A barra do Governo Federal só poderá ser visualizada se o javascript estiver ativado. Ir direto para menu de acessibilidade.

Opções de acessibilidade

GTranslate

    pt    en    fr    es
Página inicial > Últimas notícias Iporá > Pesquisa busca alternativas para integração lavoura-pecuária
Início do conteúdo da página

Pesquisa busca alternativas para integração lavoura-pecuária

0
0
0
s2sdefault
Publicado: Sexta, 11 de Março de 2016, 17h10 | Última atualização em Terça, 17 de Janeiro de 2017, 19h12 | Acessos: 1364

Os experimentos estão sendo realizados na fazenda escola, em Iporá, e no município de Aliança do Tocantins (TO).

imagem sem descrição.

Uma pesquisa do Instituto Federal Goiano (IF Goiano) – Câmpus Iporá está analisando alternativas de integração lavoura-pecuária (ILP) adequadas a regiões que não possuem solos utilizados tradicionalmente para produção de grãos, como o oeste goiano. A ideia é encontrar soluções que diminuam os riscos econômicos, climáticos e ecológicos, tanto da atividade agrícola quanto da pecuária, promovendo maior estabilidade produtiva para a propriedade.

Em um dos experimentos, que está sendo realizado na fazenda escola, a integração foi implantada com os objetivos de reformar e de recuperar pastagens. Na recuperação de pastagens, o experimento avalia o uso do feijão guandu e da adubação de fósforo em braquiárias em degradação.

Na reforma, a pastagem é retirada e o solo preparado para nova semeadura. No experimento de integração lavoura-pecuária, a pesquisa está analisando possíveis culturas cujo investimento gere retorno pela venda de grãos e que deixem resíduos dos fertilizantes e matéria orgânica para o desenvolvimento da nova pastagem. No sistema convencional, sem implantação da agricultura, a reforma só gera custos.

No caso deste experimento, a reforma da pastagem foi feita com a cultura do milho e os resultados parciais demonstram que, além da venda do grão “pagar” o investimento realizado, os resíduos que ficam no solo promoveram a “engorda” mais rápida do gado que pastejou na área. Ou seja, o consórcio de pastagem com milho aumentou a produtividade da pecuária de corte.

O coordenador do projeto, o veterinário Tiago do Prado Paim, contou que foram testados três tipos de “tratamentos”: milho em consórcio com guandu e braquiária, milho e braquiária, e braquiária e guandu. “São diferentes estratégias de reforma de pastagem. O milho tem o potencial de produzir renda em 120 dias após o plantio, ou seja, é de retorno rápido. Já o guandu é uma leguminosa e, por isso, pode beneficiar o milho e a braquiária fornecendo nitrogênio”, explica.

Durante o período seco, o guandu ainda é pastejado pelos animais, o que deixa sua dieta com maior teor de proteína. “De fato, até agora percebemos que o tratamento com milho, braquiária e guandu produziu sete arrobas por hectare durante o período seco, enquanto os demais produziram somente cinco arrobas. Além disso, nos tratamentos de recuperação de pastagem, o guandu proporcionou uma arroba a mais por hectare durante a seca”, completa o pesquisador.

A pesquisa avalia também diferenças entre dois grupos genéticos de animais: Nelore e Angus x Nelore. Com relação à produtividade, o Angus x Nelore tem apresentado melhores resultados até o momento. “Também estamos avaliando a adaptação dos animais ao ambiente e ao sistema de ILP, no que diz respeito a conforto térmico e parasitas”, explica Tiago.

O projeto é financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e tem como parceiros em Iporá a empresa Procria e o produtor José Lopes Coelho, da Fazenda Pé-de-Pato.

Tocantins

Outro experimento do mesmo projeto é realizado no município de Aliança do Tocantins (TO), onde a ILP foi implantada em uma área de produção de soja. Neste caso, sem reduzir a rentabilidade da área, espera-se que a pecuária traga benefícios agronômicos. Isso porque com o pastejo dos animais durante 18 meses, as próprias raízes e folhas, e a deposição de esterco melhoram a qualidade do solo e podem diminuir a incidência de pragas e doenças das culturas anuais a serem plantadas no período chuvoso subsequente.

Dessa maneira, 30 dias antes da colheita da soja, foi feita a sobressemeadura da braquiária para formar pastagem. Passados 60 dias da colheita, os animais entraram na área e pastejaram no período seco. A vantagem da implantação do sistema apareceu no bom ganho de peso desses animais, de 500 gramas por dia, e na produção de palhada para a safra de soja do ano seguinte.

No período das águas, como a prioridade é a produção agrícola, os animais ficam restritos a pequenas áreas, com altas lotações e altas produtividades. Este rebanho volta a ocupar as áreas da agricultura no período seco.

Assim como o experimento de Iporá, lá também está sendo avaliada a produtividade bovina dos mesmos grupos genéticos, Nelore e Nelore x Angus. O pesquisador ressalta que em ambos os experimentos a diferença entre os grupos é significativa. O Angus x Nelore, na média dos dois experimentos, apresenta ganho de peso 40% maior quando comparado ao Nelore.

Ao final do projeto, espera-se que a interação entre agricultura e pecuária não só garanta mais estabilidade econômica ao produtor, que terá maior variedade de produtos para o mercado, como também melhore as condições do chamado agroecossistema. A pesquisa busca justamente encontrar as melhores alternativas para conseguir alta produtividade vegetal e animal, com sustentabilidade ambiental e econômica.

Karen Terossi - Assessoria de Comunicação Social

 

Fim do conteúdo da página