estadual da Mata Seca, norte de Minas Gerais. Revista Brasileira de Ornitologia, 20(3), 378-391.

Favretto, M. A. (2015). Estrutura da avifauna em fragmento florestal no norte do Rio Grande do Sul, Brasil. Neotropical Biology and Conservation, (10) 3, 132-142.

Fernandes, F. A. A., Silva, J. G. & Blamires, D. (2015). Avifauna da Chácara Nova Jerusalém em Iporá, Estado de Goiás. Brazilian Geographical Journal, 1, 181-192.

Fuscaldi, R. G. & Loures-Ribeiro, A. (2008). A avifauna de uma área urbana do município de Ipatinga, Minas Gerais, Brasil. Biotemas, 21(3), 125-133.

Galina, A. B., Gimenes, M. R. (2006). Riqueza, composição e distribuição espacial da comunidade de aves em um fragmento florestal urbano em Maringá, Norte do Estado do Paraná, Brasil. Acta Scientiarum Biological Sciences, 28(4), 379-388.

Google Earth. US dept of State Geographer. Disponível em: Acesso em: 01/03/2018.

Guzzi, A. & Favretto, M. A. (2014). Composição da avifauna de um remanescente florestal nas margens do Rio Chapecozinho, Santa Catarina, Brasil. Neotropical Biology and Conservation, 9(3), 134-146.

Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Tudor, G. & Argel, M. M. (2010). Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Editora Horizonte.

Janisová, M., Mucina, L., Silva Júnior, M. C., Durigan, G., Sabino, G. P., Paruelo, J., Acosta, A. T. R., Hédl, R., Peet, R. K. & Guarino, R. (2016). Cerrado, Caatinga, Gran Chaco and Mata Atlântica: South American flagships of biodiversity. IAVS Bulletin, 4, 8-35.

Janzen, D. (1998). Florestas tropicais secas: o mais ameaçado dos grandes ecossistemas tropicais. In E. O. Wilson, F. M. Peter (Eds), Biodiversidade (pp. 166-176). Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira.

Junniper, T. & Parr, M. (1998). Parrots: a guide to the birds of the world. New Haven: Yale University Press.

Hammer, Ø, Harper, D. A. T. & Ryan, P. D. (2018). PAST - version 3.19. Disponível em: Acesso em: 24/10/18.

Herzog, S. K., Kessler, M. & Cahill, T. M. (2002).Estimating species richness of tropical bird communities from rapid assessment data. The Auk, 119(3), 749-769.

Hortal, J., Borges, P. A. V. & Gaspar, C. (2006). Evaluating the performance of species richness estimators: sensitivity to sample grain size. Journal of Animal Ecology, 75, 274-287.

Kirwan, G. M., Barnett, J. M. & Minns, J. (2001). Significant ornithological observations from the Rio São Francisco Valley, Minas Gerais, Brazil, with notes on conservation and biogeography. Ararajuba, 9(2), 145-161.

Kirwan, G. M., Barnett, J. M., Vasconcelos, M. F., Raposo, M. A., D’Angelo-Neto, S. & Roesler, I. (2004).Further comments on the avifauna of the middle São Francisco Valley, Minas Gerais, Brazil. Bulletin of the British Ornithologist’s Club, 124(3), 207-220.

Laranjeiras, T. O., Moura, N. G., Vieira, L. C. G., Angelini, R. & Carvalho, A. R. (2012). Bird communities in different phytophysyognomies in the Cerrado biome. Studies of neotropical fauna and environment, 1(1), 1-11.

Leite, L. O., Borges, M. A. Z., Lima, C. A., Gonçalves, R. M. M. & Siqueira, P. R. (2008). Variação espaço-temporal do uso de recursos pela avifauna do Parque Estadual Mata Seca. In C. M. C. Valle (Ed), Parque Estadual da Mata Seca: ecologia, ocupação humana do entorno e conservação (pp. 54-60). Belo Horizonte: Instituto Estadual de Floresta.

Linares-Palomino, R., Oliveira-Filho, A. T. & Pennington, R. T. (2011). Neotropical Seasonally Dry Forests: Diversity, Endemism, and Biogeography of Woody Plants. In R Dizo, H. S. Young, H. A. Mooney & G. Ceballos (Eds), Seasonally Dry Tropical Forests: Ecology and Conservation (pp. 3-21). Washington: Island Press.

Lopes, L. E., Maldonado-Coelho, M., Hoffman, D., Luiz, E. R., D’Angelo-Neto, S. (2008). Geographic distribution, habitat association, and conservation status of the Critically Endangered Minas Gerais Tyrannulet Phylloscartes roquetei. Bird Conservation International, 8, 53-62.

Machado, C. G. (1999). A composição de bandos mistos de aves na Mata Atlântica da Serra de Paranapiacaba, no Sudeste brasileiro. Revista Brasileira de Biologia, 59(1), 75-85.

Magalhães, I. B., Martins, R. H. S. & Blamires, D. (2018). Assembléias de aves em áreas antropizadas na fazenda escola do Instituto Federal Goiano em Iporá, Brasil. Ornithologia, 10(1), 17-29.

Miles, L., Newton, A. C., Defries, R. S., Ravilious, C., May, I., Blyth, S., Kapos, V. & Gordon, J. E. (2006). A global overview of the conservation status of tropical dry forests. Journal of Biogeography, 33, 491-505.

Motta-Júnior, J. C. (1990). Estrutura trófica e composição das avifaunas de três hábitats terrestres na região central do estado de São Paulo. Ararajuba, 1, 65-71.

Moura, N. G., Laranjeiras, T. O., Carvalho, A. R. & Sant’Ana, C. E. R. (2005). Composição e diversidade da avifauna em duas áreas de Cerrado dentro do campus da Universidade Estadual de Goiás – Anápolis. Revista Saúde e Ambiente, 6, 34-39.

Nascimento, J. L. X. (2000). Estudo comparativo da avifauna em duas Estações Ecológicas da caatinga: Aiuaba e Seridó. Melopsittacus, 3, 12-35.

Nunes, C. E. C. & Machado, C. G. (2012). Avifauna de duas área de caatinga em diferentes estados de conservação no Raso da Catarina, Bahia, Brasil. Revista Brasileira de Ornitologia, 20(3), 215-229.

Oliveira-Fiho, A. T. & Ratter, J. A. (2002). Vegetation physiognomies and woody flora of the Cerrado Biome. In P. S Oliveira & R. J. Marquis (Eds), The Cerrados of Brazil: ecology and natural history of a neotropical savanna (pp. 91-120). New York: Columbia University Press.

Oliveira, J. B. & Blamires, D. (2013). Aves do Campus do Instituto Federal de Educação em Iporá, Estado de Goiás. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina 34(1), 45-54.

Parker III, T. A., Stotz, D. F. & Fitzpatrick, J. W. Ecological and distributional databases. In D. F. Stotz. J. W. Fitzpatrick, T. A. Parker & D. K. Moskovits (Eds), Neotropical birds and ecological conservation (pp. 113-436). Chicago: University of Chicago Press.

Pereira, J. A. & Valle, N. C. (2016). Avifauna da região leste do município de Aparecida de Goiânia-GO. Atualidades ornitológicas, 190, 10-15.

Piacentini, V. Q., Aleixo, A., Agne, C. E., Maurício, G. N., Pacheco, J. F., Bravo, G. A., Brito, G. R. R., Naka, L. K., Olmos, F., Posso, S., Silveira, L. F., Betini, G. S., Carrano, E., Franz, I., Lees, A. C., Lima, L. M., Pioli, D., Schunk, F., Amaral, F. R., Bencke, G. A., Cohn-Haft, M., Figueiredo, L. F. A., Straube, F. & Cesari, E. (2015). Annotated checklist of the Birds of Brazil by the Brazilian Ornithological Records Commitee/Lista comentada das aves do Brasil pelo Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos. Revista Brasileira de Ornitologia, 23(2), 91-298.

Ponço, J. V., Tavares, P. R. A. & Gimenes, M. R. (2013). Riqueza, composição, sazonalidade e distribuição espacial de aves na área urbana de Ivinhema, Mato Grosso do Sul. Atualidades Ornitológicas, 17, 60-67.

Pozza, D. D. & Pires, J. S. R. (2003). Bird communities in two fragments semideciduous forest in rural São Paulo state. Brazilian Journal of Biology, 63(2), 307-319.

Prado, D. E. (2000). Seasonally dry forests of tropical South America: from forgotten ecosystems to a new phytogeographic unit. Edinburg Journal of Botany, 57(3), 437-461.

Ribon, R. (2010). Amostragem de aves pelo método de listas de Mackinnon. In S. Von Matter,, F. C. Straube, I. Accordi, , V. Piacetinni & J. F. Cândido-Júnior, (Eds), Ornitologia e Conservação: ciência aplicada, técnicas de pesquisa e levantamento (pp. 33-44). Rio de Janeiro:Technical Books.

Sick, H. (1997). Ornitologia brasileira, (2ª ed.) Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira.

Sigrist, T. (2014). Guia de campo avis brasilis: Avifauna Brasileira. São Paulo: Avis Brasilis.

Silva, J. M. C. (1995). Birds of the Cerrado region, South America. Steenstrupia, 21, 69-92.

Silva, F. D. S. & Blamires, D. (2007). Avifauna urbana no Lago Pôr do Sol, Iporá, Goiás, Brasil. Lundiana, 8, 17-26.

Silva, C. F. C., Souza, A. A. B., Blamires, D. (2013). Aves do Campus da Universidade Estadual de Goiás, município de Iporá, Brasil. Brazilian Geographical Journal, 4, 1-11.

Smith, T. A., Osmond, D. L., Moorman, C. E., Stucky, J. M. & Gilliam, J. W. (2008). Effect of vegetation management on Bird Habitat Riparian Buffer Zones. Southeastern Naturalist, 7(2), 277-288.

Souza, M. F., & Blamires, D. (2017). Comunidade de aves em áreas antropizadas da Fazenda Macaco no município de Iporá/GO. In F. R. Santos (Ed), Capitalismo, degradação ambiental e sustentabilidade: diversidades e adversidades contemporâneas no estado de Goiás (pp. 161-180). Curitiba: Appris.

Stotz, D. F., Fitzpatrick, J. W., Parker, T. A. & Moskovits, D. K. (1996). Neotropical Birds: Ecology and Conservation. Chicago: University of Chicago Press.

Teles, A. S., Blamires, D. & Reis, E. S. (2012). Comunidade de aves no clube recreativo da SANEAGO em Iporá, Estado de Goiás. Biotemas, 25, 196-204.

Telino-Junior, Dias, M. M., Azevedo Júnior, S. M., Lyra-Neves, R. M., & Larrazábal, M. E. L. (2005). Estrutura trófica da avifauna na Reserva Estadual de Gurjaú, Zona da Mata Sul, Pernambuco, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, 22(4), 962-973.

Tokeshi, M. (1993). Species abundance patterns and community structure. Advances in Ecological Research, 24, 111-186.

Willis, E. O. (1979). The composition of avian communities in remanescent woodlots in Southern Brazil. Papéis Avulsos de Zoologia, 33, 1-25.road-kill aggregations. Biological Conservation, 109(1), 15-26.

Conard, J.M., & Gipson, P.S. (2006). Spatial and seasonal variation in wildlife-vehicle collisions. The Prairie Naturalist, 38(4), 251-260.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v2i1.983

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo