A barra do Governo Federal só poderá ser visualizada se o javascript estiver ativado. Ir direto para menu de acessibilidade.

Opções de acessibilidade

GTranslate

    pt    en    fr    es
Início do conteúdo da página

IF Goiano assume compromisso na Tecnoshow

0
0
0
s2sdefault
Publicado: Segunda, 03 de Abril de 2017, 23h49 | Última atualização em Segunda, 29 de Maio de 2017, 13h18 | Acessos: 991

A instituição confirmou participação no projeto “Rio Verde: capital do futuro”, que visa tornar o município uma referência na produção sustentável de alimentos.

imagem sem descrição.

O Instituto Federal Goiano (IF Goiano) participou na manhã desta segunda-feira, 3, da assinatura do protocolo de intenções que marca o início do projeto “Rio Verde: capital do futuro”. O evento aconteceu na abertura da Tecnoshow Comigo.

A proposta é tornar o município de Rio Verde uma referência do alimento saudável, sustentável, resiliente ao aquecimento global e socialmente inclusivo. Para isso, a ideia é articular conhecimento científico, desenvolvimento tecnológico e setor produtivo para criar um ambiente de inovação e diálogo com a sociedade.

O reitor do IF Goiano, Vicente Pereira de Almeida, explica que, mais que oferecer formação profissional orientada para os diversos elementos da cadeia produtiva, a instituição vai atuar fortemente no âmbito da pesquisa. “Nós vamos produzir pesquisas aplicadas para solucionar problemas da agricultura e da pecuária”, explicou ele.

Além do IF Goiano, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg) e o Instituto Fórum do Futuro são responsáveis pela ideia.

Projetos

No período da tarde, servidores do IF Goiano e membros do Fórum do Futuro se revezaram no auditório da Tecnoshow para apresentar os diferentes projetos englobados pela proposta “Rio Verde: capital do futuro”.

Evaldo Vilela, que é presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig) e conselheiro do Fórum do Futuro, apresentou o projeto “Conexão Futuro, o Hub da Inovação”. O objetivo é construir em Rio Verde o primeiro ambiente de inovação no Brasil com foco na cadeia de valor do alimento, respondendo, por exemplo, a demandas de produtores por meio do desenvolvimento de tecnologias. Para isso, segundo Evaldo, além de atrair talentos, é preciso atrair empreendedores e empresas parceiras.

Haihani Silva Passos, professora do IF Goiano, falou sobre o novo mestrado que a instituição pretende implantar no município, intitulado “Desenvolvimento regional, agricultura e sociedade”. De acordo com Haihani, as pesquisas orientadas dentro deste mestrado devem responder a desafios relacionados aos alimentos de forma multidisciplinar. Trata-se de um programa de formação dos profissionais que vão trabalhar nos diversos aspectos relacionados à cadeia de valor do alimento.

A professora Maria Luiza Bretas apresentou o projeto “Línguas online”, cujo principal objetivo é capacitar produtores, estudantes e profissionais para atuar no mercado externo ou mesmo com pesquisa e desenvolvimento. Inicialmente o projeto vai oferecer a língua inglesa, e o plano a médio prazo é ofertar o curso de mandarim. Segundo a professora, os cursos serão uma oportunidade de aprimorar o networking e as oportunidades de negócios.

O diretor de Pesquisa e Pós-Graduação do campus, Alan Carlos Costa, apresentou o projeto de integração do Jardim Botânico de Rio Verde ao desenvolvimento do município. Entre os objetivos estão a melhoria da qualidade de vida associada ao plantio de espécies nativas, inserindo no projeto paisagístico de ruas, avenidas e praças o conceito in vivo destas espécies. Dessa maneira, o Jardim Botânico que é situado dentro do campus do IF Goiano se expandirá para o toda cidade, ampliando sua missão como base para o desenvolvimento de pesquisas, preservação de recursos genéticos e um espaço para educação ambiental e lazer.

Por fim, o jornalista Fernando Barros, do Fórum do Futuro, falou sobre o papel da comunicação com a sociedade neste projeto. Segundo ele, mais que fazer publicidade, os atores envolvidos no processo produtivo do alimento, incluindo os pesquisadores, precisam inicialmente compreender o que a sociedade valoriza e traduzir isso em conteúdo. Ou seja, é preciso que as pesquisas, o desenvolvimento de tecnologias e a produção correspondam ao que se espera dos alimentos: que sejam saudáveis, sustentáveis e socialmente inclusivos.

Assessoria de Comunicação do Polo de Inovação

Fim do conteúdo da página