A barra do Governo Federal só poderá ser visualizada se o javascript estiver ativado. Ir direto para menu de acessibilidade.

Opções de acessibilidade

GTranslate

    pt    en    fr    es
Página inicial > Programa Cão-Guia
Início do conteúdo da página

Programa Cão-guia

0
0
0
s2sdefault
Publicado: Sexta, 18 de Maio de 2018, 16h11 | Última atualização em Terça, 23 de Outubro de 2018, 16h34 | Acessos: 645
 

O Programa Cão-Guia teve origem de uma iniciativa do Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Específicas - NAPNE do Instituto Federal Catarinense Campus Camburiú. Este programa foi acolhido pela Secretaria de Desenvolvimento Humano da Presidência da República – SDH e pela Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica - Setec/MEC como uma ação de promoção dos direitos das pessoas com deficiência, expandido para outros 6 Institutos Federais, dentre eles o IF Goiano Campus Urutaí.

 O Programa Cão-Guia do IF Goiano Campus Urutaí tem o objetivo de formar novos Treinadores e Instrutores de cães-guia, bem como treinar e fornecer os animais como ferramenta de inclusão para pessoas cegas ou com baixa visão. O tempo de formação do cão-guia é de aproximadamente 2 anos, uma vez que ele passa pela etapa de socialização e, somente após esse período, é direcionado para o treinamento. 

Com uma área de aproximadamente 11 mil metros quadrados, o Programa Cão-Guia conta com uma estrutura física composta por uma clínica veterinária, administração, auditório com capacidade para 80 pessoas, canil de socialização, canil de treinamento e maternidade. Além disso, ainda possui um centro de convivência com capacidade para 10 leitos destinados aos deficientes visuais durante o processo de formação de dupla usuário/cão-guia. 

O processo de formação de um cão-guia é composto pelas etapas: socialização, treinamento e adaptação.  A socialização é a primeira etapa do processo de formação do cão-guia. O animal, após encerrada a fase de amamentação (aproximadamente 45-60 dias), é colocado sob a responsabilidade de uma família socializadora, voluntários que se disponibilizam para contribuir com o desenvolvimento de um cão-guia filhote durante os 15 meses seguintes. Neste período os animais são levados para todos ambientes sociais possíveis, tais como ambientes de trabalho, academias, shopping centers, restaurantes, ônibus, etc. Essa fase é importante para o desenvolvimento das três principais características de um cão-guia: educação, obediência e foco no trabalho de guiar. Durante essa etapa o socializador é assistido pela equipe do programa, formada por instrutores, treinadores e médicos veterinários. 

Após a etapa de socialização, o cão retorna para o instituto, onde será treinado durante um período de 4 a 6 meses. Concomitante ao treinamento é realizada a seleção dos candidatos a usuário de cão-guia. Esta seleção é feita a partir do Cadastro Nacional de Candidatos a Utilização de Cães-Guia, criado em 2014 pela SDH.

Ao término da seleção, o candidato selecionado é convidado a realizar o curso de formação de dupla, também conhecido como processo de adaptação. Nesta fase, que tem duração média de 01 mês, o deficiente visual fica hospedado no Centro de Convivência por um período de 3 semanas. A quarta semana de adaptação, o instrutor acompanha o cego e o cão-guia em seu local de residência, no processo de adaptação domiciliar. 

Atualmente a equipe do Programa Cão-Guia é formada pelos servidores: 

Leonardo Goulart  - Chefe da Unidade de Formação de Cães-Guia

Saulo Humberto de Avila Filho - Médico Veterinário

Brunno Naves - Zootecnista e treinador 

Flávia Cristina de Oliveira Guerino - Técnica administrativa

 

 

 

Fim do conteúdo da página