FREQUÊNCIA DE ANTICORPOS ANTI-TOXOPLASMA GONDII EM GATOS ERRANTES (Felis catus domesticus) EM GOIÂNIA, GOIÁS, BRASIL

Hânstter Hallison Alves Rezende, Heloísa Ribeiro Storchilo, Juliana Boaventura Avelar, Murilo Barros Silveira, Marina Claire Vinaud, Ana Maria De Castro

Resumo


O gato doméstico (Felis catus domesticus) é um importante transmissor de agentes zoonóticos para o homem, em especial Toxoplasma gondii. O gato infectado é capaz de eliminar milhões de oocistos no meio ambiente, provocando uma contaminação maciça nestes locais, sendo considerado um problema de saúde pública. A toxoplasmose é uma doença com alta prevalência em todo o mundo, sendo o gato responsável pela perpetuação do parasito. O objetivo deste trabalho foi verificar a frequência de anticorpos IgG anti-T. gondii pelo teste de aglutinação modificado (MAT) em gatos errantes capturados pelo Centro de Controle de Zoonoses de Goiânia, Goiás no ano de 2016. Foram coletadas 50 amostras sanguínes de gatos e foi realizado o MAT. Ao analisar a frequência de anticorpos 64% (32/50) eram soropositivos e 36% (18/50) soronegativos. Com isso ressaltamos a importância do gato doméstico na epidemiologia da toxoplasmose, por ser o perpetuador do parasito no meio ambiente. A frequência de anticorpos anti-T. gondii em gatos errantes ainda não havia sido determinada no estado de Goiás, esses resultados contribuem com a literatura para analisar a distribuição do parasito e favorecer estudos da epidemiologia da doença.

Palavras-chave


Gatos; Sorologia; Toxoplasma gondii; Toxoplasmose

Texto completo:

PDF

Referências


Barbaresco, A. A., Costa, T. L., Avelar, J. B., Rodrigues, I. M. X., Amaral, N. A., et al. (2014). Infecções de transmissão vertical em material abortivo e sangue com ênfase em Toxoplasmose gondii. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 36(1), 17-22.

Bollani, L., Stronati, M. (2014). I neonato com toxoplasmose congênita: clinica, terapia e follow-up. Journal of Pediatric and Neonatal Individualized Medicine, 3(1): e030104.

Braga, M. S. C. O., André, M. R., Jusi, M. M. G., Freschi, C. R.; Teixeira, M. C. A., et al. (2012). Ocorrence of anti-Toxoplasma gondii and anti-Neospora caninum antibodies in cats with outdoor acess in São Luís, Maranhão, Brasil. Revista Brasileira de Parasitologia Veterinária, 48(1), 107-111.

Brescinai, K. D. S., Galvão, A. L. B., Vasconcellos, A. L., Gonges, J.F., Santos, T. R., et al. (2013). Epidemiology and control of toxoplasmosis in cats. Toxoplasma gondii: Prevalence in Humans and Animals, Genetic Structure and Role in Disease Distribution. Nova Publishers, 23(1), 95-108.

Carellos, E. V. M., Caiaffa, W. T., Andrade, G. M. Q., Abreu, M. N. S., Januário, J. N. (2014). Congenital toxoplasmosis in the state of Minas Gerais, Brazil: a neglected infectious disease? Epidemiology & Infection, 142(3), 644-655.

Dalla-Rosa, L., Moura, A. B., Trevisani, N., Medeiros, A. P., Sartor, A. A., et al. (2010). Toxoplasma gondii antibodies on domiciled cats from Lages municipality, Santa Catarina State, Brazil. Revista Brasileira de Parasitologia Veterinária, 29(4), 268-269.

Desmonts, G., Remington, J. S. (1980). Direct agglutination test for diagnosis of Toxoplasma infection: method for increasing sensivity and especifity. Journal Clinical Micobiology, 11(1), 562-570.

Dubey, J. P. (2004). Toxoplasmosis - a waterborne zoonosis. Veterinary Parasitology, 126(1), 57-72.

Dubey, J. P., Lapping, M. R., Thulliez, P. (1995). Long term antibody responses of cat fed Toxoplasma gondii tissues cysts. Journal of Parasitology, 81(1), 887-993.

Ferreira, D. R. A., Ribeiro, V. O., Laroque, P. O., Wagner, P. G. C., Pinheiro-Júnior, J. W., et al. (2015). Risk factors associated with Toxoplasma gondii infection in captive Sapajus spp. American Journal Primatology, 77(5), 558-562.

Garcia, J. L., Innes, E. A., Katzer, F. (2014). Current progress toward vaccines against Toxoplasma gondii. Vaccine, 4(1), 23-37.

Lagoni, H., Silva, A. V., Cabral, K. G., Cunha, E. L. P., Cutolo, A. A. (2001). Prevalência de toxoplasmose em gatos dos estados de São Paulo e Paraná. Brazilian Journal of Veterinary Reseach and Animal Science, 38(5), 243-244.

Oliveira, C. S., Camillo, G., Cadore, C. G., Bagolin, N. C., Anjos, S. T. L., et al. (2014). Detecção de anticorpos anti-Toxoplasma gondii em felinos domésticos. Revista do Instituto Adolfo Lutz, 73(1), 131-133.

Pinto, L. D., Araújo, F. A. P., Stobbe, N. S., Marques, S. M. T. (2009). Soroepidemiologia de Toxoplasma gondii em gatos domiciliados atendidos em clínicas particulares de Porto Alegre, RS, Brasil. Ciência Rural, 39(8), 2464 2469.

Silva, R. C., Langoni, H. (2016). Risk factors and molecular typing of Toxoplasma gondii isolated from ostriches (Struthio camelus) from a Brazilian slaughterhouse. Veterinary Parasitology, 225(30), 73-80.

Shwab, E. K., Zhu, X. Q., Majumdar, D., Pena, H. F. J., Gennari, S. M., et al. (2014). Geographical patterns of Toxoplasma gondii genetic diversity revealed by multilocus PCR-RFLP genotyping. Parasitology, 141(4), 453-461.

Verma, R., Khanna, P. (2013). Development of Toxoplasma gondii vaccine: a global challenge. Human Vaccines & Immunotherapeutics, 9(2), 291-293.

Vitalino, S. N., Soares, H. S., Minervio, A. H. H., Santos, A. L. Q., Wether, K., et al. (2014). Genetic characterization of Toxoplasma gondii from Brazilian wildlife revealed abundant new genotypes. Internacional Journal for Parasitology, 3(3), 276-283.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v2i1.992

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




Direitos autorais 2019 Hânstter Hallison Alves Rezende, Heloísa Ribeiro Storchilo, Juliana Boaventura Avelar, Murilo Barros Silveira, Marina Claire Vinaud, Ana Maria De Castro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Indexada nas seguintes bases:

 

          

Uma publicação da Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação do IFGoiano - Câmpus Urutaí

 

  

 Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.