A barra do Governo Federal só poderá ser visualizada se o javascript estiver ativado. Ir direto para menu de acessibilidade.

Opções de acessibilidade

GTranslate

    pt    en    fr    es
Início do conteúdo da página

Ciência em pauta no Campus Rio Verde

0
0
0
s2sdefault
Publicado: Sexta, 26 de Outubro de 2018, 16h46 | Última atualização em Terça, 30 de Outubro de 2018, 11h59 | Acessos: 667

O 7º Congresso de Pesquisa e Pós-Graduação do Campus Rio Verde, 7º Congresso de Iniciação Científica do IF Goiano e 8º Seminário de Avaliação da Pós-Graduação tiveram início na segunda-feira, dia 22. Os eventos oportunizaram importantes debates sobre a ciência e tecnologia com renomados pesquisadores da academia científica brasileira. 

A Banda Sinfônica Nilo Peçanha do Instituto Federal de Goiás (IFG) - formada por alunos dos cursos técnico e superior em música do IFG - Campus Goiânia abriu os trabalhos ao som de violões e saxofones. Os músicos apresentaram um repertório bem eclético, do clássico ao popular, encantando a todos os presentes. O grupo tem o acompanhamento dos regentes Daniel Araújo e Maurício Mendonça, que são professores do IFG. 

Em seguida, o embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley, proferiu a conferência de abertura. Juntamente com o pesquisador israelense, Beni Lew, do Instituto Volcani, o embaixador falou sobre a importância da pesquisa para o desenvolvimento de uma nação, citando como exemplo, o Estado de Israel.

Palestras e mesas redondas

Durante o congresso várias palestras, com temas que contemplam um universo bem amplo da produção científica, foram proferidas. A primeira delas foi ministrada pela presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Helena Nader, e teve como tema o novo marco regulatório da ciência e tecnologia no Brasil. As fundações de amparo à pesquisa do país também estiveram no centro dos debates, assim como os desafios da mulher na ciência, em especial, a conciliação entre a maternidade e a carreira; a ética na pesquisa e plágio acadêmico e a indissociabilidade do ensino, pesquisa e extensão no contexto acadêmico.

As mesas redondas também apresentaram temas de grande relevância para a atuação dos pesquisadores, como, estratégias para publicação em revistas de alto impacto e metodologia de trabalho e perspectivas para a pós-graduação para os próximos anos.

Minicursos e apresentações de trabalhos

Ao todo foram 8 minicursos, dentre eles, produção artesanal de cervejas, processamento de doce de leite e requeijão cremoso e ética no uso de animais em ensino e pesquisa. As apresentações de trabalho na forma oral também foram destaques, totalizando 55 trabalhos em diversas áreas temáticas, como Engenharias, Ciências Exatas e da Terra, Ciências Agrárias, Ciências Biológicas e Linguística, Letras e Artes, dentre outras. Já os pôsteres totalizaram 544, sendo a grande maioria da área de Ciências Agrárias, seguida de Ciências Exatas e da Terra, Ciências Biológicas, Engenharias e Ciências Humanas.

Mostra de Ciência: laboratórios itinerantes 

Essa é uma atividade que tem acontecido de forma recorrente na instituição. Os laboratórios são concentrados em uma só área para que os visitantes possam conhecer os instrumentos e as técnicas utilizadas pelos pesquisadores do Campus Rio Verde. As apresentações são feitas por estudantes e coordenadores dos laboratórios. Para esse evento, 30 laboratórios foram montados no ginásio de esportes e lazer do campus.

No local também houve apresentações culturais coordenadas pelo Núcleo de Artes, Ciência e Cultura do IF Goiano (NAIF), como música e show circense. A mostra recebeu alunos de escolas do município e da região.

Painel dos servidores

Uma das novidades desse evento foi o painel dos servidores, uma exposição que retrata o envolvimento dos trabalhadores do campus com a ciência. São professores e técnicos administrativos, que além de suas atribuições específicas, atuam como pesquisadores nas mais diversas áreas. O painel revelou que muitos técnicos administrativos possuem formação em nível de mestrado e também de doutorado ou em doutoramento. Em relação aos professores, a grande maioria está envolvida diretamente com a pesquisa, tanto na iniciação científica, quanto na pós-graduação.

Segundo os organizadores, a iniciativa objetivou mostrar à comunidade que os servidores da instituição não estão alheios aos avanços da ciência e tecnologia e estão buscando, dentro de suas áreas, um maior aprimoramento para atuar conforme as exigências do mundo moderno.

Workshop dos programas da pós-graduação

 O workshop dos Programas de Pós-Graduação em Tecnologia de Alimentos (PPGTA), em Engenharia Aplicada (PPGEA) e em Agroquímica (PPGAQ), que nos anos anteriores ocorreram separadamente, dessa vez, aconteceram de forma conjunta. A atividade reuniu professores, discentes e coordenadores dos seus respectivos programas que tiveram a oportunidade de ouvir pesquisadores que discorreram sobre a inovação na geração de produtos e processos.  

Participaram das discussões, a pesquisadora Rosangela da Silva Lomeo da UFMG. Em sua exposição ressaltou a queda de investimentos nas pesquisas por parte do governo, mas em contrapartida, segundo ela, muitas empresas passaram a financiar. “As empresas estão financiando. Estão indo atrás dos pesquisadores porque viram que tem de inovar pra se manter no mercado”, afirmou.  

Já Artur Cesaretti Pereira, que representa o grupo Votorantim, lembrou da importância de se investir em tecnologia com vistas ao aumento na produtividade das lavouras e lembrou da necessidade de avanço na correção do solo. “Só cresce com aplicação de tecnologia, mas ainda há muito o que avançar na correção do solo. É preciso investimento na fertilidade do solo”, explicou o pesquisador, lembrando que muitas plantas não resistem aos veranicos.  

O pesquisador Wendell Karlos Tomazelli Coltro, da UFG, falou sobre sensores eletroquímicos para a investigação da adulteração de bebidas e alimentos. As experiências do IF Goiano com o registro de patentes também foram mostradas no workshop. 

Seminários de avaliação de Programas de Pós-Graduação

A 8ª edição do Seminário da Pós-Graduação reuniu dezenas de avaliadores da Capes no Campus Rio Verde. Depois de conhecer os programas, os avaliadores deram seu parecer no intuito de contribuir para com a excelência de cada um. Foram avaliados, os programas de pós-graduação acadêmicos e profissionais da área de Ciências Agrárias (PPGCA, PPGAq e PPGBG); o programa de pós-graduação acadêmico em Zootecnia; os  programas de Pós-Graduação Acadêmico e Profissional das áreas de Biodiversidade e Ciências Ambientais; os programas de Pós-Graduação Acadêmicos e Profissionais da área de Ciências Agrárias (Olericultura, Irrigação no Cerrado e Proteção de Plantas); o programa de Pós-Graduação Profissional em Tecnologia de Alimentos; o programa de pós-graduação Profissional em Engenharia de Sustentabilidade e  o Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica.

Segundo o diretor de pós-graduação, pesquisa e inovação do Campus Rio Verde, professor Alan Carlos Costa, o sucesso de um evento tão grandioso como este só foi possível graças ao envolvimento dos servidores do IF Goiano (muitos deles atuando há cerca de 1 ano em sua organização) e dos estudantes do campus que compuseram as 12 comissões de organização das atividades. Professor Alan lembrou ainda dos parceiros públicos, como as agências de fomento, e também das empresas privadas, que contribuíram para a realização das ações. 

 

 Setor de Comunicação Social e Eventos

Fim do conteúdo da página