A barra do Governo Federal só poderá ser visualizada se o javascript estiver ativado. Ir direto para menu de acessibilidade.

Opções de acessibilidade

GTranslate

    pt    en    fr    es
Início do conteúdo da página
Seminário de Alinhamento

Coordenadora da Capes aponta para fortalecimento dos programas profissionais

0
0
0
s2sdefault
Publicado: Quinta, 08 de Novembro de 2018, 17h41 | Última atualização em Sexta, 09 de Novembro de 2018, 16h11 | Acessos: 120

Profept chegará em 2019 a 100% do território nacional, ao ser ofertado em todos os institutos federais.

O contexto histórico, atual e o futuro dos programas profissionais – mestrados já existentes, propostas de novos e de criação dos doutorados profissionais na área de ensino – e as suas avaliações. Esse foi o tema abordado na palestra da coordenadora adjunta da área de Ensino da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Ivanise Maria Rizzatti, realizada na manhã de quinta-feira, 8, no IV Seminário de Alinhamento do Programa de Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT).

A professora iniciou sua apresentação relembrando a trajetória dos programas de pós-graduação brasileiros na área de Ensino, que iniciaram com os cursos de mestrado em Ensino de Ciências e Matemática, entre 1983 e 1997, consolidando nos anos 2000 a criação dessa área junto à Capes. Em 2011, muda-se o nome, passando a ser apenas Ensino (área 46), com natureza multidisciplinar e incluindo os campos da história, diversidade, inclusão e abrangendo outros programas. 

“Apesar de a área de Ensino ter grande quantidade de programas de mestrado e doutorados acadêmicos, mesmo assim não se consegue atender o total da demanda em todo país. Os programas estão evoluindo em notas, de 2013 para 2017, houve aumento de notas para 4 e 5, sendo que 6 e 7 são para os programas de doutorado. Já formamos hoje quase 11 mil mestres na área de ensino”, ressalta Ivanise. Segundo informações apresentadas pela professora, atualmente existem 157 programas de pós-graduação stricto sensu na área de Ensino no Brasil, com maior concentração no Sudeste, e em diferentes campos: Ciências e Matemática, Ciências, Saúde, Educação Matemática e Multidisciplinar.

Sobre a proposta de implementação dos doutorados profissionais, Ivanise afirma que dos 63 programas submetidos recentemente à Capes, 15 são referentes a eles, sendo que algumas propostas já foram analisadas e outras serão avaliadas no final do mês de novembro. Ela lembra que a forma de avaliação dos mestrados atuais foi alterada e agora a tendência é que os novos programas não recebam mais conceito e sim apenas a avaliação se foi aprovado ou não. Após a entrada em funcionamento, com a avaliação de permanência, aí sim é dado o conceito para o curso e a recomendação ou não, de acordo com os critérios de análise presentes nos documentos de área. “Os cursos que forem rebaixados e tiverem com seleção aberta terão que suspender o processo seletivo de novas turmas”, afirma. Nessa avaliação são analisados: proposta do programa, corpo docente, corpo discente, publicações científicas e inserção social. 

Plano de Gestão - Entre os pontos do plano de gestão apresentado pela coordenadora, estão: estudar e discutir junto aos programas parcerias que possam contribuir para o crescimento sustentável dos cursos profissionais, com prefeituras, governos estaduais, Ministério da Educação (MEC), pois “não há incentivo da Capes para os programas profissionais. A parceria também é necessária com as instituições fins onde estão os cursos estão inseridos, para que a proposta do programa profissional tenha financiamento específico”, conta.

A evolução da área de Ensino tem trazido resultados positivos, segundo Ivanise, com atual avaliação do qualis para produtos e produções dessa área, que engloba também a pontuação dos produtos educacionais gerados pelos programas profissionais, tendo em vista o impacto que eles têm na sala de aula.

Comissão de Comunicação do IV Seminário de Alinhamento do ProfEPT

registrado em:
Fim do conteúdo da página